Feedbacks climáticos como incêndios florestais impactam relação entre níveis de CO2 e emissões de CO2
Sam Carana

Feebacks Climáticos Começam a Entrar Mais em Cena

Secas e ondas de calor estão a colocar a vegetação sob uma pressão devastadora ao mesmo tempo que causam incêndios que resultam em desmatamento e perda de turfa em escala massiva, contribuindo para o recente aumento rápido nos níveis de dióxido de carbono.

Comparação dos níveis de CO2 com emissões de CO2 revela impacto de feedbacks climáticos

Vai levar uma década antes que estas elevadas emissões de dióxido de carbono recentes terão o seu impacto completo sobre o aquecimento. Além disso, enquanto o mundo faz progressos com os cortes necessários nas emissões de gases de efeito de estufa, isso irá também remover os aerossóis que têm, até agora, mascarado a ira completa do aquecimento global. Por implicação, sem ocorrer geoengenharia durante a próxima década, as temperaturas continuarão a subir, resultando em mais aumentos na abundância e intensidade das secas e incêndios florestais.

As temperaturas no Ártico estão a aumentar mais rápido do que em qualquer outro lugar. A imagem abaixo mostra que as águas do Ártico estão agora muito mais quentes do que em 2015. A 22 de Junho de 2016, a superfície do mar perto de Svalbard estava tão quente quanto 13,8°C ou 56,9°F (círculo verde), ou seja, 11,6°C ou 20.9°F mais quente que a média de 1981-2011.

temperaturas elevadas no mar no oceano Ártico

Os incêndios florestais podem libertar quantidades enormes de dióxido de carbono (CO2), monóxido de carbono (CO), metano e fuligem. A imagem em baixo mostra que a 23 de Junho de 2016, incêndios a norte do Lago Baikal causaram emissões tão elevadas quanto 22,953 ppb de CO e 549 ppm de CO2 na localização marcada com o círculo verde.

Incêndios florestais perto do Lago Baikal libertam enormes quantidades de CO2

O vídeo em baixo creado por Jim Reeve mostra uma animação com os níveis de monóxido de carbono em Maio de 2016.

Como quantidades crescentes de fuligem dos incêndios florestais assentam na cobertura de gelo e neve, a diminuição do albedo no Ártico irá acelerar. Além disso, ondas de calor estão a causar um aquecimento rápido dos rios que terminam no Oceano Ártico, acelerando ainda mais o seu aquecimento. E então, há um grande perigo de libertação de metano do fundo do mar do Oceano Ártico. Enquanto isso, o aumento das temperaturas também irá resultar em mais vapor de água na atmosfera, amplificando ainda mais o aquecimento.

À medida que mais energia permanece na biosfera, pode-se esperar que as tempestades aumentem de intensidade. A subida das temperaturas irá resultar em mais vapor de água na atmosfera (7% mais vapor de água por cada 1°C de aquecimento), amentando ainda mais o aquecimento e resultando em eventos de precipitação mais intensos, i.e. chuvas, inundações e relâmpagos.

Nuḿero de eventos diários de chuvas intensas bate recorde em 2015

Nuḿero de eventos diários de chuvas intensas bate recorde em 2015. De Lehmann et al.

Recentemente, a Virgínia Ocidental foi atingida por umas cheias devastadoras, matando pelo menos 26 pessoas e causando a evacuação de milhares de pessoas e danos enormes. As inundações também podem causar decomposição rápida da vegetação, resultando em grandes libertações de metano, como ilustrado na imagem em baixo que mostra uma forte presença de metano (cor magenta) a 39,025 pés ou 11.9 km ,a 26 de Junho (painel da esquerda), bem como aos 44,690 pés ou 13.6 km a 27 de Junho (painel da direita).

Libertação de metano resultante das inundações na Virgínia Ocidental revelada pelos níveis elevados de metano registados

Além do mais, plumas por cima das tempestades podem trazer vapor de água para a estratosfera, contribuindo para a formação de nuvens cirrus que prendem muito calor que de outro modo seria irradiado para o espaço. O número de eventos de relâmpagos pode ser esperado que aumente em cerca de 12% por cada 1°C de aumento da temperatura do ar global média. Entre 3 e 8 milhas de altitude, durante os meses de Verão, a actividade de relâmpagos aumenta tanto quanto 90% e o ozono em mais de 30%.

Em conclusão, os feedbacks (mecanismos de realimentação ou retroalimentação) ameaçam causar um aquecimento descontrolado, o que poderia fazer as temperaturas subirem mais de 10°C ou 18°F numa década.Neste momento, o derretimento dos mantos de gelo está a mudar a forma como a Terra oscila em torno do seu eixo, diz a NASA. Como Paul Beckwith discute no seu vídeo em baixo, as alterações também estão a ocorrer nas Correntes de Jato.

O perigo é que as alterações na oscilação do planeta irão desencadear terramotos massivos que irão desestabilizar os hidratos de metano e resultar em enormes quantidades de metano a entrarem abruptamente na atmosfera, como ilustrado na imagem em baixo.

Terra tornou-se Monopolo, com temperaturas elevadas no Ártico e baixas na Antártida

Perdemos o Ártico? Parece que a Terra já não tem dois Polos, mas tornou-se, em vez, num Monopolo, com apenas um Polo na Antártida. A 29 de Junho de 2016, as águas no Ártico (superfície do mar) estava tão quente quanto 15.8°C (60.5°F), ou 13°C (23.4°F) mais quente que a média de 1981-2011. Entretanto, as temperaturas de superfície na Antártida naquele dia eram tão baixas quanto -66.6°C (-87.8°F).

A situação é terrível e apela a uma acção abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Traduzido do original e atualizado a 6 de Julho de Climate Feebacks Start To Kick In More de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 25 de Junho de 2016.

Anúncios
Standard
Citação de Stephen Hawking sobre mudança climática, degelo e hidratos de metano no aquecimento global
Robertscribbler

Energias Renováveis ​​estão a Ganhar a Corrida Contra os Combustíveis Fósseis… Mas Não Rápido o Suficiente

“Temos que reverter o aquecimento global com urgência, se ainda pudermos.”

– Stephen Hawking

“O mundo é perigoso não por causa daqueles que fazem mal, mas por causa daqueles que olham para ele sem fazer nada.”

– Albert Einstein.

*****

Quer o percebamos quer não, fomos arrastados para uma corrida. Uma corrida contra o tempo para reduzir rapidamente as emissões de carbono, a fim de evitar a rampa de danos climáticos a caminho de uma quinta extinção por efeito de estufa. Pois a queima atual de combustíveis fósseis e as práticas contínuas de despejo de carbono na atmosfera a uma taxa de 13 bilhões de toneladas por ano é um insulto ao sistema climático global que provavelmente nunca foi visto antes em toda a história profunda do planeta Terra. E quanto mais rápido reduzirmos essas emissões a zero e a um líquido negativo, melhor.

