Extensão do gelo do mar no Ártico em novembro 2016
PIOMAS

Atualização do Gelo do Mar no Ártico – novembro 2016 – PIOMAS

Passou mais um mês e por isso aqui está o gráfico atualizado do volume de gelo do mar do Ártico, conforme calculado pelo gelo Sistema de Modelagem e Assimilação do Oceano Pan-Ártico (PIOMAS) no Centro de Ciência Polar:

Atualização do volume dp gelo domar no Ártico - PIOMAS

Estão a ver aquela linha de tendência de 2016 simplesmente a recusar-se a subir, terminando no nível mais baixo já registado para esta época do ano? Isso é por causa disto:

Extensão do gelo do mar no Ártico em Outubro 2007 2016

O Ártico tem se recusado teimosamente a voltar a congelar anteriormente, mas este é outro evento que podemos adicionar à lista sem precedentes. Depois de ter acabado no segundo / terceiro mais baixo do registo por volta da altura do mínimo de gelo, houve um rápido recongelamento que era tradicionalmente apontado como o Fim do Aquecimento Global, mas nas últimas semanas as coisas têm estado paradas figurativamente. Quaisquer que sejam os respectivos papéis de variabilidade natural e AGW [Aquecimento Global Antropogénico], estas oscilações loucas não inspiram confiança num sistema semi-estável (e o mesmo se passa, infelizmente, com a Antártida).

recuperação da extensão do gelo do mar no Ártico entre setembro e outubroO recongelamento lento, inevitavelmente, tem um efeito sobre o volume de gelo do mar, como modelado pelo PIOMAS. Desde 1 de novembro que o volume de gelo do mar é o mais baixo no registo, mas este post cobre apenas o mês de outubro, e no final desse mês, 2016 esteve apenas marginalmente atrás 2012. Mas, com um aumento de apenas 1.648 km3 durante outubro (apenas 2007 conseguiu ter um aumento inferior a 2 milhões na última década) 2016 deixou todos os outros anos bem longe. Vejam como as diferenças em relação aos anos anteriores têm evoluído desde o mês passado.

A linha plana também pode ser vista claramente na versão da Wipneus do gráfico de volume do PIOMAS:

Volume do gelo do mar no Ártico com 1979-2001 e anos anteriores

E zau, a linha de tendência no gráfico da anomalia de volume de gelo marinho do PIOMAS aventurou-se em território do desvio padrão de 2 novamente:

Anomalia do volume do gelo do mar no Ártico

Claro que, se há menos gelo fino a aparecer nas periferias, a espessura média geral pára de descer no gráfico da PIJAMAS, com base no meu rude cálculo dos números do volume do PIOMAS dividido pelo total de medida de extensão do gelo marinho da JAXA:

Volume d Gelo Marinho em relação à extensão do gelo marinho

E como de costume, o gráfico da espessura pelo Centro de Ciência Polar mostra algo semelhante:
Comparação da espessura do gelo do mar no Ártico 1980 2016

Duvido muito que a linha de tendência de 2016 não se vá juntar às outras nos gráficos da extensão do gelo e da área do gelo antes do fim do ano, mas ainda está por ver qual será o efeito disto no resto da temporada de congelamento.

Depois de um outubro lento, 2007 registou um aumento maciço durante novembro. Vamos a ver se vai ser o mesmo para este mês. A extensão do gelo está a crescer rapidamente outra vez:

Extensão do gelo do mar no Ártico em novembro 2016

Estou a fazer uma pausa nos blogs, mas vou tentar continuar a fazer as atualizações mensais do PIOMAS. Considerem isto um fio aberto.

Traduzido do original PIOMAS November 2016, publicado por Neven em Arctic Sea Ice Blog a 8 de novembro de 2016.

Estes conteúdos são traduzidos e/ou legendados por voluntários motivados pelo desejo de facilitar o conhecimento a todos e assim melhorar as nossas vidas. Qualquer pessoa pode fazer o mesmo.
Para iniciar ou sugerir uma tradução, clique aqui.
Standard
Gelo do mar no Ártico com espessura muito fino, quase sem gelo antigo.
Sam Carana

Gelo do Mar no Ártico Fica Terrivelmente Fino

Subida da Temperatura

Um aumento da temperatura (a partir de níveis pré-industriais) de mais de 10°C poderia suceder por volta do ano de 2026, como ilustrado pela imagem abaixo e como discutido numa publicação anterior.

Tendência de aumento da temperatura previsto para 10 anos

A anomalia de temperatura elevada que ocorreu em Fevereiro de 2016 foi parcialmente causada pelo El Niño. Todavia, há uma ameaça de que a anomalia de Fevereiro de 2016 não tenha sido um pico, mas em vez disso tenha sido parte de uma tendência que aponta para o que ainda está por vir.

Calor do Oceano

Como a imagem abaixo mostra, 93,4% do aquecimento global vai para os oceanos. Assim, o calor do oceano tem vindo a aumentar rapidamente e, como a imagem abaixo mostra, uma tendência aponta para um enorme aumento na próxima década.

O calor em excesso do aquecimento global vai principalmente para os oceanos

Para onde vai o aquecimento global? Atmosfera: 2,3%; Continentes: 2,1%; Glaciares/Mantos de gelo: 0,9%; Gelo do Mar no Ártico: 0,8%; Manto de gelo da Gronelândia: 0,2%; Manto de gelo da Antártida: 0,2%; Oceano: 93,4%. Dados da NOAA com curva de tendência adicionada mostra possível aumento em 8x mais até 2025.

