Incêndios enormes na China superam enormemente os incêndios do Canadá
Robertscribbler

Incêndios Enormes no Nordeste da China e no Lago Baikal

Como as emissões de combustíveis fósseis pelos humanos forçam o mundo a aquecer, os níveis de humidade e precipitação estão a mudar. Áreas molhadas tornam-se mais molhadas. Áreas secas tornam-se mais secas. As temperaturas de Primavera e Verão aumentam. E o derretimento da neve mais precoce na primavera faz com que os solos permaneçam secos por períodos mais longos, aumentando as incidências de seca enquanto prolongando a temporada de incêndios. Estas condições secas e quentes também aumentam a probabilidade de que, uma vez que os incêndios sejam iniciados por raios ou erro humano, vão tornar-se mais intensos, maiores e mais duradouros (paráfrase deste Relatório da União de Cientistas Preocupados).

******

Uma onda de calor extrema e a seca no leste da Ásia está agora a provocar incêndios extraordinariamente grandes em regiões mais instáveis ​​do nordeste da China, perto da fronteira russa. Os incêndios maciços são claramente visíveis na foto do satélite LANCE-MODIS e incluem pelo menos quatro zonas de incêndio contíguas. Os incêndios mostram, cada um, cicatrizes de zonas queimadas muito grandes com frentes de fogo a variarem entre 40 e 60 quilómetros de diâmetro. Em essência, o que esta imagem de satélite está a mostrar são 3 a 4 infernos do tamanho de Rhode Island.

Incêndios enormes na China superam enormemente os incêndios do Canadá

(incêndios enormes a arderem no nordeste da China a 10 de Maio. Para referência, a borda inferior da imagem é de 600 milhas. Fonte da imagem: LANCE MODIS).

Uma nuvem muito grande de fumo lançada destas labaredas é agora visível na foto de satélite MODIS. Estende-se para longe das cicatrizes de zonas queimadas extensas e para fora em direção ao Mar do Japão, a cerca de 1.600 quilómetros de distância. Em comparação, os fogos do Nordeste da China juntos fazem agora anão o recente incêndio maciço que queimou 2.400 estruturas na cidade canadiana de Fort McMurray durante a semana passada. Mais outra instância de incêndios extraordinariamente grandes, a queimarem um mundo forçado a aquecer pelas emissões de combustíveis fósseis humanas.

Felizmente, os incêndios no nordeste da China não estão de momento a ameaçar nenhum povoado grande. Logo, é menos provável que perda de vidas ou propriedade tenha ocorrido como resultado. A mídia internacional não tem relatado os incêndios, tão pouca informação está agora disponível para além daquilo que pode ser discernido pela análise do mapa de satélite da NASA.

Pondo em contexto, estes incêndios iniciaram-se ao longo de uma zona de cristas que tem caracterizado temperaturas extremamente quentes e secas. Emanando uma onda de calor que começou no sudeste asiático, estes ares quentes estão agora a expandir-se para o norte em direção ao Ártico e vão, ao longo desta semana, contribuir para uma acumulação de onda de calor incrivelmente potente sobre as regiões do nosso mundo que agora descongelam rapidamente. O desenvolvimento de cristas nesta zona tem sido bastante persistente e podemos esperar que incêndios grandes e contínuos avancem para norte em direção ao Ártico.

Incêndios começam cedo para a época, na região de Permafrost do Lago Baikal

Incêndios começam cedo para a época, na região de permafrost do Lago Baikal na Rússia

(Incêndios florestais – indicados por pontos vermelhos no mapa acima – estão a iniciar-se em torno da zona descontínua de permafrost perto do Lago Baikal. Nos últimos anos, esta região da Rússia tem sofrido com o tipo de seca extrema e aquecimento associado à mudança climática causada pelo homem. Fonte da imagem: LANCE MODIS).

