James Hansen, Peter Sinclair

Painel All Star da Ciência Climática Deixa Cair uma Bomba de Estudo

O artigo bombástico cuja pré-publicação James Hansen lançou no verão passado passou agora a revisão para publicação, na revista Journal Atmospheric Chemistry and Physics. (grátis on-line)

O artigo é significante para os leitores deste blog porque, há um ano atrás, eu produzi um vídeo descrevendo observações no Atlântico Norte que são consistentes com uma das principais premissas do artigo, um abrandamento da Circulação de Revolvimento do Atlântico [também conhecida por circulação termoalina do Atlântico ou AMOC – Atlantic Meridional Overturning Circulation, em inglês] – com os cientistas Stefan Rahmstorf, Michael Mann, e Jason Box. Publiquei esse vídeo no fundo desta publicação.
O Dr. Mann é citado no Washingon Post, (abaixo) expressando algumas reservas quanto ao novo estudo, logo, há lá um espaço para acompanhamento.

Acima, na minha entrevista de dezembro, Hansen deu-nos uma rápida amostra. Em baixo, o seu novo vídeo [Legendado em Português] representa uma descrição mais detalhada e ilustrada.

PBS Nova:

Os oceanos do mundo poderiam subir catastroficamente tão cedo quanto em 50 anos a partir de agora, de acordo com um novo estudo publicado esta manhã em Atmospheric Chemistry and Physics.

Os pesquisadores por trás do papel – o Dr. James Hansen e 18 co-autores – olharam para o passado de há 120.000 anos atrás, a última vez que a Terra aqueceu aproximadamente na mesma medida que o aquecimento presente. (As temperaturas globais estão agora 1˚C, ou 1.8˚F, acima dos níveis pré-industriais.) Naquela época, o aquecimento natural libertou quase toda a água que estava trancada em camadas de gelo polares, aumentando os níveis do mar rapidamente em 20 a 30 pés.

Washington Post:

Um grupo de cientistas influente liderado por James Hansen, o ex-cientista da NASA muitas vezes creditado por ter chamado a primeira grande atenção para as alterações climáticas em 1988 num depoimento ao Congresso, publicou um estudo climático calamitoso que sugere que o impacto do aquecimento global será mais rápido e mais catastrófico do que geralmente previsto.

A pesquisa invoca colapso das camadas de gelo, mega-tempestades violentas e até mesmo o arremesso de pedregulhos por ondas gigantes, na sua procura por sugerir que até mesmo 2 graus Celsius de aquecimento global acima dos níveis pré-industriais seria demais. Hansen chamou-lhe o trabalho mais importante que ele alguma vez fez.

O artigo abrangente, com 52 páginas de comprimento e 19 autores, baseia-se em evidências da mudança climática antiga ou “paleo-climatologia,” assim como em experiências climáticas usando modelos de computador e algumas observações modernas. Chamar-lhe de “estudo” realmente não está bem correto. É, na verdade, uma síntese de uma ampla gama de evidências antigas e novas.

“Acho que quase toda a gente que está realmente familiarizada com ambas [evidências] paleo e modernas está agora muito preocupada por estarmos a aproximar-nos, se já não ultrapassámos, dos pontos em que teremos trancado mudanças realmente grandes para os jovens e as gerações futuras”, disse Hansen numa entrevista.

A pesquisa, aparecendo na terça-feira na revista de acesso aberto Atmospheric Chemistry and Physics, teve um caminho longo e controverso, tendo aparecido pela primeira vez como um “documento de discussão” na mesma revista, sujeito a revisão por pares on-line e ao vivo – uma nova mas cada vez mais influente forma de publicação científica. Hansen falou pela primeira vez à imprensa sobre a pesquisa no verão passado, antes deste processo estar concluído, levando a críticas por parte de alguns jornalistas e também de colegas cientistas de que ele poderia estar a saltar antes do tempo.

O que se seguiu foi um debate de alto nível, tanto por causa das reivindicações dramáticas como da formidável reputação de Hansen. E os seus numerosos co-autores, incluindo especialistas de gelo da Gronelândia e da Antártida e um líder do Painel Intergovernamental das Nações Unidas para a Mudança do Clima, não eram nada a desprezar.

Após downloads recordes do estudo e um intenso processo de revisão pública, uma versão revista do artