Anomalia da Temperatura Média Mensal Global L-OTI NASA
Sam Carana

Quanto Aquecimento Foi Causado Pelos Humanos?

Diferenças na Linha de Base

As diferenças na linha de base (período de referência) podem resultar em diferenças dramáticas na elevação da temperatura. O conjunto de dados HadCRUT4 do Met Office do Reino Unido normalmente apresenta anomalias de temperatura em relação a uma linha de base 1961-1990. A NASA usa tipicamente uma linha de base 1951-1980, mas o site da NASA permite que diferentes linhas de base possam ser selecionadas. Ao seleccionar uma linha de base 1961-1990, as temperaturas durante os 6 meses que passaram estiveram 1,05°C (1,89°F) mais elevadas em relação a esta linha de base, conforme mostrado pelo mapa da NASA no painel da esquerda da imagem abaixo. Como o mapa no painel direito da imagem abaixo mostra, quando comparado com 1890-1910, as temperaturas subiram 1,48°C (ou 2.664°F).

Anomalia da temperatura global comparado as linhas de base 1961-1990 e 1890-1910

De Novembro de 2015 a Abril de 2016 esteve 1.05°C (1.89°F) mais quente do que em 1961-1990 (mapa à esquerda) e 1.48°C (ou 2.664°F) mais quente do que 1890-1910 (mapa à direita)

Uma tendência polinomial pode reduzir a variabilidade como a causada por vulcões e eventos El Niño. O gráfico abaixo foi criado com a anomalia da temperatura média mensal global de superfície pelo índice L-OTI (índice de temperatura dos continentes mais oceanos) da NASA, o qual tem uma linha de base 1951-1980, e depois com 0,29°C adicionados, o que faz a anomalia de 0°C no ano de 1900 para a tendência polinomial adicionada.

Anomalia da Temperatura Média Mensal Global L-OTI NASA

Isto dá-nos uma ideia do quanto as temperaturas subiram desde o ano de 1900, com um aumento para ambos Fevereiro e Março de 2016 a revelar que foi de mais de 1,5°C. A tendência aponta para anomalias de temperatura que serão superiores a 1,5°C dentro de uma década, e mais do que 2°C logo a seguir.

Temperaturas Históricas

Para calcular quanto aquecimento os seres humanos causaram desde os tempos pré-industriais, é preciso irmos ainda mais atrás no tempo. O gráfico abaixo mostra que as concentrações de dióxido de carbono variaram entre cerca de 180 ppm e 280 ppm ao longo dos últimos 800.000 anos e que recentemente atingiram um pico de 411 ppm (pico da média horária a 11 de Maio de 2016).

Concentrações de dióxido de carbono (CO2) núcleos de gelo e medidas até 2016

Dados de concentração de dióxido de carbono (CO2) em núcleos de gelo, anteriores a 1958, e o CO2 atualmente medido no observatório de Mauna Loa desde 1958, no pico da média horária a 11 de Maio de 2016

O gráfico em baixo, de uma publicação anterior, mostra como, no passado, ao longo dos últimos 420.000 anos, as temperaturas (e os níveis de CO2 e CH4) variaram em cerca de 10°C, de acordo com os ciclos de Milankovitch.

Temperatura, dióxido de carbono, metano, valores históricos

Historicamente, os aumentos de dióxido de carbono de 100 ppm têm andado de mãos dadas com os aumentos da temperatura de cerca de 10°C. O recente aumento das concentrações de dióxido de carbono é um aumento de 131 ppm (de cerca de 280 ppm a 411 ppm). O aumento das concentrações de metano é ainda mais acentuado. Podemos, assim, contar que aconteça um aumento da temperatura em mais de 10°C, e em caso afirmativo, em quanto tempo isso poderia acontecer? Como descrito em baixo, o aquecimento causado por seres humanos pode resultar num aumento de temperatura de mais de 10°C (18°F) dentro de uma década.

O gráfico à direita, criado por Jos Hagelaars, mostra que, durante o ciclo mais atual, as temperaturas atingiram um pico à cerca de 7000 anos atrás (na parte azul do gráfico). Temperaturas ao longo de milhares de anos

O gráfico abaixo, baseado no trabalho de Marcott et al., centra-se nesta parte azul do gráfico, usando uma linha de base de 1961-1990. As temperaturas atingiram um pico há cerca de 7000 anos, e depois desceram para atingirem um mínimo algumas centenas de anos atrás.Variação da temperatura em 10.000 anos

As temperaturas de pico e de mínimos (destacado a vermelho na imagem) durante aquele período sugerem uma queda de mais de 0,7°C.

Umas poucas centenas de anos atrás, as temperaturas estavam a cair e teriam continuado em queda, em linha com os ciclos de Milankovitch, se não tivesse havido o aquecimento causado por humanos.

A partir desse ponto baixo, as temperaturas subiram primeiro cerca de 0,4°C, oprimindo a tendência de queda que teria, de outro modo, levado temperaturas ainda mais para baixo, e então houve um aumento adicional de pelo menos 1,05°C, quando se utiliza uma base de 1961-1990. Isso pode sugerir que os seres humanos causaram um total de 1,45°C de aquecimento.

Os Seres Humanos Causaram Ainda Mais Aquecimento

A situação parece ser ainda pior do que o que os números acima poderão sugerir. Na verdade, o ponto mais baixo no gráfico Marcott teria sido ainda mais baixo se não tivesse havido aquecimento por parte dos seres humanos.

As temperaturas antes de 1900 já eram mais elevadas do que teriam sido se não tivesse havido aquecimento causado pelo homem. O facto de que os seres humanos causaram um aquecimento substancial entre 1800 e 1900 é ilustrado pelo gráfico abaixo, a partir de uma publicação recente por Michael Mann, que acrescenta que cerca de 0,3°C do efeito estufa já tinham acontecido entre o ano de 1800 e o ano de 1900.

Aquecimento causado pela revolução industrial em 1900

Uns 0.3 C de aquecimento por efeito estufa já havia acontecido em 1900, e uns 0.2 C de aquecimento em 1870

Os humanos também causaram um aquecimento substancial bem antes de 1800. Um exemplo de aquecimento causado por humanos antes de 1800 é apresentado na pesquisa por Dull et al., a qual sugere que a queima das florestas neotropicais aumentou de forma constante nas Américas, atingindo um pico no tempo em que os europeus chegaram no final do século XV. Em 1650, cerca de 95% da população indígena tinha morrido. A regeneração de florestas levou ao sequestro de carbono de cerca de 2 a 5 pentagramas de carbono (Pg C), contribuindo assim para uma queda no dióxido de carbono atmosférico registado em núcleos de gelo da Antártida durante os anos de cerca de 1500 até 1750.

O Acordo de Paris

Os dados da NASA sugerem que o aquecimento já é de 1,48°C (ou 2,664°F) mais elevado do que em 1890-1910. Note-se que a linha de base de 1890-1910 é muito mais tarde do que os tempos pré-industriais. O Acordo de Paris comprometeu-se a limitar o aumento da temperatura a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais. Em terra no Hemisfério Norte, estava 1,99°C (ou 3.582°F) mais quente (mapa à direita na imagem abaixo).

Temperatura L-OTI e de superfície (em terra) entre ovembro 2015 e Abril 2016 mais elevada no hemisfério norte

As imagens acima representam apenas um semestre, logo elas são apenas indicativas do aumento total para o ano de 2016. No entanto, quando se tem em conta o aquecimento causado pelas pessoas antes de 1900, o ano de 2016 parece destinado a ultrapassar os limites de segurança que o Acordo de Paris havia se comprometido a não serem ultrapassados. A situação parece ainda pior quando se considera que as temperaturas medidas em núcleos de gelo já incluíam uma quantidade substancial do aquecimento pelos seres humanos mesmo antes do início da Revolução Industrial.

Limites do Acordo de Paris ultrapassados em Fevereiro de 2016No Acordo de Paris, os países comprometeram-se a manter o aumento da temperatura média global a menos de 2°C acima dos níveis pré-industriais e de perseguirem esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais.

Quando olhamos para um único mês, Fevereiro de 2016 esteve 1,67°C (3°F) mais quente do que 1890-1910 (ver imagem à direita). Ao adicionar uns meros 0,34°C para contar com o aquecimento antes de 1900, o aquecimento total em Fevereiro de 2016 ultrapassou de facto os 2°C. Olhando dessa forma, os limites de segurança estabelecidos em Paris em Dezembro de 2015 já foram ultrapassados em Fevereiro de 2016.

Situação

Então, qual é a situação? Por um lado, há o aumento da temperatura atualmente observado (ΔO). Este aumento é tipicamente calculado como a diferença entre a temperatura atual e a temperatura a uma dada linha de base.

Contudoo, este ΔO não reflete o impacto total das emissões humanas. Temperaturas teria sido inferior se não houvesse emissões por seres humanos. O impacto total de aquecimento devido às emissões das pessoas, portanto, é ∆E. Este ∆E é maior do que o aumento observado que é frequentemente utilizado, uma vez que a linha de base teria sido inferior sem o aquecimento causado por seres humanos.

Ao mesmo tempo, parte do aquecimento global causado pelas pessoas está mascarado devido as emissões de aerossóis (∆A). Tais emissões de aerossóis resultam principalmente da queima dos combustíveis fósseis e biomassa. Não há dúvida de que tais emissões deviam ser reduzidas, mas a verdade é que o aumento da temperatura atual pode aumentar substancialmente, digamos em metade, quando o efeito de mascaramento desaparece.

Assim, o aquecimento total (desmascarado) causada pelos seres humanos é a soma destes dois, ou seja, ∆E + ∆A, e a soma podia ser tão elevada quanto 3°C ou mesmo mais do que 5°C.

Além disso, há um aumento futuro da temperatura que já está cozido no bolo (∆F). Alguns feedbacks ainda não são muito visíveis, uma vez que algumas mudanças levam tempo para se tornarem mais evidentes, como o derretimento do gelo do mar e as mudanças não lineares devido a feedbacks que só agora estão a entrar em jogo. Além do mais, o efeito total das emissões de CO2 atinge o seu pico apenas uma década após a emissão e, mesmo com os melhores esforços, os seres humanos provavelmente ainda estarão a causar emissões adicionais durante a próxima década. Todos esses fatores em conjunto podem resultar num aumento de temperatura superior a ∆E + ∆A juntos, ou seja, o ∆F poderia, sozinho, causar um aumento de temperatura superior a 5°C no espaço de uma década.

Em resumo, o aquecimento total causado pelos humanos (∆E + ∆A + ∆F) poderia ser de mais do que 10°C (18°F) no espaço de uma década, assumindo que nenhuma geoengenharia terá lugar dentro de uma década.

A situação é terrível e apela a uma acção abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Traduzido do original How Much Warming Have Humans Caused? de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 28 de Maio de 2016.
Anúncios
Standard
Sam Carana

Clima no Ártico Derrete Recordes

Um Inverno e Primavera intensamente quentes estão a derreter os registos climáticos por todo o Alasca, relata a NOAA no post ‘Ártico Preparado para um Derretimento Recorde“. O período de janeiro a Abril de 2016 foi de 11,4°F (6,4°C) mais quente do que a média do século 20, relata a NOAA. A imagem da NOAA abaixo ilustra ainda mais a situação.

Derretimento e temperaturas recorde no Alasca

Abril: 33.3°F, +10°F, o Abril mais quente alguma vez registado. Janeiro-Abril: 21.7°F, +11.4°F (, o período Janeiro-Abril mais quente já registado. Diferenças/anomalias da temperatura em relação à média.

O gelo marinho está a derreter rapidamente. A água morna do Rio Mackenzie contribui para o degelo dramático no mar de Beaufort, como ilustrado pela imagem abaixo, mostrando que a 20 de Maio de 2016, o Oceano Ártico estava 5°F (2,8°C) mais quente do que em 1981-2011 no delta do rio Mackenzie.

Anomalia de temperatura elevada no Oceano Ártico no Alaska

A 20 de Maio de 2016 o Oceano Ártico esteve 5°F (2.5°C) mais quente do que a média de 1981-2011, perto do rio Mckenzie.Criado com imagens da NASA e nulschool.net por Sam Carana para o blogue Arctic-news.blogspot.com

A imagem abaixo mostra que a 20 de Maio de 2016, a extensão do gelo do mar era de 10.99 milhões de quilómetros quadrados, em comparação com os 12.05 milhões de quilómetros quadrados de extensão do gelo do mar a 20 de Maio de 2012, conforme medido pela JAXA.

Comparação da extensão do gelo do mar entre Maio 2016 e Maio de 2012

O gelo do mar chegou a uma extensão mínima recorde de 3,18 milhões de quilómetros quadrados a 15 de Setembro de 2012, e as chances são de que o gelo do mar irá praticamente desaparecer em Setembro de 2016.

O ano de 2016 é um ano de El Niño e a insolação durante os próximos meses de Junho e Julho é maior no Ártico do que em qualquer outro lugar na Terra. As temperaturas mais elevadas trazem um perigo aumentado de incêndios florestais [artigo traduzido]. Os gases de efeito estufa estão em níveis recordes: em Abril e Maio, o CO2 estava em cerca de 408 ppm, com picos em certas horas tão elevados quanto 411 ppm (a 11 de Maio de 2016 [artigo traduzido]). Os níveis de metano são elevados e crescentes, especialmente sobre o Ártico. O fumo e o metano estão a acelerar o derretimento do gelo do mar, como ilustrado a imagem abaixo mostrando fumo de incêndios florestais no Canadá a estender-se sobre o Mar de Beaufort (imagem principal), para além de níveis elevados de metano que estão presentes sobre o Mar de Beaufort (ver inserção).

Níveis elevados de fumo e metano no Ártico sobre o mar de Beaufort

O calor do oceano está também muito elevado e a aumentar. Os oceanos no Hemisfério Norte estiveram 0,93°C (ou 1,7°F) mais quentes [artigo traduzido] no período de 12 meses mais recente (Maio de 2015 a Abril de 2016) do que a média do século 20.

A imagem abaixo mostra a extensão do gelo do mar, medida pelo NSIDC, confirmando que o derretimento do gelo do mar em 2016 está muito à frente dos anos anteriores.

Extensão do gelo marinho a 20 de Maio pelo NSIDC

Aqui temos uma animação que compara as temperaturas da superficie do mar no Atlântico Norte entre 25 de Maio de 2015 e 25 de Maio de 2016.

A extensão do gelo do Ártico era de 10.7 milhões de km quadrados a 25 de Maio de 2016, 1.1 milhões de km quadrados menos do que a 25 de Maio de 2012, como a atualização em baixo mostra.

Extensão do gelo do mar no Ártico a 25 de Maio de 2016

A situação é clamitosa e apela a uma ação abrangente e efetiva, como descrito no plano climático.

Traduzido do original Arctic Climate Records Melting de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 21 de Maio de 2016.
Standard
O gelo do mar no Ártico com extensão muito reduzida poderá desaparecer aé Setembro,
Sam Carana

Gelo Marinho do Ártico irá Desaparecer até Setembro de 2016?

A imagem em baixo mostra que a extensão do gelo marinho no Ártico é muito baixa, muito menor do que o era noutros anos nesta época do ano. A 11 de Maio de 2016, a extensão do gelo marinho era de 12.328 milhões de km quadrados.
O gelo do mar no Ártico com extensão muito reduzida poderá desaparecer aé Setembro,

A imagem abaixo mostra que a extensão do gelo marinho no Ártico, a 9 de Maio de 2016, era de 11.680 mil km quadrados, mais de 18 dias de antecedência em relação a 2012 e 1,1 milhões de quilómetros quadrados menor do que no dia 9 de Maio de 2012.

Extensão indica que o degelo do gelo do mar no Ártico está 18 dias adiantado em relação a 2012

[Com base na imagem da JAXA]

Comparação da cobertura de neve e gelo em Beaufort e Alasca entre 2012 e 2016A imagem à direita compara o Mar de Beaufort e a parte norte do Alasca entre 9 de Maio de 2012 e 9 de Maio de 2016. Como a imagem mostra, há muito menos cobertura de gelo e neve agora do que havia em 2012.

A situação parece configurada para se deteriorar ainda mais nos próximos meses. A imagem abaixo mostra a previsão da temperatura a chegar a anomalias tão elevadas como 5,19°C ou 9,34°F para o Árctico como um todo (previsão para 19 de Maio de 2016, 03:00 UTC), com anomalias de temperatura na extremidade superior da escala previstas para o Alaska e a Sibéria Oriental.

Anomalia da temperatura prevista para o Ártico a 19 de Maio

Corrente de Jato com padrão ondulado influencia o tempoEstas anomalias de temperatura andam de mãos dadas com uma Corrente de Jato muito ondulada, como ilustrado pela imagem à direita, mostrando alças que se estendem até lá acima sobre o Oceano Ártico (em particular sobre o Mar de Beaufort), levando consigo o ar quente.

Ao mesmo tempo, a Corrente de Jato pode estender-se bem para sul noutros locais, fazendo com que o ar frio se mova para sul, para fora do Ártico.

O resultado é um Ártico em rápido aquecimento, o que por sua vez faz com que a Corrente de Jato fique ainda mais ondulada, como um de inúmeros feedbacks que estão a atingir o Ártico ao mesmo tempo.

Temperatura de superfície do mar sofre anomalias de 11°CA imagem à direita mostra que as temperaturas da superfície do mar perto de Svalbard estavam tão elevadas quanto 55°F (12,8°C) a 11 de Maio de 2016, uma anomalia de 21,2°F (11,8°C) em relação a 1981-2011. Por outras palavras, a temperatura da superfície do mar era de 1°C nesse ponto, de 1981 a 2011, e agora este local está 11,8°C mais quente.

A imagem abaixo compara as anomalias de temperatura da superfície do mar em relação a 1961-1990 entre 12 de Maio de 2015 e 12 de Maio de 2016.

Comparação da temperatura de superfície do mar entre Maio de 2015 e 2016

As temperaturas da superfície do mar no Oceano Ártico estão mais elevadas do que costumavam estar, em particular, no Estreito de Bering, no Mar de Beaufort, na Baffin Bay e no Mar de Kara.

A imagem abaixo mostra que, ao longo dos últimos 365 dias, o aquecimento sobre o Ártico tem sido muito mais forte do que em todo o resto do mundo. Anomalias da temperatura do ar de mais de 2,5°C (4,5°F) revelam-se sobre a maior parte do Oceano Ártico. Além disso, o gelo do Ártico está em má forma, o calor do oceano é muito elevado e está a subir, e temperaturas elevadas estão previstas atingir o Ártico durante a próxima semana. As chances são de que o gelo do mar irá, em grande parte, desaparecer, até Setembro de 2016.

Ártico muito mais quente em relação ao ano passado e anos anteriores, o gelo poderá desaparecer até Setembro de 2016

De Novembro de 2015 a Abril de 2016, as temperaturas globais sobre os continentes e os oceanos estavam de 1,48°C (ou 2.664°F) maiores do que em 1890-1910 (mapa da esquerda da imagem abaixo). Nos continentes, estavam 1,99°C (ou 3,582°F) mais quente (mapa direito da imagem abaixo).

temperaturas globais sobre os continentes e os oceanos muito elevadas e a aumentar entre 2015 e 2016
[ Clique nas imagens para ampliar ]

Uma vez que cerca de 0,3°C (0,54°F) do aquecimento por efeito estufa já havia ocorrido em 1900, o aquecimento estava bem acima da marca de segurança dos 1,5°C (ou seja, 2,7°F) que o Acordo de Paris tinha prometido não seria ultrapassado.

A situação é terrível e apela a uma acção abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Traduzido do original Arctic Sea Ice gone by September 2016? de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 13 de Maio de 2016.
Standard
Anomalia das temperaturas causam incêndios no Canadá e América do NorteAnomalia das temperaturas no Canadá e América do Norte
Ártico, Incêndios Florestais

Perigo de Incêndios Florestais Aumenta

Os incêndios florestais estão a começar na Colúmbia Britânica, Canadá. O incêndio florestal na imagem abaixo iniciou a 1 de Maio de 2016 (agradecimento a Hubert Bułgajewski).

Temperaturas e degelo no Ártico são os perigos associados aos Incêndios na Colúmbia Britânica

incêndios florestais agravam as ondas de calor e aceleram degelo no ÁrticoAs coordenadas do incêndio florestal estão no canto inferior esquerdo do mapa acima. Elas mostram um local onde, a 3 de Maio de 2016, estiveram 26,0°C (ou 78,8°F). Numa localização próxima, estiveram 27,6°C (ou 81,8°F) a 3 de Maio de 2016. Ambas as localizações estão indicadas no mapa à direita.

Esses locais estão no caminho seguido pelo Rio Mackenzie, que termina no Oceano Ártico. Os incêndios florestais agravam as ondas de calor já que tornam o solo preto com fuligem. À medida que o rio Mackenzie aquece, irá trazer água mais quente para o Oceano Ártico, onde irá acelerar o derretimento do gelo do mar.

Além disso, os ventos podem transportar fuligem bem lá para cima para o Ártico, onde pode assentar sobre o gelo do mar e escurecer a superfície, o que fará com que mais luz solar seja absorvida, em vez de refletida para o espaço como antes.

Anomalia das temperaturas no Canadá e América do NorteO perigo de incêndios florestais aumenta à medida que as temperaturas sobem. A imagem à direita mostra que as temperaturas nesta área, a 3 de Maio de 2016 (00:00 UTC), estavam no topo da escala, ou seja, 20°C ou 36°F mais quentes do que a média das temperaturas de 1979-2000.

Condições meteorológicas extremas estão a tornar-se cada vez mais comuns, à medida que ocorrem mudanças na corrente de jato. À medida que o Ártico aquece mais rapidamente do que o resto do mundo, a diferença de temperatura entre o Equador e o Pólo Norte diminui, o que por sua vez enfraquece a velocidade à qual a corrente de jato polar norte circunda o globo.

Corrente de Jato com padrão ondulado relacionado a eventos climatéricos extremosIsto é ilustrado pelos padrões ondulados da corrente de jato na imagem à direita, mostrando a situação a 3 de Maio de 2016 (00:00 UTC), com um laço a trazer ar quente para cima para a América do Norte e para o Ártico.

Em conclusão, o ar quente atingindo altas latitudes está a causar o derretimento do gelo do mar de várias maneiras:

  • O ar quente faz com que o gelo derreta, diretamente.
  • A água mais quente nos rios aquece o Oceano Ártico.
  • Incêndios florestais tornam a terra e gelo do mar pretos, fazendo com que mais luz solar seja absorvida, em vez de refletida para o espaço como antes.
Temperaturas no Ártico e América do Norte a 4 de Maio de 2016

Temperaturas no Ártico e América do Norte a 4 de Maio de 2016 – Clique nas imagens para ampliar.

A situação não parece melhorar em breve, como ilustrado pela imagem à direita. Após as elevadas temperaturas recordes que atingiram o mundo no início deste ano, as perspectivas para o gelo do mar parecem sombrias.

A continuação do declínio da cobertura de neve e gelo no Ártico parece destinada a fazer com que uma série de feedbacks [ou mecanismos de reforço ou realimentação] venham ainda com mais força, com a libertação de metano do fundo do mar do Oceano Ártico surgindo como um grande perigo.

Andrew Slater, cientista na NSIDC, criou o gráfico abaixo, de dias de graus de congelamento em 2016 em comparação com outros anos na Latitude 80°N. Consultem o site de Andrew e esta página para saberem mais.
Gráfico mostra um declínio no número de dias com temperaturas de congelamento no Ártico para 2016 em comparação com outros anos.

Em baixo está uma comparação de temperaturas e emissões para as duas localizações indicadas acima. Tais incêndios estão a tornar-se cada vez mais comuns com o aumento das temperaturas, e podem causar a libertação de grandes quantidades de dióxido de carbono, monóxido de carbono, metano, dióxido de enxofre, etc.

emissões pelos incêndios em Fort St John na Colúmbia Britânica

Emissões de dióxido de carbono, monóxido, enxofre e temperaturas nos incêndios em Fort St John, Colúmbia Britânica, Canada.

Incêndios em Fort McMurray, Alberta, Canadá. Emissões de Dióxido de carbono, monóxido de carbono, dióxido de enxofre e temperaturas.

Emissões de dióxido de carbono, monóxido, enxofre e temperaturas nos incêndios em Fort McMurray, Alberta, Canada.

No vídeo em baixo, Paul Beckwith discute a situação:

Entretanto, o Centro Nacional de Dados para Neve e Gelo (National Snow and Ice Data Center – NSIDC) resumiu as atualizações diárias quanto à extensão do gelo marinho com dados provisórios. A imagem em baixo data de 5 de Maio de 2016, veja aqui para atualizações.
Extensão de gelo marinho no Ártico a 5 de Maio com valor mínimo recorde para a altura do ano.

A situação é calamitosa e apela a uma acção abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Este artigo foi primeiramente publicado em AquecimentoGlobal.info, um site destinado a agregar a mais recente ciência sobre as alterações climáticas e o consequente aquecimento global. Traduzido do original Wildfire Danger Increasing de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 2 de Maio de 2016.

Outros blogues com publicações recentes sobre Alterações Climáticas em Português:

Incêndio em Alberta, Canadá, Pára Produção nas Areias Betuminosas

em aquecimentoglobal.info/

Standard
Teperaturas e degelo no Ártico são os perigos associados aos Incêndios na Colúmbia Britânica
Sam Carana

Perigo de Incêndios Florestais Aumenta

Os incêndios florestais estão a começar na Colúmbia Britânica, Canadá. O incêndio florestal na imagem abaixo iniciou a 1 de Maio de 2016 (agradecimento a Hubert Bułgajewski).

Temperaturas e degelo no Ártico são os perigos associados aos Incêndios na Colúmbia Britânica

incêndios florestais agravam as ondas de calor e aceleram degelo no ÁrticoAs coordenadas do incêndio florestal estão no canto inferior esquerdo do mapa acima. Elas mostram um local onde, a 3 de Maio de 2016, estiveram 26,0°C (ou 78,8°F). Numa localização próxima, estiveram 27,6°C (ou 81,8°F) a 3 de Maio de 2016. Ambas as localizações estão indicadas no mapa à direita.

Esses locais estão no caminho seguido pelo Rio Mackenzie, que termina no Oceano Ártico. Os incêndios florestais agravam as ondas de calor já que tornam o solo preto com fuligem. À medida que o rio Mackenzie aquece, irá trazer água mais quente para o Oceano Ártico, onde irá acelerar o derretimento do gelo do mar.

Além disso, os ventos podem transportar fuligem bem lá para cima para o Ártico, onde pode assentar sobre o gelo do mar e escurecer a superfície, o que fará com que mais luz solar seja absorvida, em vez de refletida para o espaço como antes.

Anomalia das temperaturas no Canadá e América do NorteO perigo de incêndios florestais aumenta à medida que as temperaturas sobem. A imagem à direita mostra que as temperaturas nesta área, a 3 de Maio de 2016 (00:00 UTC), estavam no topo da escala, ou seja, 20°C ou 36°F mais quentes do que a média das temperaturas de 1979-2000.

Condições meteorológicas extremas estão a tornar-se cada vez mais comuns, à medida que ocorrem mudanças na corrente de jato. À medida que o Ártico aquece mais rapidamente do que o resto do mundo, a diferença de temperatura entre o Equador e o Pólo Norte diminui, o que por sua vez enfraquece a velocidade à qual a corrente de jato polar norte circunda o globo.

Corrente de Jato com padrão ondulado relacionado a eventos climatéricos extremosIsto é ilustrado pelos padrões ondulados da corrente de jato na imagem à direita, mostrando a situação a 3 de Maio de 2016 (00:00 UTC), com um laço a trazer ar quente para cima para a América do Norte e para o Ártico.

Em conclusão, o ar quente atingindo altas latitudes está a causar o derretimento do gelo do mar de várias maneiras:

  • O ar quente faz com que o gelo derreta, diretamente.
  • A água mais quente nos rios aquece o Oceano Ártico.
  • Incêndios florestais tornam a terra e gelo do mar pretos, fazendo com que mais luz solar seja absorvida, em vez de refletida para o espaço como antes.
Temperaturas no Ártico e América do Norte a 4 de Maio de 2016

Temperaturas no Ártico e América do Norte a 4 de Maio de 2016 – Clique nas imagens para ampliar.

A situação não parece melhorar em breve, como ilustrado pela imagem à direita. Após as elevadas temperaturas recordes que atingiram o mundo no início deste ano, as perspectivas para o gelo do mar parecem sombrias.

A continuação do declínio da cobertura de neve e gelo no Ártico parece destinada a fazer com que uma série de feedbacks [ou mecanismos de reforço ou realimentação] venham ainda com mais força, com a libertação de metano do fundo do mar do Oceano Ártico surgindo como um grande perigo.

Andrew Slater, cientista na NSIDC, criou o gráfico abaixo, de dias de graus de congelamento em 2016 em comparação com outros anos na Latitude 80°N. Consultem o site de Andrew e esta página para saberem mais.
Gráfico mostra um declínio no número de dias com temperaturas de congelamento no Ártico para 2016 em comparação com outros anos.

Em baixo está uma comparação de temperaturas e emissões para as duas localizações indicadas acima. Tais incêndios estão a tornar-se cada vez mais comuns com o aumento das temperaturas, e podem causar a libertação de grandes quantidades de dióxido de carbono, monóxido de carbono, metano, dióxido de enxofre, etc.

emissões pelos incêndios em Fort St John na Colúmbia Britânica

Emissões de dióxido de carbono, monóxido, enxofre e temperaturas nos incêndios em Fort St John, Colúmbia Britânica, Canada.

Incêndios em Fort McMurray, Alberta, Canadá. Emissões de Dióxido de carbono, monóxido de carbono, dióxido de enxofre e temperaturas.

Emissões de dióxido de carbono, monóxido, enxofre e temperaturas nos incêndios em Fort McMurray, Alberta, Canada.

No vídeo em baixo, Paul Beckwith discute a situação:

Entretanto, o Centro Nacional de Dados para Neve e Gelo (National Snow and Ice Data Center – NSIDC) resumiu as atualizações diárias quanto à extensão do gelo marinho com dados provisórios. A imagem em baixo data de 5 de Maio de 2016, veja aqui para atualizações.
Extensão de gelo marinho no Ártico a 5 de Maio com valor mínimo recorde para a altura do ano.

A situação é calamitosa e apela a uma acção abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Traduzido do original Wildfire Danger Increasing de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 2 de Maio de 2016.
Standard
Sam Carana

Temperatura de Março

Anomalia da temperatura mensal global para Março 2016

A imagem em cima mostra anomalias da temperaturas mensal global terra-oceano (a vermelho) e apenas-terra (a preto) em comparação com a média do período de 1951 a 1980.

No Acordo de Paris, os países comprometeram-se em fortalecer a resposta global à ameaça das alterações climáticas ao travarem o aumento da temperatura média global em menos de 2°C acima dos níveis pré-industriais e fazerem esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais.

Para se ver o quanto as temperaturas subiram em relação aos níveis pré-industriais, uma comparação com o período 1951-1980 não nos dá o quadro todo. A imagem em baixo, criada pela selecção de um raio de alisamento de 1200 km, mostra que o aumento da temperatura global desde 1890-1910 foi de 1,58°C ou 2.84°F.

Anomalia da temperatura terra-mar em Março de 2016

O aumento de temperatura é ainda maior quando se olha para medições de estações apenas em terra. A imagem abaixo compara a temperatura de Março de 2016 com o período de 1890-1910 (250km de suavização), mostrando uma anomalia de temperatura apenas em Terra de 2,42°C ou 4,36°F.

anomalia de temperatura em terra de 2,42°C ou 4,36°F para Março de 2016

Tendo em conta que as temperaturas já haviam aumentado em cerca de 0,3°C (0,54°F) antes de 1900, isto acrescenta a um aumento total da temperatura, em terra, em Março de 2016, de 2,72°C (4,9°F) desde o início da revolução industrial .

No Hemisfério Norte, houve um aumento de temperatura ainda mais dramático em terra. Em Março de 2016, em terra, no Hemisfério Norte, esteve 4,9°F ou 2,72°C mais quente do que a média do século 20, como ilustrado pela imagem abaixo.

Temperatura em terra no hemisfério norte para Março 2016

Esteve 2,72°C mais quente do que a média do século XX, se considerarmos a temperatura nos continentes no Hemisfério Norte, durante Março de 2016.

Quanto desse aumento pode ser atribuído ao El Niño? Uma maneira de responder a esta pergunta é adicionando uma tendência polinomial, como na imagem abaixo, mostrando que as temperaturas já tinham subido 2°C em Março de 2015, enquanto aponta para um aumento de 4°C até Março de 2030 e 10°C antes o ano de 2050.

Quanto do aumento da temperatura pode ser atribuido ao El Nino?

A linha de tendência também mostra uma diferença de temperatura de cerca de meio grau Celsius entre a média do século 20 e o ano de 1900. Tendo em conta que as temperaturas já haviam aumentado em cerca de 0,3°C (0,54°F) antes de 1900, isto acrescenta a um aumento total da temperatura em terra, no Hemisfério Norte, em Março 2016 de 3,52°C ou 6,34°F desde o o início da revolução industrial.

Dados da NOAA mostram que em Março de 2016 esteve 2,33°C ou 4,19°F mais quente globalmente em terra do que a média do século 20. Quando comparado com as temperaturas por volta do ano de 1900, esteve ainda mais quente.

Em fevereiro de 2016, dados da NASA mostram que esteve 2,33°C ou 4,19°F mais quente em terra (com 1200 km de alisamento) do que em 1890-1910, enquanto esteve 2,48°C ou 4,46°F mais quente, para um raio de suavização de 250km, para os dados de apenas-terra. Numa publicação anterior, um aumento de 2,3°C em Fevereiro de 2016 foi usado como um dos vários elementos que compõem o eventual aumento total que poderia suceder, nos continentes, até ao ano de 2026, assumindo que nenhuma geoengenharia ocorrerá (imagem abaixo).

Previsão do aumento da temperatura para 10 anos

Enquanto isso, o presente El Niño ainda está forte e a causar temperaturas muito altas, fazendo-nos indagar quão altas as temperaturas serão durante o próximo El Niño, o que poderia suceder daqui a uma década ou menos. A imagem abaixo mostra temperaturas elevadas em quatro locais no Sudeste Asiático a 20 de abril de 2016.

Temperaturas muito elevadas no Sudeste Asiático a 20 Abril

A situação é calamitosa e apela a uma ação abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Traduzido do original March Temperature de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 16 de Abril de 2016.
Standard
Anomalia da temperatura de superfície no Ártico em Abril de 2016
Sam Carana

Aquecimento Recorde no Ártico

A 3 de abril de 2016, a extensão do gelo marinho do Ártico estava num valor baixo recorde para a época do ano, informa a National Snow and Ice Data Center (NSIDC).

Extensão do gelo marinho no Ártico num recorde mais baixo

A imagem em baixo, criada a partir de uma imagem do site JAXA, dá-nos uma atualização quanto à extensão do gelo marinho.

Gelo marinho no Ártico com extensão mínima recorde

Para além da extensão do gelo do mar, a área do gelo do mar também é importante. Para mais sobre o que constitui “cobertura de gelo” e o que é extensão do gelo do mar (versus área do gelo do mar), consulte esta página de Perguntas Frequentes e Respostas da NSIDC.

A 2 de abril de 2016, a área de gelo no mar no Hemisfério Norte estava num valor baixo recorde para a época do ano, informa o Cryosphere Today.

A perda de área do Gelo marinho no Ártico está um mês adiantada

Em 2015 ainda havia mais área de gelo do mar do que há agora quando estávamos meio mês mais tarde (15 dias) no ano. Em 2012, ainda havia mais gelo marinho quando estávamos 25 dias mais tarde no ano. Por outras palavras, o declínio da área de gelo do mar está quase um mês adiantado em relação à situação em 2012.

Andrew Slater, cientista na NSIDC criou o gráfico em abaixo, de dias de graus de congelamento em 2016 em comparação com outros anos na Latitude 80°N. Vejam o site de Andrew e esta página para mais informação.

Número de dias com temperaturas de congelamento no Ártico em 2016

Anomalia no número de dias de congelamento, ou seja, dias com temperaturas abaixo de zero graus (a 2m de altitude), no Ártico (80ºN), para o 1º dia de cada mês comparado com a média de outros anos.

O Ártico aqueceu mais do que noutros lugares na Terra. As temperaturas de superfície ao longo dos últimos 365 dias estiveram mais de 2,5°C ou 4,5°F mais elevadas do que em 1981-2010.

Anomalia da temperatura de superfície no Ártico em Abril de 2016

A imagem abaixo compara a espessura do gelo do mar a 3 de abril para os anos de 2012, 2015 e 2016 (os paineis da esquerda, centro e direita, respectivamente).

Expessura do gelo marinho no Ártico comparada com anos anteriores

Idade do gelo do mar do Ártico caiu dramaticamente ao longo dos anosA espessura do gelo do mar caiu dramaticamente ao longo dos anos, como ilustrado na imagem à direita, do NSIDC, mostrando a idade do gelo do mar do Ártico para a semana de 4 a 10 de Março, desde 1985 a 2016.

As temperaturas elevadas que atingiram o Oceano Ártico ao longo dos últimos 365 dias fazem com que a aparência do gelo do mar no Ártico este ano não seja boa.

O El Niño ainda está forte com temperaturas elevadasComo ilustrado na imagem à direita, o presente El Niño ainda está forte, com temperaturas acima dos 100°F [37.7°C] registadas em três continentes.

O ano de 2016 já está a ganhar forma como o ano mais quente dos registos até agora.

As temperaturas parecem preparadas para subirem rapidamente nos próximos meses, no Hemisfério Norte em grande parte e no Ártico em particular.

A imagem em baixo mostra que durante um período de 90 dias de 13 de Janeiro a 11 de Abril de 2016, a maior parte do Oceano Ártico esteve mais do que 6°C (10.8°F) mais quente do que a média de 1981-2011.

Anomalia da temperatura no Ártico Janeiro a Abril 2016 em relação a 1981-2011

A imagem da DMI em baixo mostra o degelo recente na Gronelândia até 11 de Abril de 2016. Os mapas no painel da esquerda mostram áreas onde o derretimento ocorreu a 10 de Abril e 11 de Abril de 2016. O gráfico no painel direito mostra o degelo em 2016 (linha azul), em contraste com a média de 1990-2013 (o eixo vertical reflete a percentagem da área total do gelo onde o derretimento ocorreu).

Degelo na Gronelândia comparado com média de 1990-2013

Como um estudo recente confirma, os mantos de gelo podem conter enormes quantidades de metano na forma de hidratos e gás livre. Muito metano pode escapar devido ao derretimento e fratura durante as variações meteorológicas.

Temperaturas elevadas na Gronelandia e comparadas a 1979-2000O rápido degelo na Gronelândia parece que vai continuar. As previsões para 12 de Abril de 2016 à direita mostram anomalias das temperaturas no topo da escala (20°C ou 36°F)para a maior parte da Gronelândia e Bacia Baffin, enquanto o Ártico como um todo é atingido por uma anomalia da temperatura de mais de 5°C (mais de 9°F), comparado com 1979-2000.

Para além do mais, as temperaturas do oceano estão muito altas presentemente. Estas temperaturas elevadas, junto com a condição precáŕia do gelo do mar, fazem com que as chances sejam para que o gelo do mar tenha desaparecido na sua maior parte em Setembro.

Temperaturas anómalas no Ártico

A imagem à direita mostra as anomalias da temperatura de superfície acima da latitude 60°N a 4 de Abril de 2016.

A imagem em baixo mostra que, a 7 de Abril de 2016, a superfície do mar de Barrents esteve tão quente quanto 10.1°C ou 50.2°F, uma anomalia de 9.4°C ou 16.9°F a comparar com a média de 1981-2011 (na localização marcada pelo círculo verde em cima à direita), enquanto houveram anomalias tão elevadas quanto 11.3°C ou 20.3°F ao largo da costa da América do Norte (círculo verde à esquerda).

A linha branca mostra o percurso aproximado da corrente fria de saída, enquanto a linha vermelha mostra o percurso aproximado da corrente quente de entrada.

As temperaturas elevadas no Mar de Barrents dão indicação do calor do oceano a viajar em direção ao Oceano Ártico, enquanto que as anomalias de temperaturas elevadas na costa este da América do Norte dão indicação do calor que se está a acumular ali. Muito desse calor vai para o Oceano Ártico nos próximos meses.

Correntes quentes aumenta as temperaturas no Oceano Ártico

Temperaturas da superfície do mar elevadas no Pacífico em AbrilNo Pacífico, as anomalias da temperatura da superfície do mar em relação a 1981-2011 foram tão elevadas quanto 11.6°C ou 20.8°F perto do Japão a 11 de Abril de 2016 (ver imagem à direita), dando indicação da grande quantidade de calor adicional que existe agora nos oceanos do Hemisfério Norte. A perspectiva é que as temperaturas vão aumentar durante os próximos meses para níveis ainda mais elevados do que têm estado no último ano (vejam o post anterior sobre temperaturas em Junho de 2015 no Ártico).

O gelo do mar funciona como um tampão, absorvendo calor e mantendo a temperatura da água no ponto de congelamento. Sem um tal tampão, mais calor irá fazer com que a temperatura da água aumente rapidamente. Além disso, menos gelo do mar significa que menos luz solar é refletida de volta para o espaço e ao invés mais luz solar é absorvida pelo Oceano Ártico.

Estes são apenas alguns dos muitos mecanismos de realimentação que aceleram o aquecimento no Ártico. A água quente que atinge o fundo do mar do Oceano Ártico pode penetrar os sedimentos que podem conter enormes quantidades de metano na forma de hidratos e gás livre, desencadeando uma libertação abrupta de metano em quantidades gigantescas, escalando em aquecimento fugidio, e a posterior destruição e extinção em larga escala.

Numa escala de 10 anos, a libertação de metano no momento presente de todas as fontes antropogénicas já excede todas as emissões de dióxido de carbono como agentes de aquecimento; ou seja, as emissões de metano já são mais importantes do que as emissões de dióxido de carbono no conduzir do ritmo atual de aquecimento global.

A imagem em baixo mostra que o crescimento nos níveis de metano tem acelerado recentemente; uma linha de tendência aponta para um duplicar dos níveis de metano por volta do ano de 2040. Contrariamente ao dióxido de carbono,o potencial de aquecimento global do metano aumenta à medida que mais é libertado. O tempo de vida do metano pode ser estendido a décadas, em particular devido à depleção de hidróxilo na atmosfera.

Taxa de crescimento dos níveis de Metano

A situação é calamitosa e apela a uma acção abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Comentário de Albert Kallio:
Mais poderia ter sido adicionado do último relatório de Março sobre o gelo do mar do Ártico do National Snow and Ice Data Center (NSIDC), a visão geral da perda massiva de gelo do mar, porque o recorde mínimo de cobertura de neve e gelo está a coincidir com o recorde mínimo de cobertura de neve terrestre. A previsão do NSIDC de que devido às superfícies escuras terem aumentado tanto, levarão facilmente à perda de mais gelo marinho. De facto, a situação de 2016 é ainda pior do que o anterior recorde de 2012 quando a cobertura de neve era muito maior. O mesmo em 2007 quando a área do gelo marinho era ligeiramente menor, havia muito mais cobertura terrestre de neve. Para além disso, nem 2007 nem 2012 ocorreram durante um forte El Niño como o de 1998. O El Nino de 2015-2016 é o mais forte de sempre, acompanhado também pelo oceano Índico, Atlântico e Oceano do Sul em torno da Antártida, todos muito quentes. Por vezes as temperaturas da água do mar na Antártida estavam também elevadas levando ao segundo mais pequeno gelo marinho Austral de Verão a determinado ponto. A área do gelo do mar, também em torno da Antártida, tem estado mais pequena que a média na maior parte do tempo, apesar do aumento em água do degelo e salinidade reduzida – devido a temperaturas elevadas. Todos estes fatores adicionais deviam ser adicionados nas suas conclusões sem esquecer de mencionar que o calor adicionado ao sistema terrestre está a criar uma rutura no Vórtice Polar, à parte das correntes de jato terem começado a misturar-se em outros padrões de ventos atmosféricos. Notem também o fluxo aumentado de gelo marinho através do estreito de Fram devido à baixa viscosidade espacial do gelo marinho, que também resulta de uma maior ação das ondas, mistura vertical do oceano pelo vento, gelo marinho mais fino que se parte mais facilmente e colapsa, bem como por ser na sua maior parte gelo sazonal (contendo vestígios de sais que tornam as ligações químicas nos cristais de gelo mais fracas e frágeis, derretendo mais facilmente). – Albert Kallio

Traduzido do original Record Arctic Warming de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 5 de Abril de 2016.
Standard