Guy McPherson sobre a extinção humana em 10 anos
Guy McPherson

Extinção humana em 10 anos devido à mudança climática (Guy McPherson em direto na TV da Nova Zelândia)

Estamos a caminho de uma temperatura que está ao nível ou próximo da temperatura mais elevada experienciada na Terra nos últimos 2 mil milhões de anos – Guy McPherson


Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos conteúdos aqui!

Conteúdo traduzido do vídeo da publicação Humans ‘don’t have 10 years’ left thanks to climate change em NewsHub.co.nz numa entrevista a Guy McPherson publicada a 24 de novembro de 2016

Para uma apresentação ao vivo por Guy McPherson descriminando a ciência na qual ele baseia o seu prognóstico a tão curto prazo para a espécie humana, vejam: Aquecimento Global e Extinção da Espécie Humana – Guy McPherson
[expand title=”Abrir a Transcrição aqui:” swaptitle=”Recolher Transcrição” trigclass=”noarrow” tag=”div” id=”com-GM10TV”]

Extinção humana em 10 anos devido à mudança climática (Guy McPherson em direto na TV da Nova Zelândia)

– Vamos a caminho de uma extinção em massa. Ora aí têm. É isso. Ponto final. Devido aos humanos destruírem o nosso próprio habitat. Essa é a mensagem sem meias medidas de Guy McPherson, da Universidade do Arizona. Alguns chamam-no de eco-terrorista, outros dizem que é um anarquista, mas será que poderia ser apenas um realista? Guy está na Nova Zelândia numa digressão em palestras e está connosco agora. Guy, é ótimo encontrar-lhe outra vez.
– Igualmente, Paul.
– Da última vez que falei consigo, 2014, e você tipo, deu cabo de qualquer esperança futura, a mim e à minha família, aaahm… foi só desgraças e desolação. Mudou alguma coisa desde então, no seu relato das coisas?
– Oh sim, a situação é bem pior do que o era naquela altura.
– OK Ok ok. Então, essencialmente, para parafrasear, estamos todos só a perder o nosso tempo a falar da mudança climática, aquecimento global e aumento do nível do mar?
– Bem, eu aprecio a oportunidade de as pessoas saberem o que se passa no mundo, é por isso que faço o que faço, portanto, não acho que precisemos de não falar sobre isso. Acho que precisamos que as pessoas saibam o que se está a passar.
– Mas é fútil… – A ação é fútil, excepto com respeito a nós pessoalmente e como nos sentimos connosco próprios. Sim, a acção é o antídoto para o desespero, disse Edward Abbey, o anarquista do deserto.
– Você é anarquista?
– Sou, e sei o que isso significa. Não é caos. O anarquismo não é uma noção romântica mas uma ideia, um modo de vida, que tem provado ser bem sucedido durante 3 milhões de anos da experiência humana.
– Se você estiver certo, então também está, com certeza, errado. Quero dizer, você diz que é importante falarmos disto para sabermos o que se está a passar, mas eu não acho que seja por isso que estamos a falar disto. Se você estiver certo, a razão pela qual falamos disto, não é uma tentativa para, essencialmente, enganarmo-nos a nós próprios em pensar que podemos na realidade resolvê-lo?
– Bem… Depende da sua perspectiva, mais uma vez, a minha perspectiva é que não há nada a fazer em termos de preservar a espécie humana, mais do que alguns anos. Outras pessoas pensam que existem ações que irão… aumentar a sua própria longevidade, o que poderá ser verdade, dependendo daquilo que fizerem e de para onde forem, mas penso que em termos da raça humana está feito, está garantido, tem estado garantido há muito tempo, estamos a meio da 6ª extinção em massa.
– OK, vamos falar da sua escala de tempo num momento, porque acho que… você já indicou que houve algo que mudou pois as coisas ficaram piores rapidamente, mais rápido do que você originalmente pensava. Você quase que insinuou, em alguma da sua escrita, que temos a arrogância de acreditar que o futuro do planeta e o futuro da humanidade são a mesma coisa. Na realidade, você manteve uma visão bastante positiva do futuro do planeta, mas só que sem estarmos incluídos nela.
– Absolutamente, sim. Quero dizer… Há humanos no planeta, a nossa espécie, à cerca de 200 mil anos. O universo tem 13,8 bilhões (mil milhões, em Portugal) de anos.
– Somos um momento no tempo. – Somos mesmo. Quero dizer, é um piscar de olhos geológico, e parece que estamos para além do geológico, por esta altura, e já no verdadeiro piscar de olhos. Com o desaparecimento dos humanos, e presumivelmente outra vida tal como a conhecemos, tal como a conhecemos, o planeta irá de facto curar-se a si próprio, dando-lhe os suficientes milénios?
– Vai levar milhões de anos, como em eventos de extinção em massa anteriores mas, mas não tenho dúvidas de que haverá um planeta florescente outra vez. Apenas durante alguns milhões de anos haverá apenas coisas muito pequenas, micróbios, bactérias e fungos.
– Enquanto olhava para si agora… o que diz parece lógico, muito mais lógico do que aqueles que dizem que podemos fazer frente a isto, que podemos gritar à maré para não entrar. Mas na verdade não acredito porque parte de mim, sendo um ser humano, uma criatura lógica, pensa “não consigo imaginar que nada disto irá existir”, e portanto faço de conta que isto não existe. É essa a sua luta, quando vai por aí, quando dá palestras por todo o mundo?
– Claro, e a maioria são pessoas muito semelhantes a tu e eu, pessoas muito privilegiadas, e não conseguem imaginar esta quantidade de privilégio a acabar. E essa é a dificuldade. Isto é tudo o que sempre conhecemos, nascemos nisto — chamo-lhe nascer em cativeiro — e não tivemos escolha quanto a isto, não votámos se tínhamos que aparecer neste período da história. E portanto é difícil imaginar algo algo diferente disto. Muito menos o tipo de situação que é certo surgir num futuro não muito distante.
– A outra coisa que é difícil imaginar, mesmo apesar de termos prova absoluta à nossa volta, é que somos apenas um momento no tempo, porque sabemos história, sabemos que não vamos durar para sempre, e então fingimos saber um pouco do futuro. Quanto tempo temos? Quanto tempo é que a raça humana tem?
– Não consigo imaginar que haverá humanos no planeta daqui a 10 anos. Suspeito que será…
– Não, desculpa… Você disse 10 anos?!
– Sim, sim, em voz alta, até. Sabe, vamos em direção a uma temperatura numa escala que alcança ou está próxima da temperatura mais elevada experienciada na Terra nos últimos 2 bilhões de anos. Isso é pelo menos uma ordem de magnitude mais rápida do que ocorreu durante a Grande Morte, há 250 milhões de anos…
– Mas você está a sugerir que o aumento da temperatura será fenomenal nos próximos poucos anos.
– Oh sim. Isto é uma mudança exponencial, temos dificuldade em perceber mudança exponencial…
– Não, eu compreendo o termo “exponencial”, e compreendo o termo mudança. O que não quero compreender é a sua escala de tempo. Quero dizer… Porque é que ainda vem perder o seu tempo aqui no estúdio? Porque raio estamos todos aqui? Sério! Se são apenas 10 anos, o que faz você aqui? Arrasta a sua mulher pelo raio do mundo fora, a falar disto, e só tem 10 anos! Não devia estar em casa com os seus filhos?
– Não tenho filhos porque conseguia ver este tipo de coisa a chegar há muito tempo.
– Você mete-me medo!
– [Gargalhadas]
– Sério, 10 anos?!
– Não, não temos 10 anos. Sabe, e o problema quando dou um número assim é que as pessoas pensam que será na condição de “negócio do costume” até aos 9 anos e…
– A sua mulher, no canto do estúdio, a tirar fotos. Porque raio está a tirar fotos? Eles nem vão poder olhar para trás pelas fotografias!
– [gargalhadas] Na verdade, essa não é a minha mulher, mas a minha sócia, mas isso é uma questão menor.
– Olhe… no grande esquema das coisas, simplesmente não tem interesse nenhum.
– OK, então…
– Encorajo as pessoas a procurarem a excelência, o amor, aquilo que gostam de fazer… Não creio que isto sejam ideias malucas, na verdade, e também encorajo as pessoas a ficarem calmas porque, não está nada sob controlo, certamente não no nosso controlo.
– Você não imaginaria agora que as coisas pudessem ficar melhores, apenas poderiam ficar piores, logo, presumivelmente, em termos da sua escala de tempo… Dado o… — não me lembro daquilo que me disse há dois anos, e não sei como esqueci — mas era certamente uma escala de tempo muito melhor do que 10 anos.
– Oh sim. Esses eram os bons velhos tempos.
– Preocupa-lhe se… Até agora estava preparado para o acompanhar, mas agora tirou-me toda a esperança de um futuro, para mim e para as minhas queridas crianças… Aquela é a minha filha, Bela; Ela não teve uma oportunidade, não teve direito à sua vez a conduzir os cavalos.
– Eu sei, e sinto-me horrível com isso, sinto mesmo. Os jovens do planeta não tiveram uma oportunidade para viverem uma vida plena, ou até perceber o que significa viver!
– Oh minha nossa, nem acabe a frase que não temos tempo. Apenas me interrogo, ou paro de falar consigo e não volto a falar-lhe outra vez, ou mais vale continuar a falar consigo pois não faz sentido falar com mais ninguém, está a perceber?
– Absolutamente, percebo o que quer dizer, sim. E tem razão, não faz sentido falar com mais ninguém, Paul, sou só eu e você.
– Se… OK. aqui está a coisa, Guy… Se as pessoas acreditarem em si, — e virtualmente ninguém irá, especialmente agora que lançou a escala de tempo — se elas acreditarem em si, como iria prevenir um estado de absoluta ausência de esperança, a invadir-nos pelo mundo fora.
– Penso que a esperança é uma ideia horrível. Esperança é pensamento desejoso. Deixe-me citar Nietzsche nesta. A esperança, na realidade, é o pior dos males, pois prolonga o tormento dos homens. Esperança e medo, os lados gémeos da moeda “não sei o futuro mas, acho que é muito bom ou mesmo horrível, mas não vou tomar nenhuma ação em nenhuma delas.” A esperança é má ideia. Vamos abandonar isso e seguir com a realidade, em vez. Vamos continuar vivendo, em vez de desejar o futuro que nunca virá. – Ainda bem que não estou no negócio dos carros autónomos pois estava bastante convencido de que iriam mudar as nossas vidas para melhor nos próximos anos. Mais para eles! OK, obrigado por isso, Guy.
– Lá porque… [gargalhadas]
– Sabem, tenho o apoio do meu produtor executivo a dizer que temos que seguir em diante. Não temos que fazer nada, Sara, francamente, com esta inf… Não temos que fazer nada. E todas aquelas guidelines dos padrões de broadcast, Bob… Pfff. Esquece lá o raio da coisa. OK, então Guy… em termos de… porque é isto que preciso de saber; a Bela precisa de saber isto também… o melhor palpite para o futuro da humanidade são quantos anos?
– Ooh, não vou entrar por aí. Encorajo as pessoas a viverem plenamente, no tempo que nos resta para vivermos plenamente presentes com aqueles com quem estamos, incluindo o resto do planeta vivo, mas não sei a sua data de validade.
– Hmmm. OK Guy. Cuide de si.
– [Gargalhada]
– Porquê?! Muito obrigado por estar connosco.
– Obrigado Paul.
– Já agora, rapidamente,… não consigo… porque isto apanhou-me desprevenido; devia ter ficado no carro; 10 anos.
– Não temos 10 anos.
– O que pensa de todos os outros peritos? Porque você é um perito. O que pensa de todos os outros peritos, que parecem pensar que podemos afetar a mudança, que podemos sobreviver. Eles também são peritos, ou dizem ser.
– Certo, certo e… para começar são pagos, e por isso apenas vão até meio do caminho no apresentar da informação. Quase ninguém está disposto a acrescentar os feedbacks que desencadeámos e as suas consequências. E então, por sermos uma sociedade que é focada em especialização, os especialistas são conduzidos ao entendimento de um aspeto ou outro da mudança climática, coisas como o escurecimento global, ou o derretimento do gelo do Ártico, ou o albedo associado com isso, ou o metano, ninguém está a juntar essas coisas.
– Então, resumindo, estão a mentir, essencialmente, estão a enganar-se a si próprios e toda a gente?
– Odeio usar o termo “mentir”, acho que é bem pior que isso.
– [gargalhadas] Guy, muito obrigado por estar connosco. Este era Guy McPherson, Professor Emeritus de Recursos Naturais e Biologia da Evolução, da Universidade do Arizona.Recolher Transcrição[/expand]

Estes conteúdos são traduzidos e/ou legendados por voluntários motivados pelo desejo de facilitar o conhecimento a todos e assim melhorar as nossas vidas. Qualquer pessoa pode fazer o mesmo.
Para iniciar ou sugerir uma tradução, clique aqui.
Anúncios
Standard
Gelo do mar no Ártico com espessura muito fino, quase sem gelo antigo.
Sam Carana

Gelo do Mar no Ártico Fica Terrivelmente Fino

Subida da Temperatura

Um aumento da temperatura (a partir de níveis pré-industriais) de mais de 10°C poderia suceder por volta do ano de 2026, como ilustrado pela imagem abaixo e como discutido numa publicação anterior.

Tendência de aumento da temperatura previsto para 10 anos

A anomalia de temperatura elevada que ocorreu em Fevereiro de 2016 foi parcialmente causada pelo El Niño. Todavia, há uma ameaça de que a anomalia de Fevereiro de 2016 não tenha sido um pico, mas em vez disso tenha sido parte de uma tendência que aponta para o que ainda está por vir.

Calor do Oceano

Como a imagem abaixo mostra, 93,4% do aquecimento global vai para os oceanos. Assim, o calor do oceano tem vindo a aumentar rapidamente e, como a imagem abaixo mostra, uma tendência aponta para um enorme aumento na próxima década.

O calor em excesso do aquecimento global vai principalmente para os oceanos

Para onde vai o aquecimento global? Atmosfera: 2,3%; Continentes: 2,1%; Glaciares/Mantos de gelo: 0,9%; Gelo do Mar no Ártico: 0,8%; Manto de gelo da Gronelândia: 0,2%; Manto de gelo da Antártida: 0,2%; Oceano: 93,4%. Dados da NOAA com curva de tendência adicionada mostra possível aumento em 8x mais até 2025.

O aumento da temperatura do oceano afeta o clima de várias maneiras. Um estudo recente confirmou os receios anteriores de que futuros aumentos na temperatura do oceano irão resultar em armazenamento reduzido de dióxido de carbono pelos oceanos.

Espessura e Volume do Gelo do Mar no Ártico

A espessura do gelo do mar no Ártico está a diminuir rapidamente.É importante ressaltar que aumentos da temperatura do oceano também farão com que o gelo do Ártico diminua, resultando em mudanças de albedo que farão com que menos luz solar seja refletida de volta para o espaço e mais luz solar, ao invés, seja absorvida pelo Oceano Ártico.

O gelo do mar no Ártico está a perder espessura rapidamente. A imagem à direita mostra que o gelo do mar mais espesso já quase que desapareceu (a imagem mostra o gelo do mar a 6 de Agosto de 2016). A imagem abaixo apresenta uma comparação entre os anos de 2012, 2013, 2014 e 2015 para 6 de Agosto.

comparação-espessura-gelo-2012-2016

A situação parece ainda mais ameaçadora quando se olha para a imagem do Laboratório de Pesquisa Naval abaixo, produzida com um novo modelo executado a 3 de Agosto de 2016, com validade de 4 de Agosto de 2016.

Gelo do mar no Ártico com espessura muito fina, quase sem gelo antigo.

A imagem abaixo, por Jim Pettit, mostra o volume de gelo do mar no Ártico.

Temperaturas da Superfície do Mar

O calor extra que entra nos oceanos traduz-se num enorme aumento da temperatura da superfície do mar, como ilustrado pela imagem abaixo, a partir de um post anterior e usando as anomalias da temperatura de superfície do mar no Hemisfério Norte até Novembro de 2015.

Comparação da temperatura de superfície do mar em Novembro para os anos de 1980 a 2015 revela enormes aumentos da temperatura.

Anomalia da temperatura de superfície do mar para o Hemisfério Norte, com dados da NOAA e linha de tendência adicionada.

Temperatura de superfície do mar em relação a 1971-2000O Oceano Ártico está a sentir o calor transportado pela Corrente do Golfo. A imagem à direita mostra anomalias da temperatura de superfície do mar a partir 1971-2000.

Note-se que as anomalias estão a atingir o topo da escala, de modo que, em algumas áreas estarão acima que extremidade superior (ou seja, 4°C) da escala.

As temperaturas da superfície do mar ao largo da costa da América do Norte são muito elevadas, com temperaturas da superfície do mar tão elevadas quanto 33,1°C, como a imagem abaixo mostra. Muito do calor acumulado no Golfo será carregado pela Corrente do Golfo para o Oceano Ártico ao longo dos próximos meses.

Temperatura da superfície do mar na corrente do golfo ao largo dos Estados Unidos

Anomalias da temperatura de superfície do mar no Ártico a 7 de Agosto de 2016A imagem à direita mostra as anomalias da temperatura de superfície do mar no Ártico a 7 de Agosto de 2016, em comparação com 1961-1990. Observe-se as áreas pretas onde as anomalias de temperatura da superfície do mar estão acima de 8°C.

As temperaturas da superfície do mar no Oceano Ártico permanecerão em torno do ponto de congelamento, onde e enquanto houver gelo do mar presente. Uma vez que o gelo do mar desaparecer, porém, a temperatura da superfície do mar naquela área vai subir rapidamente.

A imagem abaixo mostra quão acentuadas são as anomalias da temperatura da superfície do mar em latitudes mais elevadas do Hemisfério Norte.

Comparação das anomalias de temperatura de superfície do mar entre hemisfério norte e hemisfério sul

Enquanto que as temperaturas da superfície do mar podem estar enormes localmente, água ainda mais quente pode ser levada por baixo da superfície do mar desde o Oceano Atlântico até ao Oceano Ártico, devido à tampa de água doce fria sobre o Atlântico Norte, como ilustrado pela imagem abaixo, a partir de um post anterior.

Tampa de água doce fria do degelo no Ártico sobre o Atlântico Norte

Feedback 28 na página dos Feedbacks

A temperatura da superfície do mar estava tão elevada quanto 18,1°C perto de Svalbard (círculo verde), a 6 de Agosto de 2016, 13,1°C mais quente do que a média de 1981-2011, o que dá uma ideia de quão alta a anomalia da temperatura do oceano pode estar logo abaixo da superfície do mar.

Temperatura Mar Elevada Ártico -6 Agosto 2016

Temperatura da Superfície

Anomalia da temperatura para 365 dias entre Agosto 2015 e Agosto 2016Como a imagem à direita mostra, anomalias de temperatura de superfície elevadas têm atingido duramente o Ártico, particularmente nos últimos 365 dias.

Além de derreter o gelo do mar por cima, as temperaturas elevadas sobre os continentes também irão aquecer a água dos rios que desembocam no Oceano Ártico.

A água quente nos rios vai assim contribuir (juntamente com a água mais quente trazida para o Oceano Ártico a partir dos oceanos Atlântico e Pacífico) para o derretimento do gelo do mar no Ártico por baixo.

Metano

Há um perigo de que, como a temperatura do Oceano Ártico continua a aumentar, enormes quantidades de metano entrarão na atmosfera devido à desestabilização de hidratos no fundo do mar.

A situação é terrível e apela a uma acção abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Traduzido do original Arctic Sea Ice Getting Terribly Thin de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 17 de Julho de 2016.

Standard
Temperaturas anómalas na Sibéria em Junho 2016
Sam Carana

Temperaturas Altas no Ártico

Aquecimento dos Oceanos ou Calor Oceânico Global

Conteúdo de Calor Oceânico Global (Aquecimento Oceânico) – Média dos 3 meses de Janeiro a Março de 2016 – Média anual de 2015 – Média pentadal (5 anos) durante 2011-2015

O conteúdo de calor do oceano está a aumentar, como ilustrado pela imagem à direita. Onde o gelo do mar está a diminuir, está a causar elevadas temperaturas do ar no Ártico.

Este ano (de Janeiro a Abril de 2016) no Hemisfério Norte, os oceanos estiveram 0,85°C ou 1,53°F mais quentes do que a média do século 20.

A imagem abaixo mostra como as temperaturas parecem prestes a ser elevadas na Sibéria na próxima semana. O painel à direita mostra anomalias na extremidade superior da escala na Sibéria Oriental a 5 de Junho de 2016, enquanto que o painel da direita mostra uma previsão para 12 de Junho de 2016.

Temperaturas anómalas na Sibéria em Junho 2016

Estas temperaturas do ar elevadas estão a causar feedbacks que estão, por sua vez, a acelerar ainda mais o aquecimento no Ártico.

Rios Mais Quentes

Temperaturas tão elevadas quanto 28.9°C ou 83.9°F foram registadas ao longo do rio Mackenzie perto do Oceano Ártico, a 13 de Junho de 2016, no local marcado pelo círculo verde.

Temperaturas elevadas no Ártico, no rio McKenzie

Abaixo está uma imagem de satélite do delta do rio Mackenzie, a 11 de Junho de 2016.

Imagem satélite do rio Mckenzie e Oceano Ártico sem gelo

A imagem abaixo mostra que temperaturas tão elevadas quanto 36.6°C ou 97.8°F estavam previstas para 13 de junho de 2016 sobre o rio Yenisei na Sibéria, que termina no Oceano Ártico.

temperaturas elevadas na Sibéria nas áuas do rio Yenisei que desagua no Oceano Ártico

Incêndios Florestais

No início deste mês, as temperaturas na Sibéria Oriental estavam tão elevadas quanto 29,5°C (85°F). Isto foi a 5 de Junho de 2016, num local perto da costa no Oceano Ártico (círculo verde).

Sibéria com temperaturas elevadas na costa do Oceano Ártico

Temperaturas do ar elevadas trazem um aumento do risco de incêndios florestais, como ilustrado pela imagem abaixo que mostra níveis de monóxido de carbono tão elevados quanto 2944 ppb a 4 de Junho de 2016 (no círculo verde).

Fumo e níveis de monóxido de carbono sobre Kamchatka resultam dos incêndios causados pelo aquecimento global

A imagem de satélite abaixo faz um zoom sobre a área com estas leituras de monóxido de carbono, mostrando incêndios na Península de Kamchatka a 3 de Junho de 2016.

Imagem de satélite mostra fumo dos incêndios florestais sobre Kamchatka

Perda de Albedo

A imagem à direita mostra que, este ano, a cobertura de neve de Abril no Hemisfério Norte foi a mais baixa do registo. A linha de tendência adicionada aponta para uma total ausência de neve até ao ano de 2036.A mais baixa cobertura de neve de Abril do registo com uma tendência a mostrar Abril sem cobertura de neve em 2036

O professor Peter Wadhams, chefe do Grupo de Física do Oceano Polar da Universidade de Cambridge, diz : “A minha previsão é que o gelo do Ártico pode muito bem desaparecer, ou seja, ter uma área de menos de um milhão de quilómetros quadrados, em Setembro deste ano.”

O aquecimento devido à perda de gelo e neve do Ártico pode muito bem ultrapassar os 2 W por metro quadrado, ou seja, pode mais do que duplicar o aquecimento líquido causado agora por todas as emissões de todas as pessoas do mundo, Peter Wadhams calculou em 2012.

Metano no Leito Marinho

Peter Wadhams foi ainda co-autor num estudo que calculou que a libertação de metano do fundo do mar no Oceano Ártico poderia contribuir com 0,6°C de aquecimento do planeta em 5 anos (vejam o vídeo com a entrevista de Thom Hartmann a Peter Wadhams, em baixo).

Impacto Combinado de Múltiplos Feebacks

Em conclusão, as altas temperaturas do ar no Ártico são muito preocupantes, uma vez que podem desencadear uma série de feedbacks importantes, como aqueles discutidos acima e outros feedbacks, tais como:

  • Mudanças na Corrente de Jato (Jet Stream). À medida que o Ártico aquece mais rapidamente do que o resto da Terra, ocorrem mudanças na corrente de jato. Como resultado, os ventos podem trazer cada vez mais ar quente bem para norte, resultando na perda da cobertura de neve e gelo do Ártico, que por sua vez resulta em ainda mais aquecimento do Ártico.
  • Rios Mais Quentes. As temperaturas de ar elevadas causam o aquecimento da água dos rios que desembocam no Oceano Ártico, resultando assim em declínio adicional do gelo do mar e em aquecimento do Oceano Ártico desde a superfície até ao leito marinho.
  • Incêndios Florestais. Elevadas temperaturas atmosféricas definem o cenário para os incêndios que emitem não apenas gases de efeito estufa como o dióxido de carbono e metano, mas também poluentes como o monóxido de carbono que depleta as hidroxilas que caso contrário poderiam degradar o metano, e o carbono negro que, ao cair sobre o gelo faz com que ele absorva mais luz solar (veja abaixo de perda de albedo), além de ser um forçador de clima quando na atmosfera.
  • Desestabilização do Solo. Ondas de calor e secas desestabilizam o solo. Solo que era anteriormente conhecido como permafrost e estava até agora segurado pelo gelo. Há medida que o gelo derrete, material orgânico no solo entra em decomposição, resultando em emissões de metano e dióxido de carbono, enquanto o solo se torna cada vez mais vulnerável a incêndios.
  • Perda de Efeito Tampão. A cobertura de neve e gelo do Ártico funciona como um tampão, absorvendo o calor que, na ausência deste tampão terá que ser absorvido pelo Oceano Ártico, como discutido em posts anteriores, como este.
  • Perda de Albedo. A cobertura de gelo e neve no Ártico faz com que a luz solar seja refletida de volta para o espaço. Na ausência dessa cobertura, o Ártico terá que absorver mais calor.
  • Metano no Leito Marinho. Há medida que os sedimentos no fundo do mar do Oceano Ártico aquecem, os hidratos contidos nesses sedimentos podem ser desestabilizados e libertar enormes quantidades de metano.
Quão mais quente poderia ficar dentro de uma década?

Os dois feedbacks mencionados por Peter Wadham (albedo e metano do fundo do mar) são retratados na imagem abaixo.

Albedo e Metano do fundo do mar, dois Feedbacks de auto-reforço e influência no aquecimento do Ártico

Ciclo de auto-reforço (feedback) 1: Aquecimento Acelerado no Ártico => Perda de gelo marinho => Mudança no Albedo => Aquecimento Acelerado no Ártico. Ciclo de auto-reforço positivo 2: Aquecimento Acelerado no Ártico => Enfraquecimento das reservas de metano => libertação de metano => Aquecimento Acelerado no Ártico.

O aumento combinado da temperatura global durante a próxima década devido a estes dois feedbacks (albedo e metano do fundo do mar), por si só, pode ser de 0,4°C ou 0,72°F para um cenário de baixo crescimento e pode ser de 2,7°C ou 4,9°F para um cenário de elevado crescimento.

Além disso, à medida que a temperatura sobe, mais feedbacks irão contribuir mais fortemente, acelerando ainda mais o aumento da temperatura, como também discutido em posts anteriores, como este.

Quando também incluindo mais feedbacks, o aquecimento pode exceder 10°C (18°F) dentro de uma década, assumindo que nenhum geoengenharia terá lugar dentro de uma década, como discutido em posts anteriores, como este.

A situação é terrível e apela a uma acção abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Traduzido do original High Temperatures In Arctic de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 5 de Junho de 2016.

Standard
Anomalia da Temperatura Média Mensal Global L-OTI NASA
Sam Carana

Quanto Aquecimento Foi Causado Pelos Humanos?

Diferenças na Linha de Base

As diferenças na linha de base (período de referência) podem resultar em diferenças dramáticas na elevação da temperatura. O conjunto de dados HadCRUT4 do Met Office do Reino Unido normalmente apresenta anomalias de temperatura em relação a uma linha de base 1961-1990. A NASA usa tipicamente uma linha de base 1951-1980, mas o site da NASA permite que diferentes linhas de base possam ser selecionadas. Ao seleccionar uma linha de base 1961-1990, as temperaturas durante os 6 meses que passaram estiveram 1,05°C (1,89°F) mais elevadas em relação a esta linha de base, conforme mostrado pelo mapa da NASA no painel da esquerda da imagem abaixo. Como o mapa no painel direito da imagem abaixo mostra, quando comparado com 1890-1910, as temperaturas subiram 1,48°C (ou 2.664°F).

Anomalia da temperatura global comparado as linhas de base 1961-1990 e 1890-1910

De Novembro de 2015 a Abril de 2016 esteve 1.05°C (1.89°F) mais quente do que em 1961-1990 (mapa à esquerda) e 1.48°C (ou 2.664°F) mais quente do que 1890-1910 (mapa à direita)

Uma tendência polinomial pode reduzir a variabilidade como a causada por vulcões e eventos El Niño. O gráfico abaixo foi criado com a anomalia da temperatura média mensal global de superfície pelo índice L-OTI (índice de temperatura dos continentes mais oceanos) da NASA, o qual tem uma linha de base 1951-1980, e depois com 0,29°C adicionados, o que faz a anomalia de 0°C no ano de 1900 para a tendência polinomial adicionada.

Anomalia da Temperatura Média Mensal Global L-OTI NASA

Isto dá-nos uma ideia do quanto as temperaturas subiram desde o ano de 1900, com um aumento para ambos Fevereiro e Março de 2016 a revelar que foi de mais de 1,5°C. A tendência aponta para anomalias de temperatura que serão superiores a 1,5°C dentro de uma década, e mais do que 2°C logo a seguir.

Temperaturas Históricas

Para calcular quanto aquecimento os seres humanos causaram desde os tempos pré-industriais, é preciso irmos ainda mais atrás no tempo. O gráfico abaixo mostra que as concentrações de dióxido de carbono variaram entre cerca de 180 ppm e 280 ppm ao longo dos últimos 800.000 anos e que recentemente atingiram um pico de 411 ppm (pico da média horária a 11 de Maio de 2016).

Concentrações de dióxido de carbono (CO2) núcleos de gelo e medidas até 2016

Dados de concentração de dióxido de carbono (CO2) em núcleos de gelo, anteriores a 1958, e o CO2 atualmente medido no observatório de Mauna Loa desde 1958, no pico da média horária a 11 de Maio de 2016

O gráfico em baixo, de uma publicação anterior, mostra como, no passado, ao longo dos últimos 420.000 anos, as temperaturas (e os níveis de CO2 e CH4) variaram em cerca de 10°C, de acordo com os ciclos de Milankovitch.

Temperatura, dióxido de carbono, metano, valores históricos

Historicamente, os aumentos de dióxido de carbono de 100 ppm têm andado de mãos dadas com os aumentos da temperatura de cerca de 10°C. O recente aumento das concentrações de dióxido de carbono é um aumento de 131 ppm (de cerca de 280 ppm a 411 ppm). O aumento das concentrações de metano é ainda mais acentuado. Podemos, assim, contar que aconteça um aumento da temperatura em mais de 10°C, e em caso afirmativo, em quanto tempo isso poderia acontecer? Como descrito em baixo, o aquecimento causado por seres humanos pode resultar num aumento de temperatura de mais de 10°C (18°F) dentro de uma década.

O gráfico à direita, criado por Jos Hagelaars, mostra que, durante o ciclo mais atual, as temperaturas atingiram um pico à cerca de 7000 anos atrás (na parte azul do gráfico). Temperaturas ao longo de milhares de anos

O gráfico abaixo, baseado no trabalho de Marcott et al., centra-se nesta parte azul do gráfico, usando uma linha de base de 1961-1990. As temperaturas atingiram um pico há cerca de 7000 anos, e depois desceram para atingirem um mínimo algumas centenas de anos atrás.Variação da temperatura em 10.000 anos

As temperaturas de pico e de mínimos (destacado a vermelho na imagem) durante aquele período sugerem uma queda de mais de 0,7°C.

Umas poucas centenas de anos atrás, as temperaturas estavam a cair e teriam continuado em queda, em linha com os ciclos de Milankovitch, se não tivesse havido o aquecimento causado por humanos.

A partir desse ponto baixo, as temperaturas subiram primeiro cerca de 0,4°C, oprimindo a tendência de queda que teria, de outro modo, levado temperaturas ainda mais para baixo, e então houve um aumento adicional de pelo menos 1,05°C, quando se utiliza uma base de 1961-1990. Isso pode sugerir que os seres humanos causaram um total de 1,45°C de aquecimento.

Os Seres Humanos Causaram Ainda Mais Aquecimento

A situação parece ser ainda pior do que o que os números acima poderão sugerir. Na verdade, o ponto mais baixo no gráfico Marcott teria sido ainda mais baixo se não tivesse havido aquecimento por parte dos seres humanos.

As temperaturas antes de 1900 já eram mais elevadas do que teriam sido se não tivesse havido aquecimento causado pelo homem. O facto de que os seres humanos causaram um aquecimento substancial entre 1800 e 1900 é ilustrado pelo gráfico abaixo, a partir de uma publicação recente por Michael Mann, que acrescenta que cerca de 0,3°C do efeito estufa já tinham acontecido entre o ano de 1800 e o ano de 1900.

Aquecimento causado pela revolução industrial em 1900

Uns 0.3 C de aquecimento por efeito estufa já havia acontecido em 1900, e uns 0.2 C de aquecimento em 1870

Os humanos também causaram um aquecimento substancial bem antes de 1800. Um exemplo de aquecimento causado por humanos antes de 1800 é apresentado na pesquisa por Dull et al., a qual sugere que a queima das florestas neotropicais aumentou de forma constante nas Américas, atingindo um pico no tempo em que os europeus chegaram no final do século XV. Em 1650, cerca de 95% da população indígena tinha morrido. A regeneração de florestas levou ao sequestro de carbono de cerca de 2 a 5 pentagramas de carbono (Pg C), contribuindo assim para uma queda no dióxido de carbono atmosférico registado em núcleos de gelo da Antártida durante os anos de cerca de 1500 até 1750.

O Acordo de Paris

Os dados da NASA sugerem que o aquecimento já é de 1,48°C (ou 2,664°F) mais elevado do que em 1890-1910. Note-se que a linha de base de 1890-1910 é muito mais tarde do que os tempos pré-industriais. O Acordo de Paris comprometeu-se a limitar o aumento da temperatura a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais. Em terra no Hemisfério Norte, estava 1,99°C (ou 3.582°F) mais quente (mapa à direita na imagem abaixo).

Temperatura L-OTI e de superfície (em terra) entre ovembro 2015 e Abril 2016 mais elevada no hemisfério norte

As imagens acima representam apenas um semestre, logo elas são apenas indicativas do aumento total para o ano de 2016. No entanto, quando se tem em conta o aquecimento causado pelas pessoas antes de 1900, o ano de 2016 parece destinado a ultrapassar os limites de segurança que o Acordo de Paris havia se comprometido a não serem ultrapassados. A situação parece ainda pior quando se considera que as temperaturas medidas em núcleos de gelo já incluíam uma quantidade substancial do aquecimento pelos seres humanos mesmo antes do início da Revolução Industrial.

Limites do Acordo de Paris ultrapassados em Fevereiro de 2016No Acordo de Paris, os países comprometeram-se a manter o aumento da temperatura média global a menos de 2°C acima dos níveis pré-industriais e de perseguirem esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais.

Quando olhamos para um único mês, Fevereiro de 2016 esteve 1,67°C (3°F) mais quente do que 1890-1910 (ver imagem à direita). Ao adicionar uns meros 0,34°C para contar com o aquecimento antes de 1900, o aquecimento total em Fevereiro de 2016 ultrapassou de facto os 2°C. Olhando dessa forma, os limites de segurança estabelecidos em Paris em Dezembro de 2015 já foram ultrapassados em Fevereiro de 2016.

Situação

Então, qual é a situação? Por um lado, há o aumento da temperatura atualmente observado (ΔO). Este aumento é tipicamente calculado como a diferença entre a temperatura atual e a temperatura a uma dada linha de base.

Contudoo, este ΔO não reflete o impacto total das emissões humanas. Temperaturas teria sido inferior se não houvesse emissões por seres humanos. O impacto total de aquecimento devido às emissões das pessoas, portanto, é ∆E. Este ∆E é maior do que o aumento observado que é frequentemente utilizado, uma vez que a linha de base teria sido inferior sem o aquecimento causado por seres humanos.

Ao mesmo tempo, parte do aquecimento global causado pelas pessoas está mascarado devido as emissões de aerossóis (∆A). Tais emissões de aerossóis resultam principalmente da queima dos combustíveis fósseis e biomassa. Não há dúvida de que tais emissões deviam ser reduzidas, mas a verdade é que o aumento da temperatura atual pode aumentar substancialmente, digamos em metade, quando o efeito de mascaramento desaparece.

Assim, o aquecimento total (desmascarado) causada pelos seres humanos é a soma destes dois, ou seja, ∆E + ∆A, e a soma podia ser tão elevada quanto 3°C ou mesmo mais do que 5°C.