Na parte inicial da corrida, há um fator que pode trazer o maior benefício geral – a taxa de adesão ás energias renováveis. Pois aumentar as energias renováveis a uma taxa elevada remove quota futura de mercado aos combustíveis fósseis, ao mesmo tempo que reduz as emissões, traz eficiências e enfraquece as receitas fósseis da indústria de combustível. Uma tal mudança sistémica enfraquece o poder económico e político das entidades destrutivas que têm, durante décadas, tentado trancar no sistema volumes cada vez maiores de emissões prejudiciais ao clima. E quando as ER começam a superar não apenas quotas do mercado futuro mas também mercados atuais de combustíveis fósseis, essa perda de poder e influência acelera.

Citação de Stephen Hawking sobre mudança climática, degelo e hidratos de metano no aquecimento global

Uma vez que os combustíveis fósseis começam a perder o controle sobre os sistemas políticos por todo o mundo, torna-se mais fácil de implementar outras políticas baseadas no consumo, como um imposto sobre o carbono ou outros desincentivos a um uso muito desperdiçador de recursos no topo do espectro económico por todo o mundo. Um renascimento energético deste tipo não é uma solução perfeita. Não pode deter todos os danos climáticos que vêm pelo cano a baixo. Mas sim que atinge fortemente o centro de gravidade de uma base de poder económico global corrupta e prejudicial que, se lhe deixassem, garantiria os piores efeitos de uma extinção por efeito de estufa num tempo muito curto – destruindo inevitavelmente a civilização humana e infligindo um ecocídio global no processo. Diminui o poder e o alcance dos atores mauzões do carbono. E abre caminhos para uma rampa de políticas de mitigação das alterações climáticas e de resposta mais poderosas no futuro.

Neste contexto de uma vontade de puxar o tapete de debaixo dos atores mauzões do carbono, parece que as taxas de adesão das ER estão a começar a atingir um nível que faz com uma tal mudança de poder político e económico seja possível.

Energia Renovável Adiciona Quase 150 GW em 2015, Apesar dos Preços Baixos de Combustíveis Fósseis e Políticas Contrárias em Alguns Países

Durante 2015, de acordo com um novo relatório pela REN21, a energia renovável adicionou 147 Gigawatts à capacidade total de geração mundial de eletricidade para atingir os 1.849 Gigawatts. Este grande salto veio mesmo quando os preços dos combustíveis fósseis caíram, as políticas adversas à adesão de energias renováveis dominaram em lugares como a Austrália e o Reino Unido, e o suporte global por subsídio aos combustíveis fósseis permaneceu a um nível quatro vezes maior do que o apoio governamental às energias renováveis. Fatores que mostram uma falta de compromisso séria para com a segurança da civilização humana, que levam a um crescimento mais lento da capacidade global de Energias Renováveis no intervalo de cerca de três por cento ao ano para todo o setor.

Christine Lins, Secretária Executiva da REN21, observou na Clean Technica que as os ganhos das energias renováveis ​ contra esta maré foram significativos e impressionantes:

“O que é verdadeiramente notável quanto a estes resultados é que eles foram alcançados numa altura em que os preços dos combustíveis fósseis estavam em mínimos históricos, e as energias renováveis ​​mantiveram-se numa desvantagem significativa em termos de subsídios governamentais. Para cada dólar gasto impulsionar as energias renováveis, quase quatro dólares foram gastos para manter a nossa dependência dos combustíveis fósseis.”

Taxas de crescimento de energia solar e eólica foram particularmente fortes. Ambas as tecnologias beneficiaram de preços que ganharam à geração de energia por gás, carvão e diesel num número crescente de mercados. A energia solar acrescentou 50 gigawatts (GW) de nova capacidade em 2015 — o que é um salto impressionante de 40 por cento sobre o valor adicionado em 2014. Quase que igualou o salto da energia eólica de 63 gigawatts — um aumento de cerca de 14 por cento sobre as adições de 2014 pela energia eólica. No total, a capacidade solar global é agora de 277 GW e a do vento de 433 GW.

Quota de energias renováveis no mercado global de produção energética

(As energias renováveis continuaram a ganhar terreno face às fontes de energia tradicionais, em 2015. A energia eólica e a energia solar juntas representam agora cerca de 5 por cento da geração mundial de eletricidade com a geração total por energias renováveis agora perto de 23,7 por cento. Fonte da imagem: Relatório de Status Global das Energias Renováveis​).

Como parte da geração mundial de eletricidade, as energias renováveis ​​cresceram cerca de 1 por cento de ano para ano entre 2014 e 2015 – saltando de 22,8 por cento para 23,7 por cento. Uma taxa de crescimento que superou o carvão e o gás em muitos mercados. Entretanto, o número de pessoas que estão agora empregadas no sector das energias renováveis ​​a nível global expandiu para 8,1 milhões.

99,2 Por Cento de todos os Novos Crescimentos na Potência Elétrica Norte-Americana Vieram de Fontes Renováveis ​Durante o Primeiro Trimestre de 2016

Seguindo para 2016, os EUA viram uns impressionantes 99,2 por cento de todas as adições de electricidade virem de fontes renováveis ​​durante o primeiro trimestre. Adicionando no geral cerca de 2,1 gigawatts de nova capacidade, dominada por energia eólica e solar.

O maior contribuinte para esses ganhos foi a energia solar residencial, que instalou 900 megawatts de nova capacidade. A queda dos custos dos clientes no mercado residencial estimulou esses ganhos até porque os incentivos estaduais e federais forneceram uma perspetiva ensolarada para aqueles que deram o mergulho solar do telhado. O arrendamento solar foi responsável por cerca de 60 por cento da nova capacidade. Mas uns saudáveis 40 por cento vieram de compras diretas. Taxas de compras solares têm beneficiado de acesso fácil a crédito e de um ambiente de política positiva em muitos estados (embora exceções como Nevada colocaram um peso na taxa nacional de adesão).

Porcentagem de energias reováveis na nova capacidade de geração de energia eléctrica nos Estados Unidos

Nova Capacidade de Geração de Energia Eléctrica nos Estados Unidos (1º Trimestre 2016) | Outros tipos de energia solar, eólica, solar à escala de companhia, biomassa, hídrica, gás natural, geotermal, calor de detritos, nuclear, carvão, petróleo, outros.

