Aumento do dióxido de carbono pela respiração dos solos é um feedback de amplificação que nos leva a um ponto de não-retorno
Robertscribbler

Para Além do Ponto de Não-Retorno — Feedbacks de Carbono Iminentes Acabaram de Aumentar em Muito os Riscos do Aquecimento Global

É justo dizer que passámos o ponto de não-retorno sobre o aquecimento global e que não podemos reverter os efeitos, mas certamente podemos amortecê-los

disse o especialista em biodiversidade Dr. Thomas Crowther.

Eu sou um otimista e ainda acredito que não é tarde demais, mas precisamos urgentemente de desenvolver uma economia global dirigida por fontes de energia sustentáveis e começar a usar CO2, como um substrato, em vez de como um produto residual.

Prof. Ivan Janssens, reconhecido como um dos padrinhos do campo da ecologia global.

… estamos no momento mais perigoso do desenvolvimento da humanidade. Temos agora a tecnologia para destruir o planeta em que vivemos, mas ainda não desenvolvemos a capacidade para o evitar … só temos um planeta, e precisamos de trabalhar juntos para o proteger.

— Professor Stephen Hawking ontem no The Guardian.

*****

O caminho para a prevenção de uma mudança climática catastrófica acabou de se tornar muito mais estreito.
Pois de acordo com novas estimativas conservadoras num estudo científico liderado pelo Dr. Thomas Crowther, somente o aumento da respiração do solo está prestes a adicionar entre 0,45 e 0,71 partes por milhão de CO2 à atmosfera a cada ano, entre agora e 2050.


(Thomas Crowther explica porque reduzir rapidamente as emissões humanas de gases com efeito de estufa é tão importante. Concretamente, é preciso fazer tudo o que for possível para se evitar uma situação descontrolada rumo a um ambiente de estufa que, essencialmente, irá ocorrer em apenas um século. Fonte do vídeo: Instituto de Ecologia da Holanda).

O que isto significa é que mesmo que todas as emissões humanas de combustíveis fósseis parassem, o ambiente da Terra, a partir desta única fonte, irá gerar aproximadamente a mesma quantidade de carbono que toda a indústria de combustíveis fósseis do mundo gerou a meio do século XX. E que, se as emissões humanas não pararem, então o ritmo do aquecimento global dos oceanos, camadas de gelo e atmosfera irá acelerar num evento de aquecimento descontrolado ao longo dos próximos 85 anos.

Aquecimento Global Ativa Respiração do Solo, o Que Produz Mais CO2

Isso acontece porque à medida que o mundo aquece, o carbono é extraído de solos anteriormente inativos através de um processo conhecido como respiração. Explicado de uma maneira básica, microorganismos chamados heterótrofos consomem carbono do solo e produzem dióxido de carbono como subproduto. O calor é necessário para alimentar este processo. E grandes partes do mundo, que antes eram demasiado frias para suportar respiração em grande escala e produção de CO2 por heterótrofos e outros organismos, estão agora a aquecer. O resultado é que sítios como a Rússia siberiana, Europa do Norte, Canadá e Alasca estão prestes a contribuir uma quantidade muito superior de CO2 (e metano) para a atmosfera do que fizeram durante o século XX.

Quando o aquecimento inicial causado pela queima de combustíveis fósseis extrai mais carbono do ambiente global, chamamos a isto feedback de amplificação. Trata-se de um ponto de viragem climático crítico quando o sistema de carbono global do ambiente natural começa a a fugir-nos.

Infelizmente, a respiração do solo é apenas um mecanismo de feedback potencial que pode produzir gases de efeito estufa adicionais à medida que a Terra aquece. Oceanos em aquecimento absorvem menos carbono e são capazes de produzir as suas próprias fontes de carbono conforme acidificam e as excreções de metano proliferam. Florestas que ardem devido ao calor e à seca produzem as suas próprias fontes de carbono. Mas o aumento da respiração do solo, que também tem sido chamado de bomba de composto, representa o que é provavelmente uma das mais imediatas e provavelmente maiores fontes de feedback de carbono.

Aumento do dióxido de carbono pela respiração dos solos

Um novo estudo descobriu que um aquecimento de 1º a 2ºC até 2050 irá aumentar a respiração do solo. O resultado é que entre 30 a 55 mil milhões de toneladas de CO2 adicionais irão provavelmente atingir a atmosfera terrestre ao longo dos próximos 35 anos. Fonte da imagem: Nature.

E também é importante salientar que o estudo classifica as suas próprias conclusões como estimativas conservadoras. Que o mundo poderá, num dos piores cenários, assistir a tanto quanto até quatro vezes a quantidade de feedback de carbono (ou tanto quanto 2,7 ppm de CO2 por ano) proveniente do solo, caso a respiração for mais eficiente e abrangente do que o esperado. Caso uma parcela maior do carbono do solo de superfície, em regiões recém-aquecidas, se tornar numa parte do sistema climático, à medida que os micróbios se ativarem.

Feedbacks de Amplificação a Começarem a Acontecer Agora

O estudo observa que o mais provável é que cerca de 0,45 partes por milhão de CO2 por ano serão removidas do solo, sobretudo de solos setentrionais no período entre 2016-2050, sob condições de 1ºC de aquecimento global durante esse período. Até este ponto, é importante notar que o mundo já aqueceu mais de 1ºC acima dos níveis pré-industriais. Portanto, esta quantidade de feedback de carbono já pode ser considerada como garantida. O estudo conclui que, se o mundo continuar a aquecer até aos 2ºC até 2050 — o que é provável que aconteça, — então uma média de cerca de 0,71 partes por milhão de CO2 serão removidas dos solos através da respiração a cada ano até 2050.

Taxa de libertação de carbono dos solos com a temperatura

(Quando os solos perdem carbono, este acaba na atmosfera. De acordo com um novo estudo, os solos em todo o mundo estão a começar a bombear dióxido de carbono para a atmosfera. Isto é causado pelo aumento da respiração do solo à medida que a Terra aquece. Ao longo dos próximos 35 anos, espera-se que a quantidade de dióxido de carbono que será bombeada para fora dos solos do mundo aumente drasticamente. A quantidade será determinada por quão quente o mundo se tornar ao longo dos próximos 35 anos. Fonte da imagem: Nature.)

A conclusão deste estudo é que os feedbacks de carbono de amplificação a partir do ambiente da Terra estão provavelmente a começar a acontecer em grande escala neste momento. E poderemos estar a assistir a algumas evidências deste efeito durante 2016, numa altura em que as taxas de acumulação de dióxido de carbono atmosférico estão acima de 3 partes por milhão por ano pelo segundo ano consecutivo, mesmo tendo as taxas globais de emissões humanas estabilizado.

Para Além do Ponto de Não-Retorno

O que isto significa é que os riscos para reduzir as emissões humanas de carbono para zero o mais rapidamente possível acabaram de aumentar imenso. Se não conseguirmos fazer isto, vamos facilmente estar no bom caminho para 5-7ºC ou mais de aquecimento até o final deste século. E este nível de aquecimento a acontecer tão cedo e num período de tempo tão curto é um evento que poucas, se é que algumas, civilizações humanas atuais são suscetíveis de sobreviver. Além disso, se quisermos evitar um aquecimento terrivelmente prejudicial ao longo de períodos mais longos, não devemos somente transitar rapidamente para fontes de energia renováveis. Temos também de alguma forma aprender a tirar carbono, em quantidade líquida, da atmosfera em grandes volumes.

Hoje, o Professor Ivan Janssens da Universidade de Antuérpia observou:

Este estudo é muito importante, porque a resposta dos stocks de carbono do solo ao aquecimento em curso é uma das maiores fontes de incerteza nos nossos modelos climáticos. Eu sou um otimista e ainda acredito que não é tarde demais, mas precisamos urgentemente de desenvolver uma economia global dirigida por fontes de energia sustentáveis e começar a usar CO2, como substrato, em vez de como produto residual. Se isso acontecer até 2050, então podemos evitar um aquecimento acima 2ºC. Se não, vamos chegar a um ponto de não-retorno e provavelmente passaremos os 5ºC.

Por outras palavras, até os otimistas neste momento acham que estamos à beira de um aquecimento global catastrófico descontrolado. Que o momento para agir com urgência é agora.


Se ainda não o fizeram, podem subscrever aos novos conteúdos aqui!

Traduzido do original
Beyond the Point of No Return — Imminent Carbon Feedbacks Just Made the Stakes for Global Warming a Hell of a Lot Higher
, publicado por Robertscribbler em http://robertscribbler.com/ a 2 de dezembro de 2016.

Estes conteúdos são traduzidos e/ou legendados por voluntários motivados pelo desejo de facilitar o conhecimento a todos e assim melhorar as nossas vidas. Qualquer pessoa pode fazer o mesmo.
Para iniciar ou sugerir uma tradução, clique aqui.
Standard
Temperaturas elevadas anormais no Ártico em Novembro
Robertscribbler

Para O Oceano Ártico Acima de 80 Norte, Ainda é Verão em Novembro

Vai ser o ano mais quente já registado – por uma grande margem. Basta perguntar a Gavin Schmidt da NASA, a qual a Administração Trump de negação da mudança climática colocou agora em risco. Mas numa região — o Ártico — a taxa de acumulação de calor tem sido escandalosamente extrema. E é aí que este novo recorde de aquecimento poderia causar alguns dos piores danos a um sistema Terra cada vez mais frágil.

Calor de Verão Durante o Outono Acima de 80 Norte

Para o Oceano Ártico acima da linha de latitude a 80 graus norte que circunda a crista do nosso mundo, as temperaturas hoje estão cerca de 17 graus Celsius acima da média. Estas são as mais elevadas temperaturas para esta região já registadas. E elas incluem várias localizações onde as temperaturas atingiram picos bem acima de 20ºC mais quente do que a média.

Comparação da temperatura ao longo do ano entre a média 1958-2002 e 2016

Temperaturas acima da linha de latitude de 80 graus norte em meados de novembro são quase iguais ao que normalmente se espera para o fim do verão. Este aquecimento recorde no Ártico é notavelmente grave e poderia produzir sérios impactos meteorológicos e climáticos a curto prazo. Fonte da imagem: DMI

Considerada no total, esta região — a qual inclui o Pólo Norte — está atualmente a experienciar temperaturas que normalmente iria ver a partir de 15 de setembro até 21 de setembro. Por outras palavras, está tão quente agora, a 14 de novembro na zona em torno do Pólo Norte, quanto normalmente estaria durante a última semana de verão.

Não seria tão mau se as temperaturas tivessem simplesmente disparado para novas máximas neste dia em particular como parte de uma variação louca da temperatura. Infelizmente, as leituras, em vez disso, permaneceram consistentemente elevadas durante todo o outono. Elas levitaram para fora da variação média da linha de base de 1958-2002 durante a maior parte dos 80 dias. E como as temperaturas se mantiveram perto das médias do fim do verão ou início de outono, a diferença em relação ao normal (representada pela linha verde no gráfico acima) continuou a intensificar-se ao longo de novembro. Essa manutenção a longo prazo de temperaturas altas corre o risco de produzir alguns impactos duradouros graves, tanto no Ártico como no ambiente global.

O Grande Buraco Vermelho do Pólo Norte

A variação de temperaturas que vemos agora não é nada menos que assombrosa e, para este observador em particular, aterrorizante. Um enorme buraco foi aberto no coração daquilo que deveria ser o pilar do frio de inverno. E se não se recompuser em breve, irá ter alguns sérios efeitos consequentes sobre o clima, incluindo piores mudanças atmosféricas de circulação, eventos climáticos cada vez mais extremos, os impactos nas estações de crescimento agrícola, impactos no gelo do mar, impactos no gelo da Groenlândia, e os impactos na vida do Ártico e além.

Temperaturas elevadas anormais no Ártico em Novembro

Hoje, grandes áreas do Oceano Ártico são esperadas que vejam as temperaturas atingirem 20 C mais quente do que o normal. Estas temperaturas são tão altas que secções recentemente cobertas de gelo vão, durante os próximos cinco dias, experienciar temperaturas entre -2 C e 0 C – ou quentes o suficiente para produzirem um derretimento temporário. Uma tal condição nunca foi testemunhada na medida em que é agora tão tarde no ano. Um sinal claro de que o aquecimento global está a começar a morder mais fundo do que esperávamos. Fonte da imagem: Climate Reanalyzer). Notem — o mapa mostra desvios de temperatura acima [desvio para o vermelho] e abaixo [desvio para o azul] da, já mais quente do que o normal, média da linha de base 1979-2000.

Este calor de outono recorde parece fazer parte de um cenário cada vez mais dominante do tipo “morte do inverno” relacionado com o aquecimento global causado pelo homem. E a menos que as temperaturas no Ártico voltem para a linha de base muito em breve, estamos em risco cada vez maior de atingir alguns pontos de inflexão de mudança de estado. Em particular, estes giram em torno de uma perda do gelo do Oceano Ártico a prazo mais curto do que o esperado. Um evento que podia acontecer este ano se experienciarmos um inverno anormalmente quente seguido por um verão quente semelhante ao último – mas que muitos especialistas esperam que seja adiado até 2030. Uma alteração que, a longo prazo, sob a queima continuada de combustíveis fósseis presentemente promovida pela Administração Trump, basicamente remove o inverno como estação praticamente por completo (pelo menos como a conhecemos).

Espero sinceramente que vejamos um retorno às condições de temperatura de linha de base no Ártico em breve. Mas à medida que os dias passam, isso parece cada vez menos provável. Ventos quentes continuam a fluir do [simple_tooltip content=’‘ bubblewidth=’700’]Barents[/simple_tooltip] e do [simple_tooltip content=’‘ bubblewidth=’547’]Bering[/simple_tooltip]. E os centros das regiões mais frias do Hemisfério Norte estão bem deslocadas para a Sibéria e a Gronelândia. Se esta situação continuar, as implicações para o gelo marinho de verão em 2017 podem ser bem duras (mais sobre isso na publicação que se segue). E é no ponto em que atingimos estados de verão sem gelo no Oceano Ártico que algumas alterações regionais, hemisféricas e globais muito radicais (as quais produzem efeitos ainda piores do que alguns dos maus resultados que já temos visto) estarão bem encaminhadas.

Traduzido do original
For The Arctic Ocean Above 80 North, It’s Still Summer in November
, publicado por Robertscribbler em http://robertscribbler.com/ a 14 de novembro de 2016.

Estes conteúdos são traduzidos e/ou legendados por voluntários motivados pelo desejo de facilitar o conhecimento a todos e assim melhorar as nossas vidas. Qualquer pessoa pode fazer o mesmo.
Para iniciar ou sugerir uma tradução, clique aqui.
Standard