Além disso, há um aumento futuro da temperatura que já está cozido no bolo (∆F). Alguns feedbacks ainda não são muito visíveis, uma vez que algumas mudanças levam tempo para se tornarem mais evidentes, como o derretimento do gelo do mar e as mudanças não lineares devido a feedbacks que só agora estão a entrar em jogo. Além do mais, o efeito total das emissões de CO2 atinge o seu pico apenas uma década após a emissão e, mesmo com os melhores esforços, os seres humanos provavelmente ainda estarão a causar emissões adicionais durante a próxima década. Todos esses fatores em conjunto podem resultar num aumento de temperatura superior a ∆E + ∆A juntos, ou seja, o ∆F poderia, sozinho, causar um aumento de temperatura superior a 5°C no espaço de uma década.

Em resumo, o aquecimento total causado pelos humanos (∆E + ∆A + ∆F) poderia ser de mais do que 10°C (18°F) no espaço de uma década, assumindo que nenhuma geoengenharia terá lugar dentro de uma década.

A situação é terrível e apela a uma acção abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Traduzido do original How Much Warming Have Humans Caused? de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 28 de Maio de 2016.
Standard
Sam Carana

Temperatura de Março

Anomalia da temperatura mensal global para Março 2016

A imagem em cima mostra anomalias da temperaturas mensal global terra-oceano (a vermelho) e apenas-terra (a preto) em comparação com a média do período de 1951 a 1980.

No Acordo de Paris, os países comprometeram-se em fortalecer a resposta global à ameaça das alterações climáticas ao travarem o aumento da temperatura média global em menos de 2°C acima dos níveis pré-industriais e fazerem esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais.

Para se ver o quanto as temperaturas subiram em relação aos níveis pré-industriais, uma comparação com o período 1951-1980 não nos dá o quadro todo. A imagem em baixo, criada pela selecção de um raio de alisamento de 1200 km, mostra que o aumento da temperatura global desde 1890-1910 foi de 1,58°C ou 2.84°F.

Anomalia da temperatura terra-mar em Março de 2016

O aumento de temperatura é ainda maior quando se olha para medições de estações apenas em terra. A imagem abaixo compara a temperatura de Março de 2016 com o período de 1890-1910 (250km de suavização), mostrando uma anomalia de temperatura apenas em Terra de 2,42°C ou 4,36°F.

anomalia de temperatura em terra de 2,42°C ou 4,36°F para Março de 2016

Tendo em conta que as temperaturas já haviam aumentado em cerca de 0,3°C (0,54°F) antes de 1900, isto acrescenta a um aumento total da temperatura, em terra, em Março de 2016, de 2,72°C (4,9°F) desde o início da revolução industrial .

No Hemisfério Norte, houve um aumento de temperatura ainda mais dramático em terra. Em Março de 2016, em terra, no Hemisfério Norte, esteve 4,9°F ou 2,72°C mais quente do que a média do século 20, como ilustrado pela imagem abaixo.

Temperatura em terra no hemisfério norte para Março 2016

Esteve 2,72°C mais quente do que a média do século XX, se considerarmos a temperatura nos continentes no Hemisfério Norte, durante Março de 2016.

Quanto desse aumento pode ser atribuído ao El Niño? Uma maneira de responder a esta pergunta é adicionando uma tendência polinomial, como na imagem abaixo, mostrando que as temperaturas já tinham subido 2°C em Março de 2015, enquanto aponta para um aumento de 4°C até Março de 2030 e 10°C antes o ano de 2050.

Quanto do aumento da temperatura pode ser atribuido ao El Nino?

A linha de tendência também mostra uma diferença de temperatura de cerca de meio grau Celsius entre a média do século 20 e o ano de 1900. Tendo em conta que as temperaturas já haviam aumentado em cerca de 0,3°C (0,54°F) antes de 1900, isto acrescenta a um aumento total da temperatura em terra, no Hemisfério Norte, em Março 2016 de 3,52°C ou 6,34°F desde o o início da revolução industrial.

Dados da NOAA mostram que em Março de 2016 esteve 2,33°C ou 4,19°F mais quente globalmente em terra do que a média do século 20. Quando comparado com as temperaturas por volta do ano de 1900, esteve ainda mais quente.

Em fevereiro de 2016, dados da NASA mostram que esteve 2,33°C ou 4,19°F mais quente em terra (com 1200 km de alisamento) do que em 1890-1910, enquanto esteve 2,48°C ou 4,46°F mais quente, para um raio de suavização de 250km, para os dados de apenas-terra. Numa publicação anterior, um aumento de 2,3°C em Fevereiro de 2016 foi usado como um dos vários elementos que compõem o eventual aumento total que poderia suceder, nos continentes, até ao ano de 2026, assumindo que nenhuma geoengenharia ocorrerá (imagem abaixo).

Previsão do aumento da temperatura para 10 anos

Enquanto isso, o presente El Niño ainda está forte e a causar temperaturas muito altas, fazendo-nos indagar quão altas as temperaturas serão durante o próximo El Niño, o que poderia suceder daqui a uma década ou menos. A imagem abaixo mostra temperaturas elevadas em quatro locais no Sudeste Asiático a 20 de abril de 2016.

Temperaturas muito elevadas no Sudeste Asiático a 20 Abril

A situação é calamitosa e apela a uma ação abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Traduzido do original March Temperature de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 16 de Abril de 2016.
Standard