Crescimento das Emissões Globais de Dióxido de Carbono
Sam Carana

CO₂ Mensal a Não Menos de 400 ppm em 2016

Pelo terceiro ano consecutivo, as emissões globais de dióxido de carbono de combustíveis fósseis e da indústria (incluindo a produção de cimento) quase não cresceram, como a imagem do Global Carbon Project em baixo mostra:

Crescimento das Emissões Globais de Dióxido de Carbono

Contudo, os níveis de CO₂ têm continuado a subir e, como ilustrado pela tendência na imagem em baixo, poderão até ter acelerado.

Níveis de dióxido de carbono em crescimento apesar de não haver aumento das emissões

Porque têm os níveis de CO₂ na atmosfera continuado a subir apesar do facto de que as emissões da queima de combustíveis fósseis e da produção de cimento quase não terem aumentado nos últimos anos?

Desmatamento e outras alterações no uso dos solos

Durante a década de 2006 a 2015, as emissões provenientes do desmatamento e outras mudanças no uso do solo acrescentaram outra 1,0 ± 0,5 GtC (3,3 ± 1,8 GtCO₂), em média, às emissões de combustíveis fósseis e cimento representadas acima. Em 2015, de acordo com o Global Carbon Project, o desmatamento e outras mudanças no uso do solo acrescentaram outras 1,3 GtC (ou 4,8 bilhões de toneladas de CO₂), em cima das 36,3 bilhões de toneladas de CO₂ emitido pelos combustíveis fósseis e pela indústria. Este aumento nas emissões por desmatamento e outras mudanças no uso do solo constitui um aumento significativo (42%) sobre as emissões médias da década anterior, e este salto foi em grande parte causado por um aumento nos incêndios florestais ao longo dos últimos anos.

Por conseguinte, os níveis de CO₂ na atmosfera continuaram o seu crescimento constante. Em 2016, os níveis médios mensais globais de CO₂ não estiveram abaixo de 400 ppm. Foi a primeira vez que isso aconteceu em mais de 800.000 anos.

Níveis de CO2 acima dos 400ppm em 2016

Em 2016, pela primeira vez em pelo menos 800.000 anos, os níveis médios mensais globais de CO₂ não estiveram abaixo de 400 ppm.

Enquanto sobem, os níveis de CO₂ globais flutuam com as estações do ano, normalmente atingindo a um mínimo anual em agosto. Em agosto de 2016, os níveis de CO₂ atingiram um mínimo de 400,44 ppm, ou seja, bem acima de 400 ppm. Em setembro de 2016, os níveis de dióxido de carbono tinham subido novamente, para 400,72 ppm. Importante notar, uma tendência está contido nos dados a apontar para um nível de CO₂ de 445 ppm no ano de 2030.

Sensibilidade

Entretanto, um estudo por Friedrich et al. atualiza as estimativas do IPCC para a sensibilidade ao aumento do CO2, concluindo que as temperaturas poderiam aumentar tanto quanto 7.36°C em 2100 como resultado do aumento dos níveis de CO₂.

Quando tendo outros elementos que não o CO2 mais em conta, a situação parece ainda pior que isto, ou seja, o aumento global da temperatura poderia ser tanto quanto 10°C na próxima década, como descrito na página extinção.

Sequestro de carbono em terra
Dissipadores de carbono e variação do sequestro de carbono ao longo dos anos.

Perturbação do ciclo global de carbono causada pelas atividades antropogénicas, estimadas globalmente para a década de 2006-2015(GtCO2/ano)

A imagem acima mostra também um aumento do sequestro de carbono em terra ao longo dos anos, o qual um estudo recente atribui a níveis mais elevados de CO₂ na atmosfera. Embora este aumento do dissipador de carbono em terra pareça ter travado um aumento mais forte da temperatura por algum tempo, há indícios de que este dissipador de terra já está a diminuir.

Porque é que o sequestro de carbono em terra está a diminuir?

  • Práticas agrícolas, tais como o esgotar das águas subterrâneas e aqüíferos, arar, mono-culturas e o corte e queima de árvores para criar gado pode reduzir significativamente o teor de carbono dos solos.
  • O salto recente na temperatura global parece ter danificado severamente os solos e a vegetação através de eventos climáticos extremos, como tempestades de granizo, relâmpagos, inundações, ondas de calor, secas, tempestades de areia e incêndios florestais, e a erosão associada, transformando partes daquilo que foi uma vez um enorme reservatório de sequestro de carbono em terra em fontes de emissões de dióxido de carbono. Pior ainda, tais eventos climáticos extremos também podem levar a novas emissões, incluindo fuligem, óxido nitroso, metano, e monóxido de carbono, que por sua vez podem causar aumentos de ozono ao nível do solo, o que enfraquece ainda mais a vegetação e torna as plantas mais vulneráveis ​​a pragas e infestações.
  • Tal como um estudo de 2009 avisou, temperaturas mais elevadas também podiam causar uma redução na transpiração pelas copas das árvores, devido a estômatos das plantas menos amplamente abertos e o resultante aumento da resistência estomática em concentrações mais elevadas de dióxido de carbono na atmosfera. Como resultado, a cobertura de nuvens baixas está a diminuir na maior parte da superfície da terra, reduzindo albedo planetário e fazendo com que mais radiação solar alcance a superfície, e assim elevando ainda mais a temperatura para além do nível de viabilidade para muitas espécies.
Conclusão

Em conclusão, embora as emissões de CO₂ dos combustíveis fósseis e da indústria possam mal ter crescido, os níveis de gases de efeito estufa estão a aumentar progressivamente, se não mesmo a acelerar. Ao mesmo tempo, os eventos climáticos extremos estão em ascensão e há outros fatores que contribuem para fazer com que o sumidouro de carbono em terra diminua de tamanho. Para além disso, o IPCC parece ter subestimado a sensibilidade ao aumento de CO2.

Temperaturas a aumentarem

Como resultado, não se pode esperar que as temperaturas descerão dos seus níveis actualmente muito elevados, como ilustrado na imagem abaixo.

Meses que Estiveram Acima de 1.5ºC

Esteve mais do que 1.5ºC mais quente do que no período pré-industrial durante 9 dos 12 meses entre outubro de 2015 e setembro de 2016.

As temperaturas estão a aumentar particularmente rápido no Ártico, como ilustrado pela imagem em baixo, mostrando subidas da temperatura até 10.2°C no Ártico em outrubro de 2016.

Subidas da temperatura anormais no Ártico

O gráfico da DMI em baixo mostra a temperatura média diária e o clima a norte do paralelo 80, como função do dia do ano.

Comparação da temperatura ao longo do ano entre a média 1958-2002 e 2016

Comparação da temperatura média em cada dia do ano. Linha vermelha representa 2016 até 15 de Novembro. Linha verde representa a média de 1958-2002 para cada dia do ano.

Previsão para 19 de novembro de 2016: O Ártico vai estar tanto quanto 7,42ºC mais quente do que em 1979-2000, como ilustrado na imagem em baixo.

temperatura distancia-se da média no Ártico, anomalia de 7ºC

Outro reflexo de um mundo cada vez mais quente, a extensão combinada do gelo marinho do Ártico e da Antártida está atualmente num mínimo recorde. A 12 de novembro de 2016, a extensão global combinada de gelo do mar foi de apenas 23.508 mil km².

Gelo no Ártico e na Antártida com extensões mínimas para a altura do ano.

A extensão do gelo marinho no Ártico está a aumentar, onde o Inverno está a chegar, enquanto que na Antártida a extensão do gelo está a diminuir, onde está a chegar o Verão. Em ambos os polos o gelo está num recorde baixo para a época do ano.

Duas imagens, criadas por Wipneus com dados de NSIDC, foram adicionadas a seguir para ilustrar ainda mais a situação.

Extensão global do gelo do mar plurianual

A imagem acima mostra a extensão do gelo marinho global ao longo dos anos, enquanto que a imagem abaixo mostra a área total do gelo marinho global ao longo dos anos. Para mais quanto à diferença entre extensão e área do gelo, vejam esta página da NSIDC.

gelo marinho área global de ano para ano

Alguns dos resultados do dramático declínio global do gelo do mar são:

  • Enormes quantidades de luz solar que foram refletidas anteriormente de volta para o espaço são agora, em vez disso, absorvidas pelos oceanos.
  • O declínio do gelo marinho faz com que seja mais fácil que água quente do mar chegue debaixo dos glaciares e acelere o seu fluxo para a água.
  • Mais águas abertas resulta em tempestades mais fortes, provocando chuvas e continuação do declínio da cobertura de neve e gelo.
  • A continuação do declínio da cobertura de neve e gelo na Gronelândia e Antártida, por sua vez ameaça provocar um aumento da libertação de metano da Gronelândia e da Antártida, como descrito em publicações anteriores como esta.

A situação é terrível e apela a uma ação abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Traduzido do original Monthly CO₂ not under 400 ppm in 2016 de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 13 de Novembro de 2016..

Estes conteúdos são traduzidos e/ou legendados por voluntários motivados pelo desejo de facilitar o conhecimento a todos e assim melhorar as nossas vidas. Qualquer pessoa pode fazer o mesmo.
Para iniciar ou sugerir uma tradução, clique aqui.
Anúncios
Standard
Reservatório de CO2 da Amazónia emite dióxido de carbono (CO2) em vez de absorver
Robertscribbler

Reservatórios de Carbono em Crise – Amazónia Emite CO2

Reservatórios de Carbono em Crise — Parece que a Maior Floresta Tropical do Mundo está a Começar a Sangrar Gases de Efeito Estufa

Já em 2005, e novamente em 2010, a vasta floresta amazónica, que tem sido adequadamente descrita como os pulmões do mundo, perdeu brevemente a sua capacidade de absorver dióxido de carbono atmosférico. As suas árvores stressadas pela seca não estavam a crescer e respirar o suficiente para, no saldo final, remover carbono do ar. Incêndios rugiram através da floresta, transformando árvores em gravetos e libertando o carbono armazenado na sua madeira de volta para o ar.

Estes episódios foram as primeiras vezes que a Amazónia foi documentada como tendo perdido a sua capacidade de absorver carbono atmosférico numa base líquida. A floresta tropical tinha-se tornado no que é chamado de neutra em carbono. Por outras palavras, lançou tanto carbono quanto absorveu. Os cientistas viram isso como uma espécie de coisa séria.

Este Verão, um desligar semelhante parece estar a acontecer de novo na Amazónia. Uma seca severa está novamente a stressar as árvores enquanto ventila os incêndios numa maior intensidade do que em 2005 e 2010. Medidas de satélite anteriores parecem indicar que algo ainda pior pode estar a acontecer – a floresta tropical e as terras que habita estão agora a ser tão duramente atingidas por uma combinação de seca e fogo que a floresta está a começar a sangrar carbono de volta. Este repositório gigantesco e antigo de carbono atmosférico parece ter, pelo menos ao longo dos últimos dois meses, se transformado numa fonte de carbono.

Reservatório de CO2 da Amazónia emite dióxido de carbono (CO2) em vez de absorver

(Níveis elevados de dióxido de carbono, na faixa de 410 a 412 partes por milhão, e de metano na atmosfera sobre a floresta tropical da amazónia durante Julho e Agosto de 2016 é um indicador preliminar de que a grande floresta pode estar, durante esse período, a comportar-se como uma fonte de carbono. Fonte da imagem: Observatório Copernicus).

Reservatórios de Carbono Não Conseguem Acompanhar

Embora a história da mudança climática forçada pelos humanos comece com a queima de combustíveis fósseis, a qual expele o dióxido de carbono que retêm o calor na atmosfera, infelizmente, não termina aí. À medida que essa queima provoca o aquecimento da Terra, coloca pressão sobre os lugares que, em circunstâncias normais, removem o carbono da atmosfera. Os oceanos, florestas boreais, e as grandes florestas equatoriais, absorventes de carbono, todos sentem a picada daquele calor. Este aquecimento faz com que os oceanos sejam menos capazes de segurar o carbono nas suas águas próximas da superfície e desencadeia secas e incêndios que podem reduzir a capacidade de uma floresta de absorver esse carbono.

No contexto do ciclo global de entrada e remoção de carbono da atmosfera da Terra, os oceanos e as florestas grandes e saudáveis ​​servem para absorver os gases de efeito estufa. Chamamos-lhes reservatórios de carbono, e ao longo dos últimos 10.000 anos da nossa época atual, o Holoceno, eles ajudaram a manter esses gases e, por extensão, as temperaturas da Terra, relativamente estáveis.

Porque é que os reservatórios de carbono são importantes

(Sem a capacidade das florestas, solos e oceanos de absorverem carbono — de atuarem como reservatórios de carbono — o CO2 atmosférico global já teria subido bem acima das 500 partes por milhão em 2009 devido à queima de combustíveis fósseis. Estes dissipadores de carbono são um fator útil atenuante do insulto das emissões de carbono humanas, mas se ficarem muito stressados, podem, em vez disso, tornar-se em fontes de carbono. Fonte da imagem: IPCC / CEF).

Contudo, já há muito tempo agora que as emissões de combustíveis fósseis pelos humanos superaram em muito a capacidade dos reservatórios de carbono do mundo de removerem o excesso de carbono e manterem os níveis de gases de efeito estufa estáveis. Apesar de estes reservatórios terem captado mais da metade do grande volume de carbono emitido pela queima de combustíveis fósseis, a porção total de CO2 que retêm o calor aumentou de 280 ppm para mais de 400 ppm. Os oceanos acidificaram à medida que aguentavam a nova sobrecarga de carbono. E as florestas absorveram este carbono mesmo enquanto lutavam contra a expansão da desflorestação. Como resultado de todo o excesso de carbono atualmente na atmosfera, a Terra aqueceu mais de 1 grau Celsius acima dos níveis de 1880. E combinado com o já forte stress imposto pela agricultura de corte raso e de queimada, o calor adicional é uma grande pressão sobre um recurso global essencial.

O Aquecimento Global Leva ao Desligar dos Dissipadores de Carbono, ou pior, Torna-os em Fontes

Neste contexto trágico de calor, seca, acidificação dos oceanos e desmatamento, parece que o período de graça que os dissipadores de carbono da Terra nos deram para nos organizarmos e agirmos em conjunto sobre o aquecimento global está a chegar ao fim. O aquecimento da Terra de forma tão significativa como temos feito está a causar que estes dissipadores comecem a quebrar — a serem capazes de remover menos carbono, como foi o caso com a floresta amazónica em 2005 e 2010. Nestes pontos no tempo, o reservatório era neutro em carbono. Já não nos forneciam o serviço útil de retirar o carbono da atmosfera e armazená-lo nas árvores ou no solo. Mas, mais preocupante, em 2016, parece que a Amazónia também pode estar a começar a contribuir com carbono de volta para a atmosfera.

Níveis elevados de metano na Amazónia

(Leituras de metano de superfície sobre a Amazónia elevadas em excesso com 2.000 partes por bilhão é uma assinatura de seca e incêndio. É também um sinal de que a floresta tropical durante este período estava a emitir mais carbono do que estava a receber. Fonte da imagem: O Observatório Copernicus).

Após cada um destes breves períodos de insucesso em baixar o carbono em 2005 e 2010, o reservatório de carbono da Amazónia ligou-se novamente e começou a funcionar por um tempo. Mas em 2015 e 2016, temperaturas globais recorde tinham novamente provocado uma seca terrível na região amazónica. De acordo com oficiais da NASA, a nova seca foi a pior desde pelo menos 2002 e estava a desencadear condições de incêndio piores do que em 2005 e 2010 – as últimas vezes em que o dissipador de carbono da Amazónia se desligou. Em Julho de 2016, o Guardian reportou:

Condições de seca severa no início da estação seca, criaram a base para o risco de incêndio extremo em 2016 por todo o sul da Amazónia”, disse Morton num comunicado. Os estados brasileiros do Amazonas, Mato Grosso e Pará estão declaradamente em maior risco.

Pela previsão de incêndios na Amazónia da NASA, o risco de incêndio florestal para Julho a Outubro excede agora o risco ede 2005 e 2010 – a última vez que a região experimentou uma grave seca e os incêndios assolaram grandes áreas da floresta tropical. Até agora, a Amazónia tem visto mais incêndios em Junho de 2016 do que em anos anteriores, o que os cientistas da NASA dizem foi outro indicador de uma temporada de incêndios potencialmente difícil.”

Incêndios florestais no brasil e Amazónia a 5 de Agosto de 2016

(Incêndios florestais extensos sobre sul da Amazónia e Brasil coincidem com picos atmosféricos aparentes de metano e CO2. Um indicador de que o reservatório de carbono da Amazónia está a experienciar um novo período de fracasso. Fonte da imagem: LANCE MODIS).

Ao mesmo tempo que a seca e os incêndios relacionados começavam a rasgar através da Amazónia, os monitores de carbono atmosférico como o Observatório Copérnico estavam a apanhar o sinal de um pico de carbono sob a Amazónia com níveis de metano superiores a 2.000 ppb (o que muitas vezes é uma assinatura de seca e incêndios florestais) e níveis de dióxido de carbono na ordem dos 410 a 412 ppm. Era um pico comparável àqueles das regiões industriais do mundo como o leste da China, os EUA e a Europa.

Em contexto, esses picos de carbono da Amazónia estão a ocorrer num tempo de aumentos recorde de CO2 atmosférico. Durante os primeiros sete meses de 2016, o aumento médio de CO2 em relação a 2015 foi de 3,52 ppm. A taxa global de aumento de CO2 de 2015 na ordem dos 3,1 ppm de um ano para o outro foi o aumento anual mais rápido já registado pela NOAA e o Observatório Mauna Loa. Até agora este ano, a taxa de ganho atmosférico deste gás chave do efeito de estufa continua a aumentar — isto no contexto de picos de carbono sobre uma região que devia estar a retirar CO2, não a emiti-lo.

Traduzido do original Carbon Sinks in Crisis — It Looks Like the World’s Largest Rainforest is Starting to Bleed Greenhouse Gasses, publicado por Robertscribbler em http://robertscribbler.com/ a 5 de Agosto de 2016.

Standard
Paul Beckwith

Onde Estamos – Um Resumo do Sistema Climático, por Paul Beckwith

Sugerimos a leitura de “Onde Estamos – Um Resumo do Sistema Climático, por Paul Beckwith” no site Aquecimento Global: A Mais Recente Ciência Climática
 

Ar

A presença de GEE (gases de efeito estufa) na atmosfera é vital para sustentar a vida no nosso planeta. Estes gases de efeito estufa prendem o calor e mantêm a temperatura média de superfície global do planeta em cerca de 15°C, em comparação com uns gélidos -18°C, o que seria a nossa temperatura sem os gases de efeito estufa.

Nós alterámos a composição química da atmosfera, especificamente das concentrações dos gases de efeito estufa. As concentrações de dióxido de carbono aumentaram cerca de 40% desde o início da revolução industrial (de uma variação curta entre 180 e 280 ppm durante pelo menos os últimos milhão de anos) para 400 ppm. As concentrações de metano aumentaram em mais de 2,5 vezes desde o início da revolução industrial (de uma variação curta de 350-700 ppb) para mais de 1.800 ppb. O calor adicional detido tem aquecido o nosso planeta em mais de 0,8°C ao longo do século passado, com a maior parte desse aquecimento (0,6°C) a ocorrer nas últimas 3 a 4 décadas.

Oceanos

Mais de 90% do calor detido na superfície do planeta está a aumentar a temperatura da água no oceano. O aumento dos níveis de dióxido de carbono na atmosfera acidificam a precipitação, e aumentaram a acidez dos oceanos em cerca de 40% nas últimas 3 a 4 décadas (o PH do oceano aberto caiu de 8,2 para 8,05 na escala logarítmica). Uma queda acentuada para um PH de 7,8 impedirá que conchas com base em cálcio se formem e ameaçará toda a cadeia alimentar do oceano. Mudanças nas correntes oceânicas e os perfis verticais de temperatura estão a levar a uma maior estratificação e menos revolvimento, o que é necessário para o transporte de nutrientes para a superfície para que o fitoplâncton prospere.

Os níveis do mar globais estão atualmente a aumentar a uma taxa de 3,4 mm por ano, em comparação com uma taxa de cerca de 2 mm por ano algumas décadas atrás. As taxas de derretimento na Gronenlândia duplicaram nos últimos 4 a 5 anos, e as taxas de derretimento na Península Antárctica aumentaram ainda mais rápido. Com base nas últimas décadas, as taxas de derretimento tiveram um período de duplicação de cerca de 7 anos. Se esta tendência continuar, podemos esperar um aumento do nível do mar próximo de 7 metros em 2070.

Aumento da média global do nível do mar, prevista em 2,5 metros até 2040. Dados da NASA / GSFC com referência a 7/7/2014 e curva exponencial polinomial adicionada por Sam Carana para o Arctic-news.blogspot.com

Aumento da média global do nível do mar, prevista em 2,5 metros até 2040. Dados da NASA / GSFC com referência a 7/7/2014 e curva exponencial polinomial adicionada por Sam Carana para o Arctic-news.blogspot.com

Terra

As temperaturas médias globais mais elevadas aumentaram a quantidade de vapor de água na atmosfera em cerca de 4% ao longo das últimas décadas, e cerca de 6% desde o início da revolução industrial. Mudanças na distribuição de calor em latitude, resultantes do aquecimento desigual em latitude, desaceleraram as correntes de jato o que causou que se tornassem mais onduladas e fraturadas, e alteraram as estatísticas do tempo. Agora temos eventos climáticos extremos com maior frequência, intensidade e tempo de duração e também uma mudança nos locais onde ocorrem esses eventos.

Ciclos de Feedback

A sensibilidade do sistema climático ao aumento dos níveis de gases de efeito estufa parece ser muito maior do que o anteriormente esperado, devido a muitos feedbacks [mecanismos de retroacção] de reforço poderosos.

O Albedo é o efeito de reflexão da luz solar. Com o derretimento do gelo e da neve, diminui o efeito de Albedo e a quantidade de superfície escura e absorvente de calor é maior. 90% da radiação solar é reflectida pela superfície da água quando coberta de gelo e neve, mas apenas 6% é reflectido após o gelo derreter e a água encontrar-se a descoberto.

O Albedo é o efeito de reflexão da luz solar. Com o derretimento do gelo e da neve, diminui o efeito de Albedo e a quantidade de superfície escura e absorvente de calor é maior. 90% da radiação solar é reflectida pela superfície da água quando coberta de gelo e neve, mas apenas 6% é reflectido após o gelo derreter e a água encontrar-se a descoberto.

A amplificação da temperatura do Ártico pelo declínio exponencial do gelo do mar e da cobertura de neve primaveril são os feedbacks mais fortes no nosso sistema climático hoje. O albedo (refletividade) médio da região do Ártico diminuiu de 52% para um valor atual de 48% ao longo de 3 ou 4 décadas. O aumento da absorção de energia no Ártico tem aumentado a temperatura nas latitudes altas em taxas de até 6 a 8 vezes a da mudança da temperatura média global. A diferença de temperatura reduzida entre o Ártico e o Equador reduziu a velocidade na direcção oeste-leste das correntes de jato, tornando-as mais lentas, onduladas e fraturadas, e causando diretamente uma grande mudança nas estatísticas das nossas condições meteorológicas globais.

As emissões de gás metano têm vindo a aumentar rapidamente na região do Ártico a partir do permafrost terrestre e dos sedimentos marinhos da plataforma continental, principalmente na ESAS (Eastern Siberian Arctic Shelf) [Placa Continental do Ártico a Este da Sibéria]. A capacidade extremamente potente do metano para aquecer o planeta (o potencial de aquecimento global, GWP, é de 150, 86, e 34 vezes maior para o metano em relação ao dióxido de carbono numa escala de alguns anos, várias décadas, e um século, respectivamente) torna o aumento das emissões um risco extremamente perigoso para o nosso bem-estar no planeta.

A Minha Avaliação Geral

O nosso sistema climático está atualmente a passar por estágios preliminares de uma mudança climática abrupta. Se permitido continuar, o sistema climático do planeta é bem capaz de passar por um aumento da temperatura média global de 5°C a 6°C numa década ou duas. Precedência de mudanças numa taxa tão elevada podem ser encontradas inúmeras vezes nos paleo-registos. Da minha cadeira, concluo que é vital que cortemos as emissões de gases de efeito estufa e passemos por um programa intensivo de engenharia climática [ geoengenharia ] para resfriar a região do Ártico e manter o metano no seu lugar na permafrost e nos sedimentos oceânicos.

Paul Beckwith

Paul Beckwith

Artigo original em Arctic-news.blogspot.com por…
Paul Beckwith é professor a tempo parcial com o laboratório de paleoclimatologia e climatologia, Departamento de Geografia, Universidade de Ottawa. Paul ensina climatologia / meteorologia e faz pesquisa de doutorado em “Mudança Climática Abrupta no Passado e Presente”. Paul possui um Mestrado em física de laser e um Bacharel. em física de engenharia e alcançou o ranking de mestre de xadrez numa vida anterior. 

Standard