O aumento da temperatura do oceano afeta o clima de várias maneiras. Um estudo recente confirmou os receios anteriores de que futuros aumentos na temperatura do oceano irão resultar em armazenamento reduzido de dióxido de carbono pelos oceanos.

Espessura e Volume do Gelo do Mar no Ártico

A espessura do gelo do mar no Ártico está a diminuir rapidamente.É importante ressaltar que aumentos da temperatura do oceano também farão com que o gelo do Ártico diminua, resultando em mudanças de albedo que farão com que menos luz solar seja refletida de volta para o espaço e mais luz solar, ao invés, seja absorvida pelo Oceano Ártico.

O gelo do mar no Ártico está a perder espessura rapidamente. A imagem à direita mostra que o gelo do mar mais espesso já quase que desapareceu (a imagem mostra o gelo do mar a 6 de Agosto de 2016). A imagem abaixo apresenta uma comparação entre os anos de 2012, 2013, 2014 e 2015 para 6 de Agosto.

comparação-espessura-gelo-2012-2016

A situação parece ainda mais ameaçadora quando se olha para a imagem do Laboratório de Pesquisa Naval abaixo, produzida com um novo modelo executado a 3 de Agosto de 2016, com validade de 4 de Agosto de 2016.

Gelo do mar no Ártico com espessura muito fina, quase sem gelo antigo.

A imagem abaixo, por Jim Pettit, mostra o volume de gelo do mar no Ártico.

Temperaturas da Superfície do Mar

O calor extra que entra nos oceanos traduz-se num enorme aumento da temperatura da superfície do mar, como ilustrado pela imagem abaixo, a partir de um post anterior e usando as anomalias da temperatura de superfície do mar no Hemisfério Norte até Novembro de 2015.

Comparação da temperatura de superfície do mar em Novembro para os anos de 1980 a 2015 revela enormes aumentos da temperatura.

Anomalia da temperatura de superfície do mar para o Hemisfério Norte, com dados da NOAA e linha de tendência adicionada.

Temperatura de superfície do mar em relação a 1971-2000O Oceano Ártico está a sentir o calor transportado pela Corrente do Golfo. A imagem à direita mostra anomalias da temperatura de superfície do mar a partir 1971-2000.

Note-se que as anomalias estão a atingir o topo da escala, de modo que, em algumas áreas estarão acima que extremidade superior (ou seja, 4°C) da escala.

As temperaturas da superfície do mar ao largo da costa da América do Norte são muito elevadas, com temperaturas da superfície do mar tão elevadas quanto 33,1°C, como a imagem abaixo mostra. Muito do calor acumulado no Golfo será carregado pela Corrente do Golfo para o Oceano Ártico ao longo dos próximos meses.

Temperatura da superfície do mar na corrente do golfo ao largo dos Estados Unidos

Anomalias da temperatura de superfície do mar no Ártico a 7 de Agosto de 2016A imagem à direita mostra as anomalias da temperatura de superfície do mar no Ártico a 7 de Agosto de 2016, em comparação com 1961-1990. Observe-se as áreas pretas onde as anomalias de temperatura da superfície do mar estão acima de 8°C.

As temperaturas da superfície do mar no Oceano Ártico permanecerão em torno do ponto de congelamento, onde e enquanto houver gelo do mar presente. Uma vez que o gelo do mar desaparecer, porém, a temperatura da superfície do mar naquela área vai subir rapidamente.

A imagem abaixo mostra quão acentuadas são as anomalias da temperatura da superfície do mar em latitudes mais elevadas do Hemisfério Norte.

Comparação das anomalias de temperatura de superfície do mar entre hemisfério norte e hemisfério sul

Enquanto que as temperaturas da superfície do mar podem estar enormes localmente, água ainda mais quente pode ser levada por baixo da superfície do mar desde o Oceano Atlântico até ao Oceano Ártico, devido à tampa de água doce fria sobre o Atlântico Norte, como ilustrado pela imagem abaixo, a partir de um post anterior.

Tampa de água doce fria do degelo no Ártico sobre o Atlântico Norte

Feedback 28 na página dos Feedbacks

A temperatura da superfície do mar estava tão elevada quanto 18,1°C perto de Svalbard (círculo verde), a 6 de Agosto de 2016, 13,1°C mais quente do que a média de 1981-2011, o que dá uma ideia de quão alta a anomalia da temperatura do oceano pode estar logo abaixo da superfície do mar.

Temperatura Mar Elevada Ártico -6 Agosto 2016

Temperatura da Superfície

Anomalia da temperatura para 365 dias entre Agosto 2015 e Agosto 2016Como a imagem à direita mostra, anomalias de temperatura de superfície elevadas têm atingido duramente o Ártico, particularmente nos últimos 365 dias.

Além de derreter o gelo do mar por cima, as temperaturas elevadas sobre os continentes também irão aquecer a água dos rios que desembocam no Oceano Ártico.

A água quente nos rios vai assim contribuir (juntamente com a água mais quente trazida para o Oceano Ártico a partir dos oceanos Atlântico e Pacífico) para o derretimento do gelo do mar no Ártico por baixo.

Metano

Há um perigo de que, como a temperatura do Oceano Ártico continua a aumentar, enormes quantidades de metano entrarão na atmosfera devido à desestabilização de hidratos no fundo do mar.

A situação é terrível e apela a uma acção abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Traduzido do original Arctic Sea Ice Getting Terribly Thin de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 17 de Julho de 2016.

Standard