Níveis de metano atmosférico
Sam Carana

Libertação de Metano do Fundo do Mar e Aumento dos Níveis Atmosféricos

Níveis de metano atmosférico

Os níveis de metano sobre o Oceano Ártico são superiores aos de qualquer outro lugar na Terra. Como a animação abaixo mostra, os níveis de metano estavam tão elevados quanto 2436 partes por bilião (mil milhões) (ppb) na tarde de 5 de dezembro de 2016, com a maioria de metano a ascender da água, em particular sobre o Oceano Ártico.

niveis de metano atmosférico

Aumento de metano na atmosfera a 5 de dezembro de 2016 (MetOp 1 pm), desde 1000 mb, ou seja, perto do nível do mar, até uma pressão de 586 mb, o que corresponde a uma altitude de 3833 m.

Os níveis de metano sobre o Oceano Ártico têm estado elevados há já mais de um mês. O vídeo abaixo, com uma banda sonora de Daniel Kieve, mostra os níveis de metano de 26 de outubro de 2016 a 25 de novembro de 2016.

Estes níveis elevados de metano acontecem numa altura em que não há praticamente nenhuma luz solar a atingir o Ártico, o que praticamente elimina a possibilidade de uma proliferação de algas ou outras fontes biológicas estarem a causar estes níveis elevados de metano. Em vez disso, estes níveis elevados de metano parecem ser o resultado de erupções de metano do fundo do mar do Oceano Ártico, causadas pelo aquecimento da água dos oceanos.

Nível médio global de metano

O metano do fundo do mar parece estar a fazer subir o nível médio de metano global em altitudes mais elevadas.

De facto, grandes quantidades de metano parecem estar a irromper do leito do mar do Oceano Ártico, e, à medida que o metano sobe na atmosfera, este vai-se aproximando do equador, resultando em níveis mais elevados de metano aí também. A imagem acima ilustra ainda que o metano do fundo do mar parece estar a fazer subir o nível médio de metano global em altitudes mais elevadas.

A imagem em baixo mostra o aumento da temperatura dos oceanos. As temperaturas estão a aumentar particularmente rápido no Hemisfério Norte.

temperatura do oceano aumenta

Aquecimento do Oceano, de uma publicação anterior.

A quantidade enorme de energia a entrar no oceano traduz-se em temperaturas mais elevadas da água e do ar sobre a água, bem como ondas maiores e ventos mais fortes. Muito desse calor é carregado pela força de Coriolis ao longo da Corrente do Golfo, desde a costa da América do Norte através do Atlântico Norte para o Oceano Ártico.

Calor levado pelas correntes do golfo até ao Ártico

Calor é carregado pela força de Coriolis ao longo da Corrente do Golfo, desde a costa da América do Norte através do Atlântico Norte para o Oceano Ártico.

Temperatura do mar elevada no ÁrticoComo a imagem à direita mostra, as temperaturas de superfície do mar perto de Svalbard (círculo verde) estavam tão altas quanto 14.1°C a 6 de dezembro de 2016, 12.1°C mais quente que a média de 1981-2011.

O aumento do calor no oceano está a ameaçar causar erupções cada vez maiores de metano do fundo do mar.

Conforme descrito na página “Extinction” (do site arctic-news.blogspot.com), as erupções de metano do fundo do mar podem provocar 1,1°C de aumento de temperatura ao longo dos próximos dez anos.

A situação é crítica e apela a uma ação abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.


Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos conteúdos aqui!

Traduzido do original Sea Floor Methane de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 12 de dezembro de 2016.

Estes conteúdos são traduzidos e/ou legendados por voluntários motivados pelo desejo de facilitar o conhecimento a todos e assim melhorar as nossas vidas. Qualquer pessoa pode fazer o mesmo.
Para iniciar ou sugerir uma tradução, clique aqui.
Anúncios
Standard
Extensão do gelo marinho 2012-2016
Sam Carana

O Gelo Marinho Está a Encolher

Extensão do gelo marinho no Ártico a cair novembro 2016

A extensão do gelo marinho caiu 0,16 milhões de km² de 16 de novembro a 19 de novembro de 2016, como ilustrado pela imagem ads.nipr.ac.jp/vishop acima. A imagem abaixo, com base em dados da NSIDC, mostra o gelo do mar no Ártico a encolher 49.000 km² em quatro dias.

Extensão do gelo marinho entre 16 e 20 de novembro de 2016

Isto está a acontecer num momento em que há pouca ou nenhuma luz solar a atingir o Árctico, como ilustra a imagem abaixo.

Insolação no Ártico em função do mês do ano e latitude

A imagem abaixo foi criada por Torstein Viddal, anteriormente publicada no blogue Arctic Sea Ice Collapse.

Extensão do gelo marinho 2012-2016

Gelo Marinho do Ártico – A extensão média anual, pela JAXA está a cair 23086 quilómetros quadrados por semana. Se continuar assim, os primeiros 365 dias sem gelo iriam começar em janeiro de 2024.

Ventos fortes no Ártico quebram o gelo marinhoEsta queda recente na extensão é em parte devido a ventos fortes, como ilustrado pela imagem à direita.

Acima de tudo, porém, a falta de gelo marinho sobre o Oceano Ártico é causada pela água muito quente que está agora a chegar ao Oceano Ártico.

Durante o verão do hemisfério norte, a água ao largo da costa da América do Norte aquece e é empurrada pela força de Coriolis em direção ao Oceano Ártico. São precisos vários meses para a água viajar ao longo da Corrente do Golfo através do Atlântico Norte.

Durou até agora o Oceano Ártico ter que suportar o peso deste calor.

Como a imagem abaixo mostra, anomalias recorde na superfície do mar apareceram perto de Svalbard a 31 de Outubro de 2016, quando o calor chegou pela primeira vez ao Ártico.

Temperaturas do mar elevadas no Ártico

A 31 de outubro de 2016, o Oceano Ártico estava tão quente quanto 17°C ou (círculo verde perto de Svalbard), ou 13,9°C mais quente do que 1981-2011. Isto indica o quão mais quente a água está abaixo da superfície, quando chega ao Oceano Ártico a partir do Oceano Atlântico.

Além disso, o gelo marinho da Antártida também está a cair, refletindo o aquecimento dos oceanos em todo o mundo. Há já algum tempo que a extensão do gelo marinho na Antártida tem estado num valor baixo recorde para a época do ano. A 19 de novembro de 2016, a extensão do gelo marinho do Ártico e Antártida combinados foi de 22.423 milhões de km², como a imagem abaixo mostra.

Gelo marinho global, Ártico e Antártida combinados

Trata-se de uma queda na extensão do gelo marinho mundial de 1.085 milhões de km² (418,900 milhas quadradas) desde 12 de novembro de 2016, quando a extensão global do gelo marinho foi de 23.508 milhões de km².

Vamos olhar para esses números novamente. No sábado, 12 de novembro de 2016, a extensão global do gelo marinho era de 23.508 milhões de km². No sábado, 19 de novembro de 2016, a extensão global do gelo marinho era de 22.423 milhões de km². Isso é uma queda de mais de um milhão de km² numa semana.

Em comparação, isso é mais do que o tamanho combinado de dez países europeus (como a Suíça, Áustria, Hungria, Alemanha, Dinamarca, Holanda, Bélgica, Luxemburgo, Reino Unido e Irlanda).

Ou, é mais do que o tamanho combinado de dezassete estados dos Estados Unidos (como Ohio, Virginia, Tennessee, Kentucky, Indiana, Maine, Carolina do Sul, West Virginia, Maryland, Havaí, Massachusetts, Vermont, New Hampshire, Nova Jersey, Connecticut, Delaware e Rhode Island).

Quanta energia adicional a Terra retém, devido a uma tal mudança albedo? Foi um virar total do albedo, seriam alguns 0,68 W / m². Uma estimativa conservadora seria uma mudança do albedo de 50%, conforme a imagem abaixo ilustra, de modo que isso significaria que a Terra agora mantém algumas 0,34 W / m² energia extra.

O gelo marinho espesso coberto de neve pode refletir tanto quanto 90% da radiação solar incidente. Após a neve começa a derreter, e por as lagoas rasas da fusão do gelo terem um albedo (ou refletividade) de aproximadamente 0,2 a 0,4, o albedo da superfície cai para cerca de 0,75. Como lagoas do derretimento crescem e tornam-se profundas, o albedo da superfície pode cair para 0,15, enquanto que o oceano reflete apenas 6% da radiação solar incidente e absorve o resto.

Diminuição do Albedo - reflexão da radiação solar pelo gelo

O Albedo é o efeito de reflexão da luz solar. Com o derretimento do gelo e da neve, diminui o efeito de Albedo e a quantidade de superfície escura e absorvente de calor é maior. 90% da radiação solar é reflectida pela superfície da água quando coberta de gelo e neve, mas apenas 6% é reflectido após o gelo derreter e a água encontrar-se a descoberto.

E então, esta queda numa semana da extensão do gelo do mar significa que há agora é um aquecimento adicional de cerca de 0,34 W / m². Em comparação, o impacto do aquecimento em relação ao ano de 1750 de todo o dióxido de carbono emitido pelas pessoas foi de 1,68 W / m² no mais recente relatório de avaliação do IPCC (AR5).

E mais! À medida que o há um declínio do gelo do mar, não há apenas uma perda de albedo devido a uma diminuição na extensão, como há também a perda de albedo no restante gelo do mar, que fica mais escuro à medida que derrete.

A imagem abaixo mostra a queda na extensão do gelo marinho da Antártida até 20 de novembro de 2016. A 20 de novembro de 2016, a extensão do gelo marinho da Antártida era 2.523.000 km² menor do que o era na mesma altura do ano em 2015.

Perda de gelo marinho na Antártida novembro 2016

Quanta mais energia está agora retida na Terra do que em 2015? Assumindo uma variação do albedo de 50% para esta perda na extensão do gelo e uma perda de albedo semelhante que está a ter lugar sobre o gelo restante, isto significa que a Terra está agora a reter uma quantidade extra de energia (em relação a 2015) que é igual a todo o aquecimento relativo ao pré-industrial devido ao dióxido de carbono emitido pelas pessoas.

Gelo marinho na Antártida 2015 - 2016

Entretanto, a diferença entre 2016 e 2015 tem ficado cada vez maior, como ilustrado pela imagem acima. A 23 de novembro de 2016, na Antártida, a extensão do gelo marinho estava 2.615 milhões km² mais pequeno do que a 23 de novembro de 2015.

A situação é terrível e apela a uma ação abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.


Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos conteúdos aqui!

Traduzido do original Sea Ice is Shrinking de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 20 de novembro de 2016, atualizado a 26 de novembro de 2016.

Estes conteúdos são traduzidos e/ou legendados por voluntários motivados pelo desejo de facilitar o conhecimento a todos e assim melhorar as nossas vidas. Qualquer pessoa pode fazer o mesmo.
Para iniciar ou sugerir uma tradução, clique aqui.
Standard
Crescimento das Emissões Globais de Dióxido de Carbono
Sam Carana

CO₂ Mensal a Não Menos de 400 ppm em 2016

Pelo terceiro ano consecutivo, as emissões globais de dióxido de carbono de combustíveis fósseis e da indústria (incluindo a produção de cimento) quase não cresceram, como a imagem do Global Carbon Project em baixo mostra:

Crescimento das Emissões Globais de Dióxido de Carbono

Contudo, os níveis de CO₂ têm continuado a subir e, como ilustrado pela tendência na imagem em baixo, poderão até ter acelerado.

Níveis de dióxido de carbono em crescimento apesar de não haver aumento das emissões

Porque têm os níveis de CO₂ na atmosfera continuado a subir apesar do facto de que as emissões da queima de combustíveis fósseis e da produção de cimento quase não terem aumentado nos últimos anos?

Desmatamento e outras alterações no uso dos solos

Durante a década de 2006 a 2015, as emissões provenientes do desmatamento e outras mudanças no uso do solo acrescentaram outra 1,0 ± 0,5 GtC (3,3 ± 1,8 GtCO₂), em média, às emissões de combustíveis fósseis e cimento representadas acima. Em 2015, de acordo com o Global Carbon Project, o desmatamento e outras mudanças no uso do solo acrescentaram outras 1,3 GtC (ou 4,8 bilhões de toneladas de CO₂), em cima das 36,3 bilhões de toneladas de CO₂ emitido pelos combustíveis fósseis e pela indústria. Este aumento nas emissões por desmatamento e outras mudanças no uso do solo constitui um aumento significativo (42%) sobre as emissões médias da década anterior, e este salto foi em grande parte causado por um aumento nos incêndios florestais ao longo dos últimos anos.

Por conseguinte, os níveis de CO₂ na atmosfera continuaram o seu crescimento constante. Em 2016, os níveis médios mensais globais de CO₂ não estiveram abaixo de 400 ppm. Foi a primeira vez que isso aconteceu em mais de 800.000 anos.

Níveis de CO2 acima dos 400ppm em 2016

Em 2016, pela primeira vez em pelo menos 800.000 anos, os níveis médios mensais globais de CO₂ não estiveram abaixo de 400 ppm.

Enquanto sobem, os níveis de CO₂ globais flutuam com as estações do ano, normalmente atingindo a um mínimo anual em agosto. Em agosto de 2016, os níveis de CO₂ atingiram um mínimo de 400,44 ppm, ou seja, bem acima de 400 ppm. Em setembro de 2016, os níveis de dióxido de carbono tinham subido novamente, para 400,72 ppm. Importante notar, uma tendência está contido nos dados a apontar para um nível de CO₂ de 445 ppm no ano de 2030.

Sensibilidade

Entretanto, um estudo por Friedrich et al. atualiza as estimativas do IPCC para a sensibilidade ao aumento do CO2, concluindo que as temperaturas poderiam aumentar tanto quanto 7.36°C em 2100 como resultado do aumento dos níveis de CO₂.

Quando tendo outros elementos que não o CO2 mais em conta, a situação parece ainda pior que isto, ou seja, o aumento global da temperatura poderia ser tanto quanto 10°C na próxima década, como descrito na página extinção.

Sequestro de carbono em terra
Dissipadores de carbono e variação do sequestro de carbono ao longo dos anos.

Perturbação do ciclo global de carbono causada pelas atividades antropogénicas, estimadas globalmente para a década de 2006-2015(GtCO2/ano)

A imagem acima mostra também um aumento do sequestro de carbono em terra ao longo dos anos, o qual um estudo recente atribui a níveis mais elevados de CO₂ na atmosfera. Embora este aumento do dissipador de carbono em terra pareça ter travado um aumento mais forte da temperatura por algum tempo, há indícios de que este dissipador de terra já está a diminuir.

Porque é que o sequestro de carbono em terra está a diminuir?

  • Práticas agrícolas, tais como o esgotar das águas subterrâneas e aqüíferos, arar, mono-culturas e o corte e queima de árvores para criar gado pode reduzir significativamente o teor de carbono dos solos.
  • O salto recente na temperatura global parece ter danificado severamente os solos e a vegetação através de eventos climáticos extremos, como tempestades de granizo, relâmpagos, inundações, ondas de calor, secas, tempestades de areia e incêndios florestais, e a erosão associada, transformando partes daquilo que foi uma vez um enorme reservatório de sequestro de carbono em terra em fontes de emissões de dióxido de carbono. Pior ainda, tais eventos climáticos extremos também podem levar a novas emissões, incluindo fuligem, óxido nitroso, metano, e monóxido de carbono, que por sua vez podem causar aumentos de ozono ao nível do solo, o que enfraquece ainda mais a vegetação e torna as plantas mais vulneráveis ​​a pragas e infestações.
  • Tal como um estudo de 2009 avisou, temperaturas mais elevadas também podiam causar uma redução na transpiração pelas copas das árvores, devido a estômatos das plantas menos amplamente abertos e o resultante aumento da resistência estomática em concentrações mais elevadas de dióxido de carbono na atmosfera. Como resultado, a cobertura de nuvens baixas está a diminuir na maior parte da superfície da terra, reduzindo albedo planetário e fazendo com que mais radiação solar alcance a superfície, e assim elevando ainda mais a temperatura para além do nível de viabilidade para muitas espécies.
Conclusão

Em conclusão, embora as emissões de CO₂ dos combustíveis fósseis e da indústria possam mal ter crescido, os níveis de gases de efeito estufa estão a aumentar progressivamente, se não mesmo a acelerar. Ao mesmo tempo, os eventos climáticos extremos estão em ascensão e há outros fatores que contribuem para fazer com que o sumidouro de carbono em terra diminua de tamanho. Para além disso, o IPCC parece ter subestimado a sensibilidade ao aumento de CO2.

Temperaturas a aumentarem

Como resultado, não se pode esperar que as temperaturas descerão dos seus níveis actualmente muito elevados, como ilustrado na imagem abaixo.

Meses que Estiveram Acima de 1.5ºC

Esteve mais do que 1.5ºC mais quente do que no período pré-industrial durante 9 dos 12 meses entre outubro de 2015 e setembro de 2016.

As temperaturas estão a aumentar particularmente rápido no Ártico, como ilustrado pela imagem em baixo, mostrando subidas da temperatura até 10.2°C no Ártico em outrubro de 2016.

Subidas da temperatura anormais no Ártico

O gráfico da DMI em baixo mostra a temperatura média diária e o clima a norte do paralelo 80, como função do dia do ano.

Comparação da temperatura ao longo do ano entre a média 1958-2002 e 2016

Comparação da temperatura média em cada dia do ano. Linha vermelha representa 2016 até 15 de Novembro. Linha verde representa a média de 1958-2002 para cada dia do ano.

Previsão para 19 de novembro de 2016: O Ártico vai estar tanto quanto 7,42ºC mais quente do que em 1979-2000, como ilustrado na imagem em baixo.

temperatura distancia-se da média no Ártico, anomalia de 7ºC

Outro reflexo de um mundo cada vez mais quente, a extensão combinada do gelo marinho do Ártico e da Antártida está atualmente num mínimo recorde. A 12 de novembro de 2016, a extensão global combinada de gelo do mar foi de apenas 23.508 mil km².

Gelo no Ártico e na Antártida com extensões mínimas para a altura do ano.

A extensão do gelo marinho no Ártico está a aumentar, onde o Inverno está a chegar, enquanto que na Antártida a extensão do gelo está a diminuir, onde está a chegar o Verão. Em ambos os polos o gelo está num recorde baixo para a época do ano.

Duas imagens, criadas por Wipneus com dados de NSIDC, foram adicionadas a seguir para ilustrar ainda mais a situação.

Extensão global do gelo do mar plurianual

A imagem acima mostra a extensão do gelo marinho global ao longo dos anos, enquanto que a imagem abaixo mostra a área total do gelo marinho global ao longo dos anos. Para mais quanto à diferença entre extensão e área do gelo, vejam esta página da NSIDC.

gelo marinho área global de ano para ano

Alguns dos resultados do dramático declínio global do gelo do mar são:

  • Enormes quantidades de luz solar que foram refletidas anteriormente de volta para o espaço são agora, em vez disso, absorvidas pelos oceanos.
  • O declínio do gelo marinho faz com que seja mais fácil que água quente do mar chegue debaixo dos glaciares e acelere o seu fluxo para a água.
  • Mais águas abertas resulta em tempestades mais fortes, provocando chuvas e continuação do declínio da cobertura de neve e gelo.
  • A continuação do declínio da cobertura de neve e gelo na Gronelândia e Antártida, por sua vez ameaça provocar um aumento da libertação de metano da Gronelândia e da Antártida, como descrito em publicações anteriores como esta.

A situação é terrível e apela a uma ação abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Traduzido do original Monthly CO₂ not under 400 ppm in 2016 de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 13 de Novembro de 2016..

Estes conteúdos são traduzidos e/ou legendados por voluntários motivados pelo desejo de facilitar o conhecimento a todos e assim melhorar as nossas vidas. Qualquer pessoa pode fazer o mesmo.
Para iniciar ou sugerir uma tradução, clique aqui.
Standard
Média anual da extensão do gelo marítimo 2012 - 2016
Sam Carana

Menos gelo marítimo, Oceano Ártico mais quente

A 2 de novembro de 2016, a extensão do gelo marítimo do Ártico estava num valor mínimo recorde para a época do ano, ou seja, apenas 7,151 milhões km².

gelo marítimo atinge valor mais baixo recorde

A atualmente muito baixa extensão de gelo marítimo está a arrastar ainda mais para baixo a média anual da extensão de gelo marítimo, que também está num valor mínimo recorde, como ilustrado pela imagem abaixo, do blog de Torstein Viðdalr.

Média anual da extensão do gelo marítimo 2012 - 2016

Não só está a extensão do gelo marítimo do Ártico muito baixa, o gelo marítimo está também cada vez mais fino, como ilustra a imagem abaixo, por Wipneus, que mostra o recente e dramático declínio da espessura do gelo marítimo do Ártico.

Comparação da espessura do gelo marítimo no Ártico 2012-2016

Como a animação de 30 dias do Naval Research Lab abaixo mostra, o gelo marítimo do Ártico não está a ganhar grande espessura, apesar da mudança de estações.

Espessura do gelo no Ártico em Outubro - Novembro 2016, em metros.

Espessura do gelo no Ártico em Outubro – Novembro 2016, em metros.

Nos dois vídeos em baixo, Paul Beckwith explica melhor a situação.

Paul Beckwith:

A recuperação do gelo marítimo está fod… este ano, verdadeiramente horrível de facto. À medida que o gelo se estende, definido como as regiões com pelo menos 15% de gelo, e tenta expandir pelo congelamento da água do mar, é derretido por temperaturas da superfície do mar extremamente elevadas. Então, a água arrefecida da superfície mistura-se pela ação das ondas com água mais quente tão profundo quanto 200 metros, e as misturas quentes na superfície continuam o processo de derretimento do gelo do mar. Sem uma recuperação forte do gelo, vamos atingir o estado para o qual nos dirigimos. Nomeadamente, zero gelo marítimo. Temos que quebrar este ciclo vicioso, ao declararmos uma emergência climática, e ao implementar o conjunto de soluções do banco-de-três-pés.

[Esta segunda parte encontra-se em tradução e em breve será adicionada à publicação Gelo do Mar no Ártico em Recuperação Difícil Sem Precedentes]

À medida que o aquecimento global aumenta a temperatura da superfície do mar e a da atmosfera sobre a superfície do mar, desenvolvem-se ventos cada vez mais fortes, resultando por sua vez em ondas mais fortes e maiores quantidades de água nas nuvens.

A imagem abaixo mostra a previsão para 9 de Novembro de 2016 de ondas tão altas quanto 13.76 metros (círculo verde no painel esquerdo) e quantidades totais de água de 1.38 kg/m² (círculo verde, painel direito, perto de Novaya Zemlya).

Previsão de ondulação e quantidade de água nas nuvens no Ártici a 9 de Novembro

Ondas grandes tornam difícil para o gelo marítimo de formar, enquanto a evaporação do oceano adiciona mais vapor de água para a atmosfera. Uma vez que o vapor de água é um gás de efeito estufa potente, isto acelera ainda mais o aquecimento do Ártico.

O péssimo estado do gelo marítimo indica que a água do Oceano Ártico está a ficar cada vez mais quente.

Temperatura do mar no Ártico a 31 de Outubro de 2016
A 31 de outubro de 2016, o Oceano Ártico estava tão quente como 17°C ou 62,7°F (círculo verde perto de Svalbard), ou 13,9°C ou 25°F mais quente do que 1981-2011. Isto indica o quão mais quente a água está abaixo da superfície, chegando assim ao Oceano Ártico a partir do Oceano Atlântico.

Em baixo está uma atualização da situação quanto ao metano. Contida nos dados existentes temos uma linha de tendência a indicar que os níveis de metano poderiam aumentar um terço até 2030 e quase duplicar até 2040.

Níveis de metano em 2016 e previsão até 2040

Porque é que o metano é tão importante? Numa escala de 10 anos, o metano causa mais aquecimento do que o dióxido de carbono. Em comparação com o CO2, o metano o Potencial de Aquecimento Global do metano aumenta quanto mais for libertado. O tempo de vida do metano pode ser estendida a décadas, em particular devido à depleção do hidróxido na atmosfera.

Potencial de aquecimento global do metano

Potencial de aquecimento do metano comparado ao CO2 e outros gases de efeito estufa.

Nefasto é o que mostra a imagem em baixo, a 9 de Novembro de 2016, os níveis de metano estavam tão elevados sobre o mar de Laptev (cor magenta sólido a norte da Sibéria).

Níveis de metano, Laptev, Sibéria

A imagem abaixo mostra que os níveis de metano a a 9 de Novembro de 2016 esavam tão altos quanto 2633 partes por bilião (a uma altitude ligeiramente mais elevada correspondendo à pressão de 469 mb).

Níveis de metano, Novembro 2016

As temperaturas sobre o Oceano Ártico estão previstas permanecerem elevadas, refletindo as temperaturas muito elevadas da água.

Temperaturas elevadas no Ártico a Novembro de 2016

O perigo é que, à medida que o aquecimento global continuar e a neve do Ártico e a cobertura de gelo continuarem a encolher, o aquecimento do Oceano Ártico irá acelerar e destabilizar os hidratos de metano contidos nos sedimentos do seu leito marítimo, provocando enormes erupções de metano que irão acelerar ainda mais o aquecimento. Isto poderia contribuir para um aumento da temperatura global de até 10°C ou 18°F durante a próxima década.

A situação é terrível e apela a uma ação abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático

Traduzido do original Less sea ice, warmer Arctic Ocean de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 4 de Novembro de 2016, atualizado a 11 de Novembro..

Estes conteúdos são traduzidos e/ou legendados por voluntários motivados pelo desejo de facilitar o conhecimento a todos e assim melhorar as nossas vidas. Qualquer pessoa pode fazer o mesmo.
Para iniciar ou sugerir uma tradução, clique aqui.
Standard
Ventos fortes sobre o Oceano Ártico
Sam Carana

Tempestades no Oceano Ártico

Ventos fortes sobre o Oceano Ártico

Os ventos sobre o Oceano Ártico atingiram velocidades de até 52 km/h a 19 de Agosto de 2016. A imagem abaixo mostra a Corrente de Jato [Jet Stream] a cruzar o Oceano Ártico a 19 de Agosto de 2016 (veja o mapa na imagem acima para referência geográfica).

O Jet Stream ou Corrente de Jato atravessou o Equador

Velocidade e deriva do gelo do mar no ÁrticoA imagem da Naval Research Lab à direita mostra uma previsão para a velocidade e direção do gelo do mar executada a 15 de Agosto de 2016 e válida para 17 de Agosto de 2016.

Estas tempestades chegam num momento em que o gelo do mar se tornou extremamente fino, como ilustrado pela animação da espessura do gelo do mar pelo Naval Research Lab abaixo, cobrindo um período de execução de 30 dias a 17 de Agosto de 2016, com uma previsão até 25 de Agosto de 2016 . A animação mostra que o gelo marinho plurianual já praticamente que desapareceu.

Com o gelo do mar em tão má forma, ventos fortes podem causar uma queda rápida na extensão do gelo marinho, num momento em que o Ártico ainda tem um pouco de insolação. No Polo Norte, a insolação descerá para zero na altura do Equinócio de Setembro de 2016.

Espessura do gelo do mar a 25 de Agosto 2016 - previsãoAinda mais aterrorizante é a previsão da Research Lab da Naval para a espessura do gelo do mar do Ártico para 25 de Agosto de 2016, executado a 17 de Agosto de 2016, utilizando um novo modelo HYCOM, como mostrado à direita.

Com o gelo do mar plurianual mais espesso agora praticamente desaparecido, o restante gelo do mar está propenso a fraturar-se e a ficar lamacento, o que também faz com que seja mais escuro na cor e, portanto, propenso a absorver mais luz solar.

Ventos e quebra e deriva do gelo no ÁrticoAlém disso, se os ventos fortes continuarem a atingir o Oceano Ártico ao longo das próximas semanas, isso poderá empurrar a maior parte do gelo do mar para fora do Oceano Ártico, pelas bordas da Gronelândia em direção ao Oceano Atlântico.
Os ventos fortes estão previstos continuarem a atingir o Oceano Ártico duramente na próxima semana, como ilustrado pela imagem à direita mostrando uma previsão para 24 de Agosto de 2016.

À medida que a extensão do gelo marinho cai, menos luz solar é refletida de volta para o espaço e em vez disso é absorvida pelo Ártico. Uma vez que o gelo do mar se desaparecer, isso pode contribuir para um rápido aumento da temperatura das águas de superfície.

O vídeo abaixo mostra as previsões do cci-reanalyzer.org para a velocidade do vento a 10 metros desde 25 de Agosto de 2016 às 1800 UTC até 2 de Setembro de 2016 às 0300 UTC.

O painel esquerdo na imagem abaixo mostra ventos (de superfície) que alcançam velocidades tão elevadas quanto 61 km/h sobre o Oceano Ártico (círculo verde), enquanto que o painel direito mostra os ventos nos 250 hPa (corrente de jato).

Ventos fortes no Ártico e Corrente de Jato

À medida que o Ártico aquece mais rápido do que o resto do mundo, a diferença de temperatura entre o Equador e o Ártico diminui, reduzindo a velocidade com que o a Corrente de Jato Polar Norte circunda a Terra, tornando-a ondulada.

Como resultado, a Corrente de Jato pode estender-se bem longe sobre a América do Norte e a Euroásia, permitindo que o ar frio se mova mais facilmente fora do Ártico (por exemplo, em profundidade na Sibéria) e, ao mesmo tempo permitindo que o ar quente se mova mais facilmente para o Ártico (por exemplo, a partir do Oceano Pacífico). Tais alterações na Corrente de Jato também permitem que ventos fortes atravessem a Sibéria Oriental mais facilmente e causem um clima tempestuoso sobre o Oceano Ártico.

Isto é ilustrado pela imagem abaixo. O painel esquerdo mostra a Corrente de Jato a cruzar a Sibéria Oriental com velocidades tão elevadas como 277 kmh a 27 de Agosto de 2016, enquanto ao nível da superfície ventos ciclónicos que ocorrem ao longo do Oceano Ártico atingiram velocidades tão elevadas quanto 78 km/h naquele dia.

O painel da direita mostra que, naquele dia, o ar frio entrou profundamente na Sibéria Central, resultando em temperaturas tão baixas como -15,9°C na Sibéria Central e temperaturas que eram mais elevadas do que costumavam ser sobre o Oceano Ártico.

Jet Stream ou corrente de jato atravessa a Sibéria

A imagem e baixo mostra os ventos à superfície (em cima) e os ventos a 250 hPa (ou seja, na Corrente de Jato, em baixo) sobre o Oceano Ártico, causando a queda de neve (a azul) e chuva (a verde) a norte da Gronelândia (centro).

Neve e chuva a norte da Gronelândia

A chuva pode ter um impacto devastador sobre o gelo do mar, devido à energia cinética que quebra o gelo assim que é atingido.

Isto pode fragmentar o gelo, resultando em água que é mais quente do que o gelo a derretê-lo tanto no topo como nos lados, para além da fusão que ocorre na parte inferior devido ao calor do oceano que aquece o gelo a partir de baixo, e a fusão que ocorre na parte superior devido à luz solar que aquece o gelo a partir de cima.

Além disso, onde a água da chuva permanece no topo do gelo do mar, piscinas de água vão se formar, alimentadas pela água da chuva e a água de degelo. Isto irá escurecer a superfície. O gelo do mar a derreter também é de cor mais escura e, quando o gelo marinho derrete completamente, a água ainda mais escura vai surgir. Como resultado, menos luz solar está a ser refletida de volta para o espaço e mais luz solar é em vez disso absorvida.

A imagem abaixo mostra a espessura gelo do Oceano Ártico (em m, aparência presente, executado a 27 de Agosto de 2016, com validade para 28 de Agosto de 2016, no painel da esquerda) e a velocidade e deriva do gelo do mar do Ártico (em cm por segundo, aparência presente, executado a 27 de Agosto de 2016, com validade para 28 de Agosto de 2016, painel da direita).

Espessura do gelo do mar no Artico

O perigo é que tais tempestades, especialmente nesta época do ano, possam empurrar muito gelo do mar para fora do Oceano Ártico, ao longo das bordas da Gronelândia, para o Oceano Atlântico.

Espessura do gelo do mar, comparação 2012 - 2016

Este perigo aumenta à medida que o gelo do mar fica mais fino. A imagem acima mostra a previsão presente da espessura do gelo (em m), executada a 30 de Agosto e válida para 31 de Agosto de cada ano desde 2012 a 2016.

Níveis de Metano em Agosto 2016

A seguir à perda da cobertura de neve e gelo, outro grande perigo no Ártico é a libertação de metano.

A imagem acima mostra níveis de metano tão elevados quanto 2454 ppb a 25 de Agosto, 2016 (painel superior), fortes erupções desde o Alasca à Gronelândia a 26 de Agosto de 2016 (painel do meio), e a média dos níveis de metano tão elevada quanto 1862 ppb a 27 de Agosto de 2016 (painel inferior).

Pico dos níveis de metano a 30 de Agosto de 2016A imagem à direita mostra níveis elevados de metano registados em Barrow, Alasca, até 30 de Agosto de 2016.

A imagem abaixo mostra ventos ciclónicos (centro-esquerda) sobre o oceano Ártico a 22 de Agosto de 2016.

Ventos fortes de ciclone no Ártico em Agosto 2016

A imagem abaixo mostra o quão pouco gelo do mar restou em locais próximos do Polo Norte a 25 de Agosto de 2016.

Gelo do mar a desaparecer perto do Polo Norte

Extensão do gelo do mar no ÁrticoA imagem à direita mostra que a extensão do gelo marinho do Ártico foi de 4,8 milhões de km quadrados a 27 de Agosto de 2016, de acordo com o NSIDC.

Dados da NOAA mostram que a temperatura global da terra e oceano em Julho de 2016 era de 16,67°C, a temperatura mais alta para qualquer mês no registo.

A imagem abaixo mostra as anomalias de temperatura da superfície do mar em Julho (em comparação com a média do século 20) no Hemisfério Norte.

Anomalia da temperatura de superficie do mar- 1980-2016Este calor do oceano está agora a ser levado pela Corrente do Golfo em direção ao Oceano Ártico.

Entretanto, a área fria da superfície do mar que estava tão pronunciada sobre o Atlântico Norte em 2015, está a ser sobrecarregada pelo calor do oceano.

Isto é ilustrado pela imagem abaixo que mostra anomalias da temperatura de superfície do mar a 27 de Agosto de 2015 (painel esquerdo) e a 27 de Agosto de 2016 (painel direito).

Anomalia da temperatura revela área fria do Atlântico Norte a diminuir em tamanho.

A imagem abaixo mostra as anomalias de temperatura da superfície do mar no Ártico (latitude 60°N-90°N) em comparação com 1961-1990.

Anomalias da temperatura de superficie do mar no Ártico 26 Agosto 2016

A imagem abaixo do Climate Reanalyzer mostra também as anomalias da temperatura de superfície do mar a 16 de Agosto de 2016, desta vez em comparação com 1979-2000.

Anomalia da temperatura de superfície do mar, comparação 1979-2000

A imagem abaixo, a partir de um post anterior, mostra anomalias da temperatura da superfície do mar a 12 de Agosto de 2016, no painel do lado esquerdo, e anomalias da temperatura da superfície do mar no painel do lado direito.

Temperaturas elevadas do mar a 12 de agosto no Ártico

Temperatura e anomalia da superfície do mar. Anomalias de 1 a 2 graus C estão a vermelho, acima disso ficam a amarelo e branco.

A imagem acima também mostra que, a 12 de Agosto de 2016, as temperaturas da superfície do mar perto de Svalbard (no local marcado pelo círculo verde) estavam tão elevadas quanto 18.9°C, uma anomalia de 13,6°C.

Como dito acima, as alterações na Corrente de Jato [Jet Stream] permitem que o ar quente se mova mais facilmente para o Oceano Ártico e o ar frio se mova mais facilmente para fora do Oceano Ártico. Onde os mares são rasos, um aumento da temperatura de superfície pode rapidamente aquecer toda a água até ao fundo do mar do oceano Ártico, onde pode desestabilizar os hidratos de metano contidos nos sedimentos.

Farewell to Ice, Adeus ao Gelo, livro de Peter WadhamsIsso pode fazer com que as enormes quantidades de metano sejam libertadas do fundo do mar. Dado que muitos dos mares no Ártico são muito rasos, grande parte desse metano pode entrar na atmosfera sem ser degradado na água, resultando num enorme aquecimento adicional, especialmente sobre o Ártico. Como discutido num post anterior, isto pode contribuir para um aumento da temperatura global em mais de 10°C até ao ano de 2026.

Uma das pessoas que nos vem alertando sobre estes perigos há muitos anos é o professor Peter Wadhams, do qual o novo livro A Farewell to Ice [Um Adeus ao Gelo] foi lançado recentemente (256 páginas, publicado a 1 de Setembro de 2016).

A situação é terrível e apela a uma acção abrangente e eficaz, como discutido no Plano Climático.

Traduzido do original Storms over Arctic Ocean de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 19 de Agosto de 2016, atualizado a 31 de Agosto de 2016.

Standard
Gelo do mar no Ártico com espessura muito fino, quase sem gelo antigo.
Sam Carana

Gelo do Mar no Ártico Fica Terrivelmente Fino

Subida da Temperatura

Um aumento da temperatura (a partir de níveis pré-industriais) de mais de 10°C poderia suceder por volta do ano de 2026, como ilustrado pela imagem abaixo e como discutido numa publicação anterior.

Tendência de aumento da temperatura previsto para 10 anos

A anomalia de temperatura elevada que ocorreu em Fevereiro de 2016 foi parcialmente causada pelo El Niño. Todavia, há uma ameaça de que a anomalia de Fevereiro de 2016 não tenha sido um pico, mas em vez disso tenha sido parte de uma tendência que aponta para o que ainda está por vir.

Calor do Oceano

Como a imagem abaixo mostra, 93,4% do aquecimento global vai para os oceanos. Assim, o calor do oceano tem vindo a aumentar rapidamente e, como a imagem abaixo mostra, uma tendência aponta para um enorme aumento na próxima década.

O calor em excesso do aquecimento global vai principalmente para os oceanos

Para onde vai o aquecimento global? Atmosfera: 2,3%; Continentes: 2,1%; Glaciares/Mantos de gelo: 0,9%; Gelo do Mar no Ártico: 0,8%; Manto de gelo da Gronelândia: 0,2%; Manto de gelo da Antártida: 0,2%; Oceano: 93,4%. Dados da NOAA com curva de tendência adicionada mostra possível aumento em 8x mais até 2025.

O aumento da temperatura do oceano afeta o clima de várias maneiras. Um estudo recente confirmou os receios anteriores de que futuros aumentos na temperatura do oceano irão resultar em armazenamento reduzido de dióxido de carbono pelos oceanos.

Espessura e Volume do Gelo do Mar no Ártico

A espessura do gelo do mar no Ártico está a diminuir rapidamente.É importante ressaltar que aumentos da temperatura do oceano também farão com que o gelo do Ártico diminua, resultando em mudanças de albedo que farão com que menos luz solar seja refletida de volta para o espaço e mais luz solar, ao invés, seja absorvida pelo Oceano Ártico.

O gelo do mar no Ártico está a perder espessura rapidamente. A imagem à direita mostra que o gelo do mar mais espesso já quase que desapareceu (a imagem mostra o gelo do mar a 6 de Agosto de 2016). A imagem abaixo apresenta uma comparação entre os anos de 2012, 2013, 2014 e 2015 para 6 de Agosto.

comparação-espessura-gelo-2012-2016

A situação parece ainda mais ameaçadora quando se olha para a imagem do Laboratório de Pesquisa Naval abaixo, produzida com um novo modelo executado a 3 de Agosto de 2016, com validade de 4 de Agosto de 2016.

Gelo do mar no Ártico com espessura muito fina, quase sem gelo antigo.

A imagem abaixo, por Jim Pettit, mostra o volume de gelo do mar no Ártico.

Temperaturas da Superfície do Mar

O calor extra que entra nos oceanos traduz-se num enorme aumento da temperatura da superfície do mar, como ilustrado pela imagem abaixo, a partir de um post anterior e usando as anomalias da temperatura de superfície do mar no Hemisfério Norte até Novembro de 2015.

Comparação da temperatura de superfície do mar em Novembro para os anos de 1980 a 2015 revela enormes aumentos da temperatura.

Anomalia da temperatura de superfície do mar para o Hemisfério Norte, com dados da NOAA e linha de tendência adicionada.

Temperatura de superfície do mar em relação a 1971-2000O Oceano Ártico está a sentir o calor transportado pela Corrente do Golfo. A imagem à direita mostra anomalias da temperatura de superfície do mar a partir 1971-2000.

Note-se que as anomalias estão a atingir o topo da escala, de modo que, em algumas áreas estarão acima que extremidade superior (ou seja, 4°C) da escala.

As temperaturas da superfície do mar ao largo da costa da América do Norte são muito elevadas, com temperaturas da superfície do mar tão elevadas quanto 33,1°C, como a imagem abaixo mostra. Muito do calor acumulado no Golfo será carregado pela Corrente do Golfo para o Oceano Ártico ao longo dos próximos meses.

Temperatura da superfície do mar na corrente do golfo ao largo dos Estados Unidos

Anomalias da temperatura de superfície do mar no Ártico a 7 de Agosto de 2016A imagem à direita mostra as anomalias da temperatura de superfície do mar no Ártico a 7 de Agosto de 2016, em comparação com 1961-1990. Observe-se as áreas pretas onde as anomalias de temperatura da superfície do mar estão acima de 8°C.

As temperaturas da superfície do mar no Oceano Ártico permanecerão em torno do ponto de congelamento, onde e enquanto houver gelo do mar presente. Uma vez que o gelo do mar desaparecer, porém, a temperatura da superfície do mar naquela área vai subir rapidamente.

A imagem abaixo mostra quão acentuadas são as anomalias da temperatura da superfície do mar em latitudes mais elevadas do Hemisfério Norte.

Comparação das anomalias de temperatura de superfície do mar entre hemisfério norte e hemisfério sul

Enquanto que as temperaturas da superfície do mar podem estar enormes localmente, água ainda mais quente pode ser levada por baixo da superfície do mar desde o Oceano Atlântico até ao Oceano Ártico, devido à tampa de água doce fria sobre o Atlântico Norte, como ilustrado pela imagem abaixo, a partir de um post anterior.

Tampa de água doce fria do degelo no Ártico sobre o Atlântico Norte

Feedback 28 na página dos Feedbacks

A temperatura da superfície do mar estava tão elevada quanto 18,1°C perto de Svalbard (círculo verde), a 6 de Agosto de 2016, 13,1°C mais quente do que a média de 1981-2011, o que dá uma ideia de quão alta a anomalia da temperatura do oceano pode estar logo abaixo da superfície do mar.

Temperatura Mar Elevada Ártico -6 Agosto 2016

Temperatura da Superfície

Anomalia da temperatura para 365 dias entre Agosto 2015 e Agosto 2016Como a imagem à direita mostra, anomalias de temperatura de superfície elevadas têm atingido duramente o Ártico, particularmente nos últimos 365 dias.

Além de derreter o gelo do mar por cima, as temperaturas elevadas sobre os continentes também irão aquecer a água dos rios que desembocam no Oceano Ártico.

A água quente nos rios vai assim contribuir (juntamente com a água mais quente trazida para o Oceano Ártico a partir dos oceanos Atlântico e Pacífico) para o derretimento do gelo do mar no Ártico por baixo.

Metano

Há um perigo de que, como a temperatura do Oceano Ártico continua a aumentar, enormes quantidades de metano entrarão na atmosfera devido à desestabilização de hidratos no fundo do mar.

A situação é terrível e apela a uma acção abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Traduzido do original Arctic Sea Ice Getting Terribly Thin de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 17 de Julho de 2016.

Standard
Níveis de metano elevados após sismo no Ártico a 15 de Julho de 2016
Sam Carana

Níveis de Metano Elevados Seguem-se a Sismo no Oceano Ártico

Nos 12 meses anteriores a 14 de Julho de 2016, 48 sismos com uma magnitude de 4 ou superior na escala de Richter atingiram a área do mapa da imagem abaixo, na maior parte a uma profundidade de 10 km (6.214 milhas).

48 Sismos no Ártico em Julho de 2016

48 terramotos atingiram a área do mapa durante os 12 meses anteriores a 14 de Julho de 2016. Criado por Sam Carana para Arctic-news.blogspot.com com imagens de earthquake.usgs.gov

À medida que as temperaturas continuam a aumentar e o derretimento dos glaciares continua a tirar peso da superfície da Gronelândia, um reajuste isostático pode, cada vez mais, desencadear terremotos em torno da Gronelândia, e em particular sobre a falha geológica que atravessa o Oceano Ártico.

Dois terremotos atingiram recentemente o Oceano Ártico. Um terremoto atingiu com uma magnitude de 4,5 graus na escala Richter a 9 de Julho de 2016. O outro terremoto atingiu com uma magnitude de 4,7 graus na escala Richter a 12 de Julho de 2016, às 00:15:24 UTC, com epicentro a 81.626°N 2.315°W e a uma profundidade de 10,0 km (6.214 milhas), como ilustrado pela imagem abaixo.

Sismo no Ártico a 12 de Julho

A 12 de Julho de 2016, um terramoto atingiu o Oceano Ártico com a magnitude de 4,7 na escala de Richter, com epicentro a 81.626”N 2.315”W e a 10km de profundidade.

Seguindo-se ao terremoto mais recente, elevados níveis de metano apareceram na atmosfera a 15 de Julho de 2016, sobre essa mesma área que o terremoto atingiu, como ilustra a imagem abaixo.

Níveis de metano elevados após sismo no Ártico a 15 de Julho de 2016

Sobre a área atingida por um terramoto a 12 de Julho de 2016, elevados níveis de metano apareceram a uma altitude de 4,116m a 15 de Julho de 2016. A imagem pequena mostra a mesma área a 6.041m de altitude a 15 de Julho. Criado por Sam Carana com imagens da NOAA. Branco= sem dados; cinzento= falha de leitura.

A imagem acima mostra que os níveis de metano foram tão elevados quanto 2505 ppb a uma altitude de 4.116 m ou 13,504 pés na manhã de 15 de Julho de 2016. A uma maior altitude (de 6.041 m ou 19,820 pés), níveis de metano tão altos quanto 2.598 ppb foram registrados naquela manhã e a área de cor magenta a leste do ponto nordeste da Gronelândia (enquadramento em foco) parece indicar a mesma coisa nas imagens entre estas altitudes. Tudo isso indica que o terremoto causou desestabilização de hidratos de metano contidos nos sedimentos naquela área.

Libertação de metano a leste da Gronelândia após sismo

Níveis de metano a uma pressão atmosférica de 840mb variavam entre 1555 e 2058 ppb. Criado por Sam Carana com imagens da NOOA.

A imagem acima, de outro satélite, confirma fortes libertações de metano a leste da Gronelândia, na tarde de 14 de Julho de 2016, enquanto a imagem abaixo mostra níveis elevados de metano a 16 de Julho de 2016, ao longo da falha geológica que atravessa o Oceano Ártico.

Metano com níveis elevados no Ártico após sismo

A imagem abaixo mostra glaciares na Gronelândia e o gelo do mar perto da Gronelândia e Svalbard a 15 de Julho de 2016. Note-se que as nuvens em parte obscurecem a extensão do declínio do gelo do mar.

Declínio do gelo marinho na Gronelândia e Svalbard

Gelo marinho fraturado e lamacento no Ártico

A imagem acima mostra o gelo do mar a 12 de Julho de 2016. Há uma grande área com muito pouco gelo do mar perto do Pólo Norte (à esquerda) e há pouco ou nenhum gelo do mar em torno de Franz Josef Land (à direita). Em geral, o gelo do mar parece lamacento e fraturado em pequenos pedaços finos. Tudo isso é uma indicação de quão quente a água está por baixo do gelo do mar.