Esta zona extremamente quente e seca também acendeu numerosos incêndios na região do Lago Baikal. Representando o ponto mais distante a sul da zona de permafrost do Nordeste Asiático, o calor e descongelamento na região devido ao aquecimento global resultaram num aumento dos riscos de incêndio. Tal como acontece no noroeste do Canadá, existe uma relação profana entre incêndios e descongelamento da permafrost. A permafrost, enquanto descongela e seca, fornece um combustível de sub-bosque que ajuda na persistência e intensidade do incêndio – por vezes resultando em zonas quentes que ardem durante todo o inverno. E os incêndios podem ativar mais e mais da camada de permafrost por baixo – bombeando carbono adicional que pode agravar a tendência de aquecimento que iniciou os incêndios em primeiro lugar.

Em 2016, as zonas quentes e secas de cristas têm tendido a dominar tanto a América do Norte ocidental como a Ásia Oriental. E num mundo que, desde o início de 2016 tem estado cerca de 1,5 C acima das médias da década de 1880, temos visto um início muito intenso e prematuro para a época de incêndios com numerosos incêndios muito grandes nestas zonas. Enquanto Maio progride para Junho, o risco para incêndios ainda mais intensos aumenta, para além de que a zona de incêndios avança com os ares quentes para norte, em direção ao Ártico.

Traduzido do original Massive Wildfires Erupt in Northeast China as Lake Baikal Blazes Ignite, publicado por Robertscribbler em http://robertscribbler.com/ a 10 de Maio de 2016.

Anúncios
Standard
Níveis de Dióxido de Carbono - CO2 - atmosférico de 409.29 ppm
Robertscribbler

CO2 Atmosférico Aumenta a uns Extremos 409,3 Partes por Milhão a 10 de Abril – Possível Taxa Recorde de Aumento de CO2 Atmosférico para 2016

Simplificando, uma rápida acumulação atmosférica de gases de efeito estufa está rapidamente a empurrar a Terra bem para além de qualquer contexto climático a que os seres humanos estejam acostumados. A influência de um El Nino extremo sobre a capacidade do sistema do oceano global para fazer descer os níveis de uma emissão humana maciça de carbono, juntamente com sinais do que parece ser uma emissão significativamente menor mas crescente das reservas globais de carbono, parecem estar a preparar o mundo para mais um salto recorde nos níveis de CO2 atmosféricos durante 2016.

Níveis de Dióxido de Carbono - CO2 - atmosférico de 409.29 ppm

(Vê o pequeno ponto bem acima da linha de tendência azul na parte superior direita do gráfico acima? Isso não representa nenhum incidente. Representa leituras diárias de CO2 atmosférico de cerca de 409,3 partes por milhão de CO2 no Observatório Mauna Loa a 10 de Abril de 2016. É uma leitura incrivelmente alta. Mas ao longo dos próximos dois meses, poderemos ver valores diários a continuarem a atingir picos nesta faixa ou atingirem níveis ainda mais elevados. Fonte da imagem: The Keeling Curve).

Ainda nos estamos a aproximar do pico anual de final de Abril até início de Maio, e os grandes picos de CO2 já estão a começar a aparecer. No domingo, 10 de Abril, o Observatório Mauna Loa registou uma leitura diária de CO2 atingindo uns extraordinários 409,3 partes por milhão. Estas leituras seguem-se às médias mensais de Março próximas de 405 partes por milhão, e precedem um pico mensal anual em Maio que é provável que atinja mais de 407 partes por milhão, podendo chegar tão alto quanto 409 partes por milhão. Estes são níveis de cerca de 135 a 235 partes por milhão acima da variação média entre os interglaciais e as glaciações durante o período de clima relativamente estável dos últimos 2 milhões de anos.

Por outras palavras – os níveis de CO2 atmosféricos continuam a subir em intervalos sem precedentes. Níveis que são cada vez mais assustadoramente fora de contexto. Pois não temos visto registos deste gás detentor de calor atmosférico chegarem tão alto em nenhum momento durante pelo menos os últimos 15 milhões de anos [Traduzido em Português].