(Uns impressionantes 99,2 por cento de toda a nova capacidade de produção de electricidade veio de fontes renováveis ​​durante o 1º trimestre de 2016. Se formos sábios, trabalharemos para assegurar que toda a nova energia vem de fontes sem carbono daqui em diante. Fonte da imagem: Renewables — 99 Percent of New Electricity Capacity in the US During Q1.)

Estes acrescentos residenciais substanciais marcaram uma tendência contínua na qual permitem mais e mais aos proprietários individuais a escolha entre energia da companhia, contratos de aluguer solar, e propriedade individual de produção de energia. Uma nova liberdade que proporciona resiliência ao crescimento das energias renováveis por todos os EUA, desde que as políticas adversárias não sejam promulgadas (como vimos em Nevada, com as táticas violentas no processo político por Warren Buffet, numa tentativa de proteger o legado das explorações de carvão e gás ).

Entretanto, o vento adicionou 707 megawatts de nova potência e a utilidade de energia solar adicionou 522 megawatts. O gás, que manteve preços de combustível quase historicamente baixos, apenas acrescentou 18 megawatts. Juntos, esta imagem mostra que a resistência, com base na preocupação pelas alterações climáticas, a nova infra-estrutura de combustíveis fósseis tem-se combinado com a queda dos preços das renováveis ​​para empurrar a maioria das utilidades a optarem sair das novas infra-estruturas baseadas em carbono. Tendências maiores, como o plano de energia limpa de Obama, a Cimeira do Clima de Paris e as campanhas vigorosas de desinvestimento em combustível fóssil, anti-oleoduto, e anti-carvão lançadas pela 350.org e a Sierra Club, servem como um poderoso moral nas costas das ​​crescentes economias de energias renováveis. Uma combinação de ações governamentais e ONGs que gerou agora um nível decente de execução para a redução da dependência de combustíveis nocivos.

Taxa de adesão às energias renováveis nos Estados Unidos por sector

(Grandes adesões a renováveis ​​ultrapassaram o gás natural ano a ano enquanto o carvão viu grandes cortes. No geral, o uso da eletricidade dos EUA também esteve baixo. Fonte da imagem: Renewables — 99 Percent of New Electricity Capacity in the US During Q1.)

As diferenças de ano para ano na geração de energia desde o 1º trimestre de 2015 ao 1º trimestre de 2016 pintam um quadro bastante brilhante para aquilo que parece ser uma transição energética em curso nos Estados Unidos. A utilização de carvão em geral caiu 7,3 por cento para 28,6 por cento do total dos EUA. As energias renováveis ​​deram um salto de quase 3 por cento para 17,1 por cento do total dos EUA – ocupando quase metade da perda que vem do carvão. A maior parte do ganho em energias renováveis veio de energia eólica e solar, as quais saltaram de 5,2 para 7,2 por cento do total dos EUA. Em mais de 1 milhão de telhados e incluindo uma parte crescente da utilidade de geração de energia, a energia solar ultrapassou pela primeira vez o 1 por cento da geração de eletricidade dos Estados Unidos – um limite que muitos vêem como um ponto de inflexão para taxas de adesão em rampa . A geração de energia pela água adicionou cerca de outro 1 por cento. E arredondando as fontes de energia de não-carbono, a energia nuclear adicionou 1,2 por cento para aumentar para 20,9 por cento do total dos EUA (embora a adição de geração de energia nuclear tenha sido menor do que tanto a eólica como a solar, o seu total líquido afigurou-se favoravelmente ao longo de um período em que, em geral, o consumo de energia dos EUA caiu).

Conduzidos por quedas no uso líquido de carvão e petróleo num total combinado de 94.000 gigawatts hora, a geração de eletricidade dos EUA caiu mais de 50.000 gigawatt/hora – uma queda de quase 5 por cento. Isto dá continuação a uma tendência maior de abrandamento da procura de electricidade nos EUA — uma que tem sido impulsionada em parte pelo aumento de eficiência em toda a cadeia de energia elétrica. E o único sistema de energia baseada em combustíveis fósseis que mostrou ganhos de ano em ano foi o gás natural — que acrescentou um pouco mais de 19.000 gigawatt-hora. Um total que ficou atrás da adesão às renováveis ​​em cerca de 3.000 gigawatts-hora.

A tendência em os EUA é, portanto, surpreendentemente clara. Apesar dos preços historicamente baixos de carvão e gás, as energias renováveis ​​e a eficiência energética são agora a força dominante num mercado de eletricidade dos Estados Unidos que atualmente parece estar a fazer movimentos sólidos no sair de fontes de energia tradicionais à base de combustíveis fósseis.

Tendências Positivas, mas Ainda Demasiado Lentas

Para ser claro, estas são tendências muito positivas. Numa comparação entre o 1º trimestre de 2015 com o 1º trimestre de 2016, o uso de combustíveis fósseis para geração de energia nos Estados Unidos caiu de cerca de 67 por cento para 62 por cento. Mas 62 por cento ainda é uma maioria da base de produção de energia eléctrica dos EUA. E com a mudança climática já a chegar a extremos perigosos, o objetivo aqui devia ser o de empurrar a queima de combustíveis fósseis para electricidade nos EUA aléḿ do nível de 50 por cento e em direção a 0 por cento o mais rapidamente possível. Assim, para os EUA, que mostrou claramente uma liderança global no corte de combustíveis à base de carbono ao longo do último ano, ainda há um longo caminho pela frente. E o mundo, mesmo no contexto mais positivo de geração de eletricidade, ficou atrás da taxa de adesão a energia renovável pelos EUA em cerca de 50 por cento, enquanto o uso líquido de energia está a crescer (não a encolher).

No ponto em que estamos, a utilização de energia eléctrica não é todo o consumo de energia. E numa perspectiva global, adicionando o transporte, a energia renovável só conseguiu ganhar uma fatia adicional de 0,1 por cento do bolo global de energia (aumentando para 19,2 por cento). Este atraso deveu-se em grande parte ao crescente uso de petróleo nos transportes — que beneficiou de preços mais baixos. E embora o salto na demanda global de petróleo não tenha sido tanto quanto algumas partes interessadas nos combustíveis fósseis esperavam, conseguiu evitar um maior ganho líquido global no total de energia renovável global.

Preço energético nivelado comparando diferentes fontes de energia

(A queda dos preços LCOE das energias eólica e solar combinaram-se com a preocupação global quanto à mudança climática causada pelos humanos no empurrar das taxas de adoção de energia renovável, que sobem em rampa. Uma segunda onda de maior acesso ao mercado será necessariamente impulsionada pelos esforços políticos renovados juntamente com a queda dos preços de armazenamento de energia e uma invasão de nova produção de veículos elétricos chegando entre 2017 e 2022. Fonte da imagem: Commons).