Temperaturas muito elevadas no Ártico a 16 de Julho de 2016Além dos choques e mudanças de pressão causados por terremotos, a desestabilização de hidratos de metano pode ser desencadeada pelo calor do oceano alcançando o fundo do mar do Oceano Ártico. Uma vez que o metano chega à atmosfera, pode muito rapidamente elevar as temperaturas locais, agravando ainda mais a situação.

As temperaturas já estão muito elevadas em todo o Ártico, como ilustrado pela imagem abaixo, mostrando que a 16 de Julho de 2016 estiveram 1,6°C sobre o Pólo Norte (círculo verde de cima), enquanto estiveram 32,7°C num local perto de onde o rio Mackenzie desagua no Oceano Ártico (círculo verde de baixo).

O gelo do mar no Ártico não parece nada bem, como também ilustrado pelo cálculo presente pelo Laboratório de Pesquisa Naval em abaixo.

Declínio do glo do mar no Ártico em Julho de 2016

A espessura do gelo do mar caiu drasticamente ao longo dos anos, especialmente o gelo que tinha mais do que 2,5 m de espessura. A imagem abaixo compara a espessura gelo do mar do Ártico (em m) a 15 de Julho, para os anos a partir de 2012 (painel à esquerda) a 2015 (painel direito), utilizando imagens do Laboratório de Pesquisa Naval.

Comparação da espessura do gelo do mar no Ártico entre os anos de 2012 e 2015

[ Clique na imagem para ampliá-la ]
A imagem abaixo mostra anomalias da temperatura de superfície do mar em relação a 1961-1990 a 24 de Julho de 2016.

Temperaturas anormais muito elevadas no Ártico em Julho de 2016

As temperaturas da superfície do mar ao largo da costa da América são altas e muito deste calor do oceano será carregado pela Corrente do Golfo em direção ao Oceano Ártico ao longo dos próximos meses.

Temperaturas altas da superficie do mar na corrente do golfo até ao Ártico

A 24 de Julho de 2016, a temperatura da superfície do mar perto da Flórida estava tão alta quanto 33,2°C, uma anomalia de 3,7°C em relação à média de 1981-2011 (círculo verde inferior), enquanto que a temperatura da superfície do mar perto de Svalbard estava tão elevada quanto 17,3°C, uma anomalia de 12,6°Cem relação a 1981-2011 (círculo verde em cima).

Uma tampa de água doce fria (ou seja, baixa salinidade) fica em cima do oceano e esta tampa é alimentada por precipitação (chuva, granizo, neve, etc.), o derretimento do gelo do mar (e icebergs) e água que escorre da terra (de rios e derretimento de glaciares em terra). Esta tampa reduz a transferência de calor do oceano para a atmosfera e, assim, contribui para um Atlântico Norte mais quente onde enormes quantidades de calor são agora transportadas por baixo desta tampa em direção ao Oceano Ártico. O perigo é que mais calor do oceano a chegar ao Oceano Ártico vai desestabilizar clatratos no fundo do mar e resultar em enormes erupções de metano, como discutido em posts anteriores, como este.

À medida que as temperaturas continuam a aumentar, a neve e ogelo no Ártico vão diminuir. Isso poderia resultar em cerca de 1,6°C de aquecimento devido a mudanças de albedo (ou seja, devido ao declínio tanto do gelo do mar do Ártico como da cobertura de neve e gelo em terra). Além disso, cerca de 1,1°C de aquecimento poderiam resultar da libertação de clatratos de metano do fundo do mar dos oceanos do mundo. Como discutido num post anterior, isso poderia suceder como parte de um aumento em relação aos níveis pré-industriais de até 10°C, por volta do ano de 2026.

Incêndios florestais no Alasca Canadá, um feedback de auto-reforço do aquecimento global

Incêndios na Sibéria a 19 de julho de 2016 constituem um feedback no aquecimento globalÀ medida que as temperaturas sobem, o impacto será sentido em primeiro lugar e mais fortemente no Ártico, onde o aquecimento global está a acelerar devido a inúmeros feedbacks que podem atuar como ciclos de auto-reforço.

Já neste momento, isto está a desencadear incêndios florestais em todo o Ártico.

A imagem acima mostra incêndios (indicados por pontos vermelhos) no Alasca e no norte do Canadá, a 15 de Julho de 2016.

A imagem à direita mostra fumo resultante de incêndios florestais na Sibéria. A imagem abaixo mostra que, a 18 de Julho de 2016, os níveis de monóxido de carbono (CO) sobre a Sibéria estavam tão elevados quanto 32318 ppb, e numa área com níveis de dióxido de carbono (CO2) tão baixos quanto 345 ppm, o CO2 atingiu níveis tão elevados quanto 650 ppm no mesmo dia.

Níveis de dióxido de carbono (CO2) e monóxido de carbono (CO) na Sibéria, resultante de incêndios florestais em Julho de 2016

A imagem abaixo mostra a extensão de fumo de incêndios florestais na Sibéria a 23 de Julho de 2016.

Fumo resultante dos incêndios na Sibéria a 23 de Julho de 2016

A imagem abaixo mostra níveis elevados de metano sobre a Sibéria a 19 de Julho de 2016.

Niveis elevados de metano na Sibéria a 19 de Julho de 2016

A imagem abaixo, a partir do satélite MetOp, mostra níveis elevados de metano sobre a Sibéria a 21 de Julho de 2016.

Niveis elevados de metano na Sibéria a 21 de Julho de 2016

Abaixo estão outras imagens que descrevem os níveis de metano médios globais, em relação a 1980-2016 (à esquerda) e 2012-2016 (à direita).

Níveis Médios Globais Metano 1980 2016Níveis de metano entre 2012 e 2016

A imagem abaixo mostra os níveis de metano em Barrow, Alasca.

Medição dos níveis de metano no Alasca ao longo dos anos, mostra pico em 2016

A imagem abaixo mostra que, enquanto que os níveis de metano podem parecer terem-se mantido estáveis ao longo do ano passado quando fazendo as medições ao nível do solo, em altitudes mais elevadas eles subiram fortemente.

Variação dos níveis de metano com a altitude comparando os anos 2015 e 2016

A tabela de conversão abaixo mostra os equivalentes de altitude em pés, m e mb.
57016 pés 44690 pés 36850 pés 30570 pés 25544 pés 19820 pés 14385 pés 8368 pés 1916 pés
17378 m 13621 m 11232 m 9318 m 7786 m 6041 m 4384 m 2551 m 584 m
74 mb 147 mb 218 mb 293 mb 367 mb 469 mb 586 mb 742 mb 945 mb

A situação é calamitosa e apela a uma acção abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Traduzido do original High Methane Levels Follow Earthquake in Arctic Ocean de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 17 de Julho de 2016.

Standard