2016 Poderia ver um Aumento do CO2 Atmosférico de 3,1 a 5,1 Partes Por Milhão Acima de 2015

Durante um ano “normal”, se é que este período de queima imprudente de combustível fóssil pelos humanos pode ser racionalmente comparada a qualquer coisa ‘normal’, seria de esperar que os níveis de CO2 subissem cerca de 2 partes por milhão. Um tal salto no período de 2015 a 2016 resultaria em médias mensais a atingirem picos à volta de 406 partes por milhão em Maio. Contudo, com um El Niño recorde e outras influências a produzirem grandes áreas anormalmente quentes da superfície do mar, a capacidade do oceano global para absorver tanto a emissão humana maciça como o feedback global de carbono — aparentemente muito menor, mas com sinais de crescimento — tem sido dificultada.

Média anual da taxa de crescimento de CO2

(A média anual da taxa de crescimento de CO2 para 2016 deverá atingir ainda mais do que os registos vistos em 2015 devido à influência de um El Niño recorde sobre a capacidade do sistema do oceano global de absorver o excesso de carbono atmosférico e devido ao facto de que a emissão global de CO2 permaneceu perto de níveis recorde elevados atingidos em 2014. Fonte da imagem: NOAA ESRL).

Em 1998, durante um El Nino recorde e num momento em que as emissões globais de carbono de fontes humanas foram significativamente menores do que são hoje, e durante um período em que as reservas globais de carbono aparentavam estar na maior parte dormentes, os níveis de CO2 na atmosfera aumentaram num então recorde de 2,9 partes por milhão. Durante 2015, enquanto um El Nino recorde aumentava de intensidade e as reservas globais de carbono continuavam o seu rosnar agourento, os aumentos médios anuais atingiram um novo máximo de 3,05 partes por milhão. Mas com os impactos de um El Nino mais forte a dificultarem a absorção de carbono pelo oceano a estenderem-se até ao ano presente, parece que as taxas médias de 2016 do aumento de CO2 atmosférico serão provavelmente ainda maiores. Devido a esta, esperemos que temporária, redução na capacidade do oceano para fazer descer o carbono atmosférico, é provável vermos os níveis de CO2 de Maio de 2016 em Mauna Loa atingirem uma variação de 3,1 a 5,1 partes por milhão (407-409 ppm no total) acima dos níveis recorde elevados anteriores de cerca de 403,9 partes por milhão para o mesmo mês em 2015.

Da Última Vez que os Valores de CO2 Estiveram Tão Elevados Foi Durante o Mioceno Médio – 15 Milhões de Anos no Passado Profundo da Terra

Seja por que medida for, estas são taxas anuais extremas de aumento de CO2 atmosférico. Taxas que são provavelmente pelo menos de uma ordem de magnitude mais rápida do que durante a última extinção de efeito estufa – o MTPE [Máximo Térmico do Paleoceno-Eoceno] – há 55 milhões de anos. Há apenas alguns anos atrás, os organismos científicos do mundo manifestaram a sua grande preocupação quanto aos níveis de CO2 atmosféricos igualarem os níveis observados durante o período do Plioceno – uma época geológica 3 a 5 milhões de anos atrás, quando as temperaturas da Terra eram 2 a 3 C mais quentes do que são hoje e os níveis de CO2 atmosféricos variavam entre 390 e 405 partes por milhão. Mas apenas num breve intervalo, rebentámos além desse potencial contexto paleoclimático e entrámos num outro mundo, mais difícil e muito mais quente. Um período no há muito tempo atrás, quando a civilização humana tal como é hoje não poderia ter sido imaginada e uma espécie chamada Homo Sapiens tinha ainda milhões de anos para chegar sequer a começar a existir.

Niveis de CO2 atmosféricos em Abril 2016

(Para a semana que terminou a 10 de Abril, parece que os níveis de CO2 atmosféricos já estão em média acima de 407 partes por milhão. Ao longo dos próximos dois meses, os níveis atmosféricos globais atingirão novos recordes máximos provavelmente ​​na faixa de 407 a 409 partes por milhão nos valores mensais, representando um salto extremo nas leituras deste gás de estufa chave. Fonte da imagem: NOAA ESRL).

Passaram cerca de 15 milhões anos desde que vimos valores atmosféricos deste gás de efeito estufa crítico atingirem valores tão elevados. Naquela época, a Terra era cerca de 3 a 5 graus Celsius mais quente do que no século 19 e os oceanos estavam cerca de 120 a 190 pés mais elevados. Manter os níveis de gases de efeito estufa atuais nesta faixa por um período prolongado levará ao risco de reversão para estados climáticos semelhantes aos do passado Mioceno Médio – ou potencialmente mais quentes se as reservas globais de carbono mantidas em baixo durante o período dos últimos 15 milhões de anos de arrefecimento forem novamente libertadas no oceano e atmosfera da Terra.

Nas taxas anuais de aumento de CO2 atmosférico atuais, vai demorar entre 20 e 50 anos a exceder o intervalo do Mioceno e Oglioceno de 405 a 520 partes por milhão de CO2. Nesse ponto, estaríamos a atingir níveis de CO2 elevados o suficiente para acabar com a maioria ou a totalidade do gelo glacial na Terra. Isso é basicamente o que acontece se continuarmos a queimar combustíveis fósseis como estamos a fazer agora por mais algumas décadas.

De qualquer modo, é importante notar que o potencial aumento anual de CO2 atmosférico para 2016 entre 3,1 e 5,1 partes por milhão é extraordinariamente mau. Algo que não deveríamos estar a fazer ao sistema climático da Terra. Não há mesmo outra maneira de o dizer. Tais taxas de aumento de gases de estufa são absolutamente terríveis.

Traduzido do original Hothouse Gas Spikes to Extreme 409.3 Parts Per Million on April 10 — Record Rate of Atmospheric CO2 Increase Likely for 2016, publicado por Robertscribbler em http://robertscribbler.com/ a 11 de Abril de 2016.

Standard
Aquecimento Global Descontrolado, Extinção, Metano, Paleoclima

Existe Mesmo Um “Monstro de Metano Do Ártico”?

O Monstro de Metano no Ártico poderá desencadear um evento de extinção em massa como o Permiano, através de um aquecimento global descontrolado causado pelo aquecimento humano pelas emissões de CO2?

O Monstro de Metano no Ártico poderá desencadear um evento de extinção em massa como o Permiano, através de um aquecimento global descontrolado causado pelo aquecimento humano pelas emissões de CO2?

Podemos salvar a humanidade da maior ameaça de sempre? Vídeo imperdível foca os riscos e incertezas da libertação catastrófica de metano pelo meio ambiente no Ártico: Clique Aqui!

Após milhões de anos de idades do gelo, o Ártico tornou-se um vasto repositório de carbono fóssil.

Ao longo dos milénios, camada após camada de material biológico à base de carbono foi trancado no solo congelado das tundras e leitos marinhos do Ártico. Algumas destas reservas têm-se simplesmente sepultado no gelo. Outras, já tornadas em metano através dos fluxos lentos do tempo, estão subjacentes ao solo congelado do Ártico e ao fundo do mar como uma espécie de gelo de fogo.

Uma substância instável, inflamável e explosiva chamado clatrato.

As próprias reservas são massivas – contendo entre 2 a 3 triliões de toneladas ou mais de carbono. Provavelmente mais de cinco vezes a quantidade de carbono já emitido pelos seres humanos na atmosfera nos últimos 150 anos. Uma quantidade que já provavelmente trancou cerca de 1,8 ºC de aquecimento a curto prazo e 3,6 ºC de aquecimento a longo prazo.

Mas um descongelamento do Ártico poderia desencadear uma cadeia de eventos que levariam a um muito pior aquecimento ainda por vir.

Num mundo frio de época glacial essas reservas de carbono não são ameaça. Como um dragão adormecido, elas permaneceram latentes nas zonas frias do mundo – incapazes de quebrarem o selo do gelo. Mas num mundo que os seres humanos estão a forçar a um aquecimento rápido através de um ritmo de emissões de gases de efeito estufa pelo menos seis vezes mais rápido do que em qualquer momento nos biliões de anos da história da Terra, corremos o risco de uma libertação imensa deste stock de carbono monstruoso.

Uma Questão de Feedback de Metano

Nós realmente não sabemos o quanto de calor é necessário para desencadear uma libertação descontrolada desta pilha monstruosa de carbono. Mas já aquecemos o mundo em pelo menos 0,8 graus Celsius e muitos pesquisadores do Ártico acreditam que apenas 1,5 graus Celsius de aquecimento global é suficiente para descongelar toda a tundra do Ártico.

Esse descongelamento iria certamente expor a enorme reserva de carbono da tundra aos elementos e à ação microbiana. Aumentando a libertação já significativa de carbono do Ártico e contribuindo em muito para o aquecimento humano da atmosfera e dos oceanos da Terra por meio de emissões de gases de efeito estufa.

Anomalias locais em medições de metano do Ártico disparadas pelo aquecimento causado pelo homem. Jason Box; Meltfactor

Anomalias locais em medições de metano do Ártico disparadas pelo aquecimento causado pelo homem. Jason Box; Meltfactor

(Num artigo recente no seu blog Meltfactor, o Dr. Jason Box questiona se as anomalias locais em medições de metano do Ártico envolvem mini explosões de metano disparadas pelo aquecimento causado pelo homem. O Dr. Box também questionou apropriadamente se tais emissões de metano eram sinais de uma possível maior libertação resultante da força do calor gerado pelo homem sobre o ambiente do Ártico. O Dr. Box, de forma semelhante à nossa própria investigação sobre o Monstro de Metano do Ártico, metaforicamente rotula estas explosões de “Sopro do Dragão”. Fonte da imagem: Meltfactor).

Alguns anos atrás, um grupo de 41 pesquisadores do Ártico sugeriram que mesmo que parássemos de emitir gases de efeito estufa rapidamente, a libertação de carbono do Ártico seria igual a cerca de 10 por cento das emissões humanas anuais e continuaria por muito tempo no futuro. Mais preocupante, esses pesquisadores observaram que a falha em reduzir rapidamente as emissões humanas de carbono resultaria numa libertação anual pelo Ártico equivalente a 35% ou mais das emissões humanas, colocando o mundo no caminho para um cenário de aquecimento descontrolado.

Mas a questão de libertação de carbono do Ártico é tudo menos simples ou fácil de entender. Pois uma porção significativa – possivelmente tanto como 1/3 até 1/2 do depósito de carbono do Ártico poderia libertar-se como metano. E o metano, em escalas de tempo muito curtas, é um gás de efeito estufa muito potente. Ao longo de 20 anos, o metano tem um potencial de aquecimento global 86 vezes maior que a de um volume semelhante de CO2. Mesmo que uma parcela muito pequena da reserva de carbono do Ártico fosse libertada como metano ao longo de um período relativamente curto – 1, 5, 10 ou 50 gigatoneladas de um depósito total que inclui milhares de gigatoneladas – poderia exagerar enormemente o já poderoso aquecimento humano em curso ou, na pior das hipóteses, disparar um evento de aquecimento descontrolado semelhante ao das grandes extinções do Permiano e do PETM (Máximo Térmico do Paleoceno-Eoceno).

Um Risco Mal Compreendido

Não ajudando, não há nem de longe suficientes observações diretas do ambiente do Ártico de modo a definir a taxa atual de liberação de carbono ou o provável aumento nas taxas de libertação ao longo das últimas décadas. Temos estudos que mostram mais metano emitido por lagos de tundra, por exemplo. Temos as expedições de Semiletov e Shakhova para o Oceano Ártico, que continuam a fornecer estimativas cada vez mais elevadas das emissões de metano provenientes de plumas [ou colunas] nos fundos dos mares Laptev e do leste da Sibéria. Temos estudos que mostram aumento da libertação de CO2 e metano dos vastos depósitos de carbono da tundra congelada de Yedoma na Sibéria. E temos os casos mais preocupantes de libertações de metano explosivas – provavelmente do descongelamento rápido de clatratos sob a permafrost – na região de Yamal na Rússia, este ano, que resultou em crateras dramáticas de tundra siberiana.

Sobrecarga muito significativa de metano no Ártico - No ano passado, no mês de Outubro, as leituras de metano ao longo da Cordilheira de Gakkel tiveram um pico de 2.662 partes por bilião - ou seja, mais de 800 partes por bilião acima da média global - antes de se difundirem na atmosfera. A imagem acima mostra os níveis de metano sobre a mesma região a subirem para mais de 2.400 partes por bilião a 16 de Setembro de 2014. - Arctic News

Sobrecarga muito significativa de metano no Ártico – No ano passado, no mês de Outubro, as leituras de metano ao longo da Cordilheira de Gakkel tiveram um pico de 2.662 partes por bilião – ou seja, mais de 800 partes por bilião acima da média global – antes de se difundirem na atmosfera. A imagem acima mostra os níveis de metano sobre a mesma região a subirem para mais de 2.400 partes por bilião a 16 de Setembro de 2014. – Arctic News

(Grande libertação de metano do fundo do oceano em curso? O Ártico continua a mostrar uma sobrecarga muito significativa de metano – insinuando maiores libertações de metano do seu meio. No ano passado, no mês de Outubro, as leituras de metano ao longo da Cordilheira de Gakkel tiveram um pico de 2.662 partes por bilião – ou seja, mais de 800 partes por bilião acima da média global – antes de se difundirem na atmosfera. A imagem acima mostra os níveis de metano sobre a mesma região a subirem para mais de 2.400 partes por bilião a 16 de Setembro de 2014. Link: Arctic News).

Mas esses estudos e instâncias focam apenas subsecções do Ártico. E, da mesma forma que vários homens cegos ao investigarem as várias partes de um elefante podem discordar sobre a forma geral da besta, nós temos um problema semelhante na compreensão da forma total da ameaça representada pela libertação de metano e carbono do Ártico.

O Dr. David Archer, que tem desenvolvido vários ensaios de modelos da potencial libertação de metano do leito do mar do Ártico, afirma que há essencialmente zero motivo de preocupação quanto à libertação de metano em grande escala para este século. Um número de pesquisadores do Ártico discordam com o principal destes ensaios, sendo Peter Wadhams, o Dr. Semiletov e a Dra. Shakhova, os quais todos parecem muito preocupados com o potencial para uma libertação em grande escala em breve. Um meio termo é povoado por uma série de pesquisadores como Carolyn Ruppel e Sue Natali do observatório Woods Hole. Estes pesquisadores estão, racionalmente, a pedir mais dados sobre uma questão que está por demais mal compreendida pela ciência.

Projeto CARVE da NASA Encontra Modelos em Desacordo Quanto à Libertação de Carbono do Ártico

Este atual falta de uma compreensão mais ampla e consenso científico na questão da potencial de resposta dos Sistemas do Ártico e da Terra a um crescente aquecimento da atmosfera e do oceano causado pelos humanos foi destacada no relatório da semana passada pelo estudo CARVE da NASA.

O estudo, que visava monitorizar as emissões de carbono do Ártico – correu uma série de modelos climáticos globais para tentar determinar o quanto de carbono está a ser libertado a partir do Ártico. O estudo não tentou apontar cenários de emissões futuras. Apenas teve como alvo tentar estabelecer uma linha de base para as emissões tal como estão agora. Uma compreensão requerida para se fornecer qualquer avaliação clara de como as emissões de carbono do Ártico poderão vir a estar no futuro.

Os pesquisadores conectaram os dados das atuais emissões localizadas de carbono do Ártico em 40 modelos climáticos globais e os modelos cuspiram devidamente os resultados os quais estavam por todo o quadro. Essencialmente, os modelos confirmaram o que nós analistas de risco já sabíamos: não há informação suficiente disponível para fornecer uma compreensão clara dos potenciais cenários de libertação de carbono do Ártico, muito menos apontar quanto de carbono está a ser emitido.

Do Relatório da Science Daily da semana passada:

Quanto carbono está a abandonar o seu solo em descongelamento e a adicionar efeito estufa à Terra? …

Um novo estudo realizado como parte do Carbon in Arctic Reservoirs Vulnerability Experiment (CARVE) [Experimento de Vulnerabilidade dos Reservatórios de Carbono do Ártico] da NASA, mostra precisamente quanto trabalho ainda precisa ser feito para se chegar a uma conclusão sobre esta e outras questões básicas sobre a região que o aquecimento global está a atingir de forma mais violenta.