Perspectivando o futuro, o mundo irá precisar de adicionar na faixa de 250 a 350 gigawatts de energia renovável por ano enquanto adotando rapidamente os veículos elétricos e as tecnologias de armazenamento de energia relacionadas, de modo a fornecer taxas anuais de aumentos das quotas de renováveis em excesso de 2 por cento, enquanto se corta no uso de combustíveis fósseis no setor de transportes. As sinergias entre os aumentos na produção de veículos elétricos e queda dos custos de baterias proporcionam um caminho para esta próxima fase de expansão de energia renovável. Pois os veículos eléctricos em garagens (EVs) podem atuar como dispositivos de armazenamento de energia com o software adequado, redes inteligentes, e comercialização de energia organizada. Enquanto isso, as baterias EV antigas podem ser readaptadas para dispositivos de armazenamento de energia de baixo custo em casas, empresas e nas utilidades, as quais podem ajudar na penetração de renováveis na rede de energia.

Os interesses especiais na indústria de combustíveis fósseis são susceptíveis de lutar contra esta fase de crescimento de energia renovável com tudo o que têm. Mas, até agora, eles praticamente não conseguiram tirar o renascimento das energias renováveis ​​na sua infância. Agora, enquanto se move para a adolescência, os riscos são maiores e o jogo é provável que fique ainda mais duro. Mas parece que, apesar de toda a oposição por parte de vários atores mauzões dos combustíveis fósseis, esse renascimento da energia crítico está no processo de se instalar. E dado o facto de que uma mudança climática causada pelo homem muito perigosa está a aumentar muito mais rapidamente do que o esperado, o impulso de construção de uma transição de energia não poderia acontecer cedo o suficiente.

Traduzido do original Renewables are Winning the Race Against Fossil Fuels — But Not Fast Enough, publicado por Robertscribbler em http://robertscribbler.com/ a 2 de Junho de 2016.

Standard
Pico nos niveis de metano a 25 fevereiro 2016
Sam Carana

Três Tipos de Aquecimento no Ártico

Sugerimos a leitura de “3 Tipos de Aquecimento no Ártico” no site Aquecimento Global: A Mais Recente Ciência Climática
 
O Ártico é propenso a sofrer de três tipos de aquecimento. Em primeiro lugar, o Ártico é atingido de forma particularmente forte pelas emissões, como discutido em posts anteriores como este e este.

Segundo, o aquecimento no Ártico está a acelerar devido aos feedbacks, como discutido na página sobre os feedbacks. Muitos desses feedbacks estão relacionados com a diminuição da cobertura de neve e gelo no Ártico, que por sua vez é agravada pelas emissões tais como fuligem.

Em terceiro lugar, o feedback mais perigoso é a libertação de metano a partir do fundo do mar do Oceano Ártico, devido aos hidratos serem desestabilizados à medida que o calor atinge os sedimentos.

Extensão de gelo no Ártico a 25 fevereiro 2016

No ano passado, o gelo do Ártico atingiu a sua extensão máxima a 25 de Fevereiro de 2015. Este ano, há muito menos gelo marinho no Ártico do que no ano passado. A diferença é de cerca de 300.000 km quadrados, mais do que o tamanho do Reino Unido.

Tipos de aquecimento no Ártico - feedbacks

O gelo do mar pode refletir até 90% da luz solar de volta ao espaço. Uma vez que o gelo derrete, contudo, a água do oceano reflete apenas 6% da radiação solar que entra e absorve o resto. Isto é representado na imagem acima como feedback # 1.

albedo

Como o professor Peter Wadhams, uma vez calculou, o aquecimento devido à perda de neve e de gelo do Ártico poderia mais que duplicar o aquecimento líquido causado agora por todas as emissões de todos os povos do mundo.

Peter Wadhams, mudança no Albedo e Aquecimento Global

O gelo do mar age como um atenuador que absorve o calor. Quando o gelo está a derreter, cada grama de gelo precisará de 334 Joules de calor para passar a água, enquanto a temperatura se mantém a 0° Celsius ou 32° Fahrenheit.

Uma vez que todo o gelo se transformou em água, todo o calor extra vai para o aquecimento da água. Para elevar a temperatura de um grama de água em um grau Celsius, então, serão necessários apenas 4,18 Joule de calor. Por outras palavras, a fusão do gelo absorve 8 vezes mais calor do que o necessário para aquecer a mesma massa de água de zero a 10°C. Isto é representado na imagem acima como feedback # 14.

O vídeo em cima, criado por Stuart Trupp, mostra como o calor adicionado ao início (A) vai principalmente aquecer a água que contém os cubos de gelo. A partir de cerca dos 38 segundos no filme, todo o calor começa a ir para a transformação dos cubos de gelo em água, enquanto que a temperatura da água não sobe (B). Mais de um minuto mais tarde, quando os cubos de gelo tiverem derretido (C), a temperatura da água começa a aumentar rapidamente outra vez.

O metano é um feedback adicional, descrito como feedback # 2 na imagem mais acima. Como a água do Oceano Ártico está a ficar cada vez mais quente, o perigo aumenta de que o calor irá chegar ao fundo do mar, onde pode desencadear a libertação de quantidades enormes de metano, num ciclo de feedback adicional que fará o aquecimento no Ártico acelerar e escalar num aquecimento descontrolado.

Os sedimentos debaixo do Oceano Ártico contém vastas quantidades de metano. Apenas uma parte do Oceano Ártico por si só, a Plataforma Continental da Sibéria (ESAS, veja o mapa abaixo), contém até 1.700 Gt de metano. A libertação repentina de menos de 3% dessa quantidade poderia adicionar 50 Gt de metano à atmosfera, e os especialistas têm alertado por muitos anos que eles consideram que uma tal quantidade está prestes a ser liberta a qualquer momento.

Niveis de metano atmosférico e em sedimentos

A figura acima dá-nos uma imagem simplificada da ameaça, mostrando que de uma carga total de metano na atmosfera de 5 Gt (entretanto é mais elevada), 3 Gt têm sido adicionadas desde a década de 1750, e esta adição é responsável por quase metade de todo o aquecimento global antropogénico. A quantidade de carbono armazenado em hidratos, globalmente, foi estimada em 1992 como sendo de 10.000 GT (USGS), enquanto que uma estimativa mais recente dá uma figura de 63.400 GT (Klauda & Sandler, 2005). Mais uma vez, a conclusão assustadora é que a Plataforma Continental da Sibéria (ESAS), sozinha, contém até 1700 Gt de metano sob a forma de hidratos de metano e gás livre contidos nos sedimentos, dos quais 50 Gt estão prestes a ser libertados abruptamente a qualquer momento.

Os sinais de aviso continuam a ficar mais fortes. Na sequência de uma leitura de um pico de metano de 3096 ppb [artigo em link em português] a 20 de Fevereiro de 2016, uma leitura de 3010 ppb foi registada na manhã de 25 de fevereiro de 2016, nos 586 mb (veja imagem abaixo).

Pico nos niveis de metano a 25 fevereiro 2016

Mais uma vez, este nível muito elevado foi provavelmente causado por metano proveniente do leito marinho do Oceano Ártico, numa localização na Cordilheira de Gakkel logo ao largo da Plataforma Continental Siberiana (ESAS – East Siberian Arctic Shelf), conforme discutido no post anterior. Esta conclusão é apoiada pelos níveis de metano em diferentes altitudes sobre a ESAS, como registado por ambos os satélites MetOp-1 e MetOp-2 no período da tarde, conforme ilustrado pela combinação de imagens abaixo mostrando os níveis de metano nos 469 mb.

Niveis de metano por satelite a 25 fevereiro 2016

A situação é calamitosa e apela a uma ação abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Links:

Mecanismos de Reforço Positivo (Feedbacks) no Ártico

Mudanças no Albedo no Ártico

Chegou a hora de espalhar a mensagem

Os níveis de gases de efeito estufa e as temperaturas continuam a aumentar

Área de gelo marinho no Ártico em recorde mínimo para a época do ano

A Máxima Extensão do Gelo Marinho Já Foi Atingida Este Ano?

Plano Climático

Traduzido do original Three kinds of warming in the Arctic de Sam Carana, publicado no blogue Arctic News, a 26 de Fevereiro de 2016.

Outros blogues com publicações recentes sobre Alterações Climáticas em Português:

Como um Titanic o El Nino Começa a Esmorecer, Que Problemas Frescos Trará um Mundo Quente Recorde?

em https://aquecimentoglobalde…

Standard
aumento da temperatura em 0,3°C até 1900
Sam Carana

Alterações Climáticas: Após o Acordo de Paris, Onde Ficamos?

Sugerimos a leitura de “Alterações Climáticas: Após o Acordo de Paris, Onde Ficamos?” no site Aquecimento Global: A Mais Recente Ciência Climática
 
No Acordo de Paris, os países comprometeram-se em fortalecer a resposta global à ameaça das alterações climáticas, mantendo o aumento da temperatura média global a menos de 2°C acima dos níveis pré-industriais e fazendo esforços para limitar o aumento da temperatura em 1,5°C acima dos níveis pré-industriais.

aumento da temperatura global 1,5C

Quanto é que as temperaturas já subiram? Como ilustrado pela imagem acima, dados da NASA mostram que, durante o período trimestral de setembro a novembro de 2015, estava ~ 1°C mais quente do que em 1951-1980 (ou seja, que a linha de base).

Uma tendência polinomial com base nos dados de 1880-2015 para estes três meses indica que um aumento de temperatura de 1,5°C em relação à linha de base será alcançado no ano de 2024.

Vamos verificar os cálculos. A linha de tendência mostra que estava ~ 0,3°C mais frio em 1900 comparado com a linha de base. Considerando o atual aumento em ~ 1°C, isso implica que desde 1900 houve um aumento de 1,3°C em relação à linha de base. Isto faz com que um outro aumento de 0,2°C até 2024, como indicado pela linha de tendência, resultaria num aumento conjunto em 2024 de 1,5°C em comparação com a linha de base.

Anomalia da temperatura de superfície nos continentes

A situação é ainda pior do que isso. O Acordo de Paris visa evitar um aumento de temperatura de 1,5°C acima dos níveis pré-industriais. Quando incluímos os aumentos de temperatura desde os níveis pré-industriais até o ano de 1900, torna-se evidente que já ultrapassámos um aumento de 1,5°C desde os níveis pré-industriais. Isto é ilustrado pela imagem acima, anteriormente adicionada a Quanto tempo resta para agir? (vejam as notas ali), e pelo gráfico em baixo, de uma publicação recente por Michael Mann, que acrescenta que um aquecimento de ~ 0,3°C por efeito de estufa já havia ocorrido por volta do ano de 1900.

aumento da temperatura em 0,3°C até 1900

Um aquecimento de ~ 0,3°C por efeito de estufa já havia ocorrido pelo ano de 1900.

Vamos adicionar as coisas novamente. Um aumento de ~ 0,3°C antes de 1900, um novo aumento de 0,3°C entre 1900 e a linha de base (1951-1980) e um novo aumento de ~ 1°C desde a linha de base até à data, juntos representam um aumento de ~ 1,6°C em relação aos níveis pré-industriais.

Por outras palavras, já ultrapassámos um aumento de 1,5°C em relação aos níveis pré-industriais em 0,1°C.

A linha de tendência indica que um novo aumento de 0,5°C terá lugar até ao ano de 2030. Ou seja, que sem uma ação abrangente e efetiva, ficará 2°C mais quente do que os níveis pré-industriais antes do ano de 2030.

O pior das emissões ainda está por vir.

A maior parte da ira de aquecimento global ainda está por vir e a situação é ainda mais ameaçadora do que na foto acima, pelas seguintes razões:

  1. Metade do aquecimento global tem até agora sido mascarado por aerossóis, particularmente os sulfatos que são emitidos quando alguns dos combustíveis fósseis mais sujos são queimados, como o carvão e combustível bunker. Enquanto fizermos a mudança necessária para a energia limpa, o efeito de mascaramento que vem com essas emissões irá desaparecer.
  2. Como Ricke e Caldeira salientam, o dióxido de carbono que é libertado agora, só atingirá o seu pico de impacto daqui a uma década. Por outras palavras, ainda estamos por experienciar toda a ira do dióxido de carbono emitido durante a última década.
  3. picos anormais de temperaturas

  4. A maior ameaça vem de picos de temperatura. Pessoas em algumas partes do mundo vão ser atingidas mais fortemente, especialmente durante os picos de verão, como discutido na próxima secção deste post. Enquanto as temperaturas sobem, a intensidade desses picos irá aumentar. A imagem à direita ilustra isso com uma previsão para 25 de Dezembro de 2015, mostrando o tempo extremo para a América do Norte, com temperaturas tão baixas como 30,6°F -0,8°C na Califórnia, e tão elevadas quanto 71,5°F ou 22°C na Carolina do Norte. [a 26 fizeram de facto 22°C na Carolina do Norte e 3°C na Califórnia].
  5. Mecanismos de reforço positivo como as rápidas mudanças de albedo no Ártico e as grandes quantidades de metano libertadas abruptamente do fundo do mar do Oceano Ártico, podem acelerar dramaticamente o aumento de temperatura. Além disso, o vapor de água vai aumentar em 7% para cada 1°C de aquecimento. O vapor de água é um dos gases de efeito estufa mais fortes, logo, o aumento do vapor de água continuará a contribuir para um aumento não-linear da temperatura. As subidas de temperatura resultantes ameaçam ser não-lineares, como discutido na secção final deste post.

A situação é ainda pior para alguns

Tais aumentos de temperatura vão atingir algumas pessoas mais do que outras. Para as pessoas que vivem no hemisfério norte, a perspectiva é pior do que para as pessoas no Hemisfério Sul.

Dados da NOAA mostram que a anomalia da temperatura global em terra e nos oceanos para novembro foi de 0,97°C, enquanto que a anomalia da temperatura global na terra e nos oceanos para 3 meses foi de 0,96°C. A anomalia da temperatura em terra no Hemisfério Norte (onde a maioria das pessoas vivem) em novembro 2015 para 12 meses foi de 1,39°C, como mostrado na imagem abaixo, enquanto a linha de tendência mostra que, para as pessoas que vivem no Hemisfério Norte, um aumento de 1,5°C em comparação com 1910-2000 poderia ser alcançado tão cedo quanto em 2017.

Anomalia da Temperatura Terrestre no Hemisfério Norte

De forma similar, a perspectiva é pior para as pessoas que vivem em regiões que já estão a experienciar agora elevadas temperaturas durante os picos de verão. Como disse, com o aumento das temperaturas, a intensidade de tais picos irá aumentar.

Mecanismos de Reforço Positivo (Feedbacks) no Ártico

A imagem abaixo, de uma publicação anterior, representa o impacto dos feedbacks que estão a acelerar o aquecimento no Ártico, com base em dados da NASA até Novembro de 2013, e a sua ameaça de causarem aquecimento global descontrolado. Como a imagem mostra, as temperaturas no Ártico estão a subir mais rápido do que em qualquer outro lugar no mundo, mas o aquecimento global ameaça recuperar o atraso assim que os feedbacks começarem a ser mais intensivos. A situação, obviamente, deteriorou-se ainda mais desde que esta imagem foi criada em novembro de 2013.

Aquecimento global acelerado no Ártico e mecanisos de reforço positivo

Aquecimento global acelerado no Ártico resultante dos mecanismos de reforço positivo. 1- Aquecimento global; 2- Aquecimento Acelerado no Ártico; 3- Aquecimento Global Fugidio.

A imagem abaixo mostra as anomalias da temperatura de superfície do mar no Hemisfério Norte em novembro.

Anomalia da Temperatura de Superfície do Mar

A imagem em abaixo dá uma indicação das elevadas temperaturas da água abaixo da superfície do mar. Anomalias tão elevadas como 10,3°C ou 18.5°F foram registadas ao largo da costa leste da América do Norte (círculo verde no painel direito da imagem em baixo) a 11 de dezembro de 2015, enquanto que a 20 de dezembro de 2015, temperaturas tão altas quanto 10.7°C ou 51,3°F foram registadas perto de Svalbard (círculo verde no painel direito da imagem abaixo), uma anomalia de 9,3°C ou 16.7°F.

Anomalia da Temperatura de Superfície dos Oceanos Dez 2015

Esta água quente é levada pela corrente do Golfo para o Oceano Ártico, ameaçando soltar grandes quantidades de metano do fundo do mar. A imagem abaixo ilustra o perigo, mostrando enormes quantidades de metano sobre o Oceano Ártico a 10 de Dezembro, de 2015.

Níveis de Metano no Ártico

O metano é libertado ao longo do Oceano Ártico em grandes quantidades, e este metano está a mover-se em direção ao equador à medida que atinge grandes altitudes. A imagem em baixo ilustra como o metano está a acumular-se em altitudes mais elevadas.

Níveis globais de metano

A imagem em cima mostra que o metano é especialmente proeminente em altitudes mais elevadas recentemente, tendo impulsionado os níveis de metano numa média estimada em 9 ppb ou cerca de 0,5%. As emissões anuais de hidratos foram estimadas em 99 Tg anualmente, numa publicação de 2014 (imagem abaixo).

Fontes de emissões de metano

Fontes de emissões de metano em Tg por ano.
Pântanos – 217 = 28,1%; Combustíveis fósseis e biomassa – 131 = 17%; Ruminantes, arroz, lixeiras – 200 = 25,9%; Outras fontes naturais, lagos, incêndios – 123 = 16%; Hidratos e Permafrost – 100 = 13%; Total – 171 Tg por ano.

Uns adicionais 0,5% de metano representam uma quantidade de cerca de 25Tg de metano. Isto vem em cima dos 99 Tg de metano estimados em 2014 como sendo libertados de hidratos anualmente.

A situação é calamitosa e apela a uma acção abrangente e eficaz, conforme descrito no Plano Climático.

Referências

– How Close Are We to ‘Dangerous’ Planetary Warming? By Michael Mann, December 24, 2015
http://www.huffingtonpost.com/michael-e-mann/how-close-are-we-to-dangerous-planetary-warming_b_8841534.html

– Maximum warming occurs about one decade after a carbon dioxide emission, by Katharine L Ricke and Ken Caldeira (2014)
http://iopscience.iop.org/1748-9326/9/12/124002/article

– How much time is there left to act?
http://arctic-news.blogspot.com/p/how-much-time-is-there-left-to-act.html

Durante os três meses do período entre Setembro e Novembro de 2015, esteve 1°C mais quente do que entre 1951-1980,…
Publicado por Sam Carana na quarta-feira, 16 de Dezembro de 2015, em Arctic-News.blogspot.com

Standard
Aquecimento Global Descontrolado, Extinção, Metano, Paleoclima

Existe Mesmo Um “Monstro de Metano Do Ártico”?

O Monstro de Metano no Ártico poderá desencadear um evento de extinção em massa como o Permiano, através de um aquecimento global descontrolado causado pelo aquecimento humano pelas emissões de CO2?

O Monstro de Metano no Ártico poderá desencadear um evento de extinção em massa como o Permiano, através de um aquecimento global descontrolado causado pelo aquecimento humano pelas emissões de CO2?

Podemos salvar a humanidade da maior ameaça de sempre? Vídeo imperdível foca os riscos e incertezas da libertação catastrófica de metano pelo meio ambiente no Ártico: Clique Aqui!

Após milhões de anos de idades do gelo, o Ártico tornou-se um vasto repositório de carbono fóssil.

Ao longo dos milénios, camada após camada de material biológico à base de carbono foi trancado no solo congelado das tundras e leitos marinhos do Ártico. Algumas destas reservas têm-se simplesmente sepultado no gelo. Outras, já tornadas em metano através dos fluxos lentos do tempo, estão subjacentes ao solo congelado do Ártico e ao fundo do mar como uma espécie de gelo de fogo.

Uma substância instável, inflamável e explosiva chamado clatrato.

As próprias reservas são massivas – contendo entre 2 a 3 triliões de toneladas ou mais de carbono. Provavelmente mais de cinco vezes a quantidade de carbono já emitido pelos seres humanos na atmosfera nos últimos 150 anos. Uma quantidade que já provavelmente trancou cerca de 1,8 ºC de aquecimento a curto prazo e 3,6 ºC de aquecimento a longo prazo.

Mas um descongelamento do Ártico poderia desencadear uma cadeia de eventos que levariam a um muito pior aquecimento ainda por vir.

Num mundo frio de época glacial essas reservas de carbono não são ameaça. Como um dragão adormecido, elas permaneceram latentes nas zonas frias do mundo – incapazes de quebrarem o selo do gelo. Mas num mundo que os seres humanos estão a forçar a um aquecimento rápido através de um ritmo de emissões de gases de efeito estufa pelo menos seis vezes mais rápido do que em qualquer momento nos biliões de anos da história da Terra, corremos o risco de uma libertação imensa deste stock de carbono monstruoso.

Uma Questão de Feedback de Metano

Nós realmente não sabemos o quanto de calor é necessário para desencadear uma libertação descontrolada desta pilha monstruosa de carbono. Mas já aquecemos o mundo em pelo menos 0,8 graus Celsius e muitos pesquisadores do Ártico acreditam que apenas 1,5 graus Celsius de aquecimento global é suficiente para descongelar toda a tundra do Ártico.

Esse descongelamento iria certamente expor a enorme reserva de carbono da tundra aos elementos e à ação microbiana. Aumentando a libertação já significativa de carbono do Ártico e contribuindo em muito para o aquecimento humano da atmosfera e dos oceanos da Terra por meio de emissões de gases de efeito estufa.

Anomalias locais em medições de metano do Ártico disparadas pelo aquecimento causado pelo homem. Jason Box; Meltfactor

Anomalias locais em medições de metano do Ártico disparadas pelo aquecimento causado pelo homem. Jason Box; Meltfactor

(Num artigo recente no seu blog Meltfactor, o Dr. Jason Box questiona se as anomalias locais em medições de metano do Ártico envolvem mini explosões de metano disparadas pelo aquecimento causado pelo homem. O Dr. Box também questionou apropriadamente se tais emissões de metano eram sinais de uma possível maior libertação resultante da força do calor gerado pelo homem sobre o ambiente do Ártico. O Dr. Box, de forma semelhante à nossa própria investigação sobre o Monstro de Metano do Ártico, metaforicamente rotula estas explosões de “Sopro do Dragão”. Fonte da imagem: Meltfactor).

Alguns anos atrás, um grupo de 41 pesquisadores do Ártico sugeriram que mesmo que parássemos de emitir gases de efeito estufa rapidamente, a libertação de carbono do Ártico seria igual a cerca de 10 por cento das emissões humanas anuais e continuaria por muito tempo no futuro. Mais preocupante, esses pesquisadores observaram que a falha em reduzir rapidamente as emissões humanas de carbono resultaria numa libertação anual pelo Ártico equivalente a 35% ou mais das emissões humanas, colocando o mundo no caminho para um cenário de aquecimento descontrolado.

Mas a questão de libertação de carbono do Ártico é tudo menos simples ou fácil de entender. Pois uma porção significativa – possivelmente tanto como 1/3 até 1/2 do depósito de carbono do Ártico poderia libertar-se como metano. E o metano, em escalas de tempo muito curtas, é um gás de efeito estufa muito potente. Ao longo de 20 anos, o metano tem um potencial de aquecimento global 86 vezes maior que a de um volume semelhante de CO2. Mesmo que uma parcela muito pequena da reserva de carbono do Ártico fosse libertada como metano ao longo de um período relativamente curto – 1, 5, 10 ou 50 gigatoneladas de um depósito total que inclui milhares de gigatoneladas – poderia exagerar enormemente o já poderoso aquecimento humano em curso ou, na pior das hipóteses, disparar um evento de aquecimento descontrolado semelhante ao das grandes extinções do Permiano e do PETM (Máximo Térmico do Paleoceno-Eoceno).

Um Risco Mal Compreendido

Não ajudando, não há nem de longe suficientes observações diretas do ambiente do Ártico de modo a definir a taxa atual de liberação de carbono ou o provável aumento nas taxas de libertação ao longo das últimas décadas. Temos estudos que mostram mais metano emitido por lagos de tundra, por exemplo. Temos as expedições de Semiletov e Shakhova para o Oceano Ártico, que continuam a fornecer estimativas cada vez mais elevadas das emissões de metano provenientes de plumas [ou colunas] nos fundos dos mares Laptev e do leste da Sibéria. Temos estudos que mostram aumento da libertação de CO2 e metano dos vastos depósitos de carbono da tundra congelada de Yedoma na Sibéria. E temos os casos mais preocupantes de libertações de metano explosivas – provavelmente do descongelamento rápido de clatratos sob a permafrost – na região de Yamal na Rússia, este ano, que resultou em crateras dramáticas de tundra siberiana.

Sobrecarga muito significativa de metano no Ártico - No ano passado, no mês de Outubro, as leituras de metano ao longo da Cordilheira de Gakkel tiveram um pico de 2.662 partes por bilião - ou seja, mais de 800 partes por bilião acima da média global - antes de se difundirem na atmosfera. A imagem acima mostra os níveis de metano sobre a mesma região a subirem para mais de 2.400 partes por bilião a 16 de Setembro de 2014. - Arctic News

Sobrecarga muito significativa de metano no Ártico – No ano passado, no mês de Outubro, as leituras de metano ao longo da Cordilheira de Gakkel tiveram um pico de 2.662 partes por bilião – ou seja, mais de 800 partes por bilião acima da média global – antes de se difundirem na atmosfera. A imagem acima mostra os níveis de metano sobre a mesma região a subirem para mais de 2.400 partes por bilião a 16 de Setembro de 2014. – Arctic News

(Grande libertação de metano do fundo do oceano em curso? O Ártico continua a mostrar uma sobrecarga muito significativa de metano – insinuando maiores libertações de metano do seu meio. No ano passado, no mês de Outubro, as leituras de metano ao longo da Cordilheira de Gakkel tiveram um pico de 2.662 partes por bilião – ou seja, mais de 800 partes por bilião acima da média global – antes de se difundirem na atmosfera. A imagem acima mostra os níveis de metano sobre a mesma região a subirem para mais de 2.400 partes por bilião a 16 de Setembro de 2014. Link: Arctic News).

Mas esses estudos e instâncias focam apenas subsecções do Ártico. E, da mesma forma que vários homens cegos ao investigarem as várias partes de um elefante podem discordar sobre a forma geral da besta, nós temos um problema semelhante na compreensão da forma total da ameaça representada pela libertação de metano e carbono do Ártico.

O Dr. David Archer, que tem desenvolvido vários ensaios de modelos da potencial libertação de metano do leito do mar do Ártico, afirma que há essencialmente zero motivo de preocupação quanto à libertação de metano em grande escala para este século. Um número de pesquisadores do Ártico discordam com o principal destes ensaios, sendo Peter Wadhams, o Dr. Semiletov e a Dra. Shakhova, os quais todos parecem muito preocupados com o potencial para uma libertação em grande escala em breve. Um meio termo é povoado por uma série de pesquisadores como Carolyn Ruppel e Sue Natali do observatório Woods Hole. Estes pesquisadores estão, racionalmente, a pedir mais dados sobre uma questão que está por demais mal compreendida pela ciência.

Projeto CARVE da NASA Encontra Modelos em Desacordo Quanto à Libertação de Carbono do Ártico

Este atual falta de uma compreensão mais ampla e consenso científico na questão da potencial de resposta dos Sistemas do Ártico e da Terra a um crescente aquecimento da atmosfera e do oceano causado pelos humanos foi destacada no relatório da semana passada pelo estudo CARVE da NASA.

O estudo, que visava monitorizar as emissões de carbono do Ártico – correu uma série de modelos climáticos globais para tentar determinar o quanto de carbono está a ser libertado a partir do Ártico. O estudo não tentou apontar cenários de emissões futuras. Apenas teve como alvo tentar estabelecer uma linha de base para as emissões tal como estão agora. Uma compreensão requerida para se fornecer qualquer avaliação clara de como as emissões de carbono do Ártico poderão vir a estar no futuro.

Os pesquisadores conectaram os dados das atuais emissões localizadas de carbono do Ártico em 40 modelos climáticos globais e os modelos cuspiram devidamente os resultados os quais estavam por todo o quadro. Essencialmente, os modelos confirmaram o que nós analistas de risco já sabíamos: não há informação suficiente disponível para fornecer uma compreensão clara dos potenciais cenários de libertação de carbono do Ártico, muito menos apontar quanto de carbono está a ser emitido.

Do Relatório da Science Daily da semana passada:

Quanto carbono está a abandonar o seu solo em descongelamento e a adicionar efeito estufa à Terra? …

Um novo estudo realizado como parte do Carbon in Arctic Reservoirs Vulnerability Experiment (CARVE) [Experimento de Vulnerabilidade dos Reservatórios de Carbono do Ártico] da NASA, mostra precisamente quanto trabalho ainda precisa ser feito para se chegar a uma conclusão sobre esta e outras questões básicas sobre a região que o aquecimento global está a atingir de forma mais violenta.

O autor principal, Josh Fisher do Laboratório de Propulsão a Jacto da NASA, em Pasadena, Califórnia, analisou 40 modelos de computador dos montantes e fluxos de carbono nos ecossistemas boreais e do Ártico do Alasca. A sua equipa encontrou grande discordância entre os modelos, destacando a necessidade urgente de mais medições na região …

“Todos nós sabíamos que havia grandes incertezas na nossa compreensão, e queríamos quantificar a sua extensão”, disse Fisher. Essa extensão revelou-se maior do que o que quase todos esperavam. “Os resultados foram chocantes para a maioria das pessoas”, disse ele.

Plumas de metano no oceano foram descobertas ao largo da costa leste dos EUA e no Mar de Laptev pela expedição SWERUS C3, Essas emissões incluem quase sempre reservas de clatratos destablizadas. Fonte da imagem: Nature Geoscience

Plumas de metano no oceano foram descobertas ao largo da costa leste dos EUA e no Mar de Laptev pela expedição SWERUS C3, Essas emissões incluem quase sempre reservas de clatratos destablizadas. Fonte da imagem: Nature Geoscience

(As infiltrações de metano do oceano como nestas aberturas recentemente descobertas ao largo da costa leste dos EUA e as descobertas no Mar de Laptev pela expedição SWERUS C3, são quase sempre mais numerosas e enérgicas do que se esperava; um resultado, provavelmente, do aumento do impacto do calor causado por humanos. Essas emissões incluem quase sempre reservas de clatratos destablizadas. Fonte da imagem: Nature Geoscience).

Levará anos até que os cientistas definam com mais certeza o risco representado pela libertação de carbono e metano do Ártico. Um risco que agora envolve em si próprio o potencial para desencadear uma nova extinção por efeito estufa do tipo Permiano durante os próximos 1 a 3 séculos. Um risco que, considerando tudo, é provavelmente o risco mais terrível que já enfrentámos como espécie.

Como tal, não podemos esperar por uma certeza absoluta sobre o escopo desse risco. Se há sensibilidade suficiente para desencadear uma grande libertação de carbono do Ártico a 1,5 C ou 6 C de aquecimento é discutível – porque sabemos que continuar a queimar combustíveis fósseis eventualmente nos levará lá mais cedo ou mais tarde.

Então, enquanto nós continuamos a pesquisar o que pode muito bem ser a maior ameaça ambiental que já enfrentámos, é inteiramente prudente começar uma rápida redução das emissões globais de carbono com o objetivo de chegar a zero emissões de carbono e emissões líquidas de carbono negativas o mais breve possível. Os riscos são simplesmente grandes demais para se continuar a atrasar a ação.

Traduzido do original “When it Comes to The Arctic Methane Monster, What We Don’t Know Really Could Kill Us — NASA Model Study Shows Very High Carbon Release Uncertainty” em http://robertscribbler.wordpress.com/

Referências bibliográficas utilizadas pelo autor:

High Risk of Permafrost Thaw

With Few Data Arctic Carbon Models Lack Consensus

Can We Save Humans From the Greatest Threat Ever?

Rate of Methane Release From Tundra Thaw Lakes Increases by 58%

Why We Should Be Paying More Attention to Methane

Hundreds of Seeping Methane Plumes Discovered off US East Coast

Meltfactor

Arctic News

SWERUS C3 Arctic Carbon Study

NOAA Earth Systems Research Laboratory

Climate Science: The Vast Cost of Arctic Change

Arctic Methane Monster Shortens Tail: ESAS Emitting Methane at Twice Expected Rate

Arctic Methane Monster Exhales: Third Tundra Crater Found in Siberia

High Velocity Human Warming Leads to Arctic Methane Monster’s Rapid Rise from Fens

How Much Methane Came Out of That Hole in Siberia?

Rapid Arctic Thaw Could be Economic Timebomb

Standard