O autor principal, Josh Fisher do Laboratório de Propulsão a Jacto da NASA, em Pasadena, Califórnia, analisou 40 modelos de computador dos montantes e fluxos de carbono nos ecossistemas boreais e do Ártico do Alasca. A sua equipa encontrou grande discordância entre os modelos, destacando a necessidade urgente de mais medições na região …

“Todos nós sabíamos que havia grandes incertezas na nossa compreensão, e queríamos quantificar a sua extensão”, disse Fisher. Essa extensão revelou-se maior do que o que quase todos esperavam. “Os resultados foram chocantes para a maioria das pessoas”, disse ele.

Plumas de metano no oceano foram descobertas ao largo da costa leste dos EUA e no Mar de Laptev pela expedição SWERUS C3, Essas emissões incluem quase sempre reservas de clatratos destablizadas. Fonte da imagem: Nature Geoscience

Plumas de metano no oceano foram descobertas ao largo da costa leste dos EUA e no Mar de Laptev pela expedição SWERUS C3, Essas emissões incluem quase sempre reservas de clatratos destablizadas. Fonte da imagem: Nature Geoscience

(As infiltrações de metano do oceano como nestas aberturas recentemente descobertas ao largo da costa leste dos EUA e as descobertas no Mar de Laptev pela expedição SWERUS C3, são quase sempre mais numerosas e enérgicas do que se esperava; um resultado, provavelmente, do aumento do impacto do calor causado por humanos. Essas emissões incluem quase sempre reservas de clatratos destablizadas. Fonte da imagem: Nature Geoscience).

Levará anos até que os cientistas definam com mais certeza o risco representado pela libertação de carbono e metano do Ártico. Um risco que agora envolve em si próprio o potencial para desencadear uma nova extinção por efeito estufa do tipo Permiano durante os próximos 1 a 3 séculos. Um risco que, considerando tudo, é provavelmente o risco mais terrível que já enfrentámos como espécie.

Como tal, não podemos esperar por uma certeza absoluta sobre o escopo desse risco. Se há sensibilidade suficiente para desencadear uma grande libertação de carbono do Ártico a 1,5 C ou 6 C de aquecimento é discutível – porque sabemos que continuar a queimar combustíveis fósseis eventualmente nos levará lá mais cedo ou mais tarde.

Então, enquanto nós continuamos a pesquisar o que pode muito bem ser a maior ameaça ambiental que já enfrentámos, é inteiramente prudente começar uma rápida redução das emissões globais de carbono com o objetivo de chegar a zero emissões de carbono e emissões líquidas de carbono negativas o mais breve possível. Os riscos são simplesmente grandes demais para se continuar a atrasar a ação.

Traduzido do original “When it Comes to The Arctic Methane Monster, What We Don’t Know Really Could Kill Us — NASA Model Study Shows Very High Carbon Release Uncertainty” em http://robertscribbler.wordpress.com/

Referências bibliográficas utilizadas pelo autor:

High Risk of Permafrost Thaw

With Few Data Arctic Carbon Models Lack Consensus

Can We Save Humans From the Greatest Threat Ever?

Rate of Methane Release From Tundra Thaw Lakes Increases by 58%

Why We Should Be Paying More Attention to Methane

Hundreds of Seeping Methane Plumes Discovered off US East Coast

Meltfactor

Arctic News

SWERUS C3 Arctic Carbon Study

NOAA Earth Systems Research Laboratory

Climate Science: The Vast Cost of Arctic Change

Arctic Methane Monster Shortens Tail: ESAS Emitting Methane at Twice Expected Rate

Arctic Methane Monster Exhales: Third Tundra Crater Found in Siberia

High Velocity Human Warming Leads to Arctic Methane Monster’s Rapid Rise from Fens

How Much Methane Came Out of That Hole in Siberia?

Rapid Arctic Thaw Could be Economic Timebomb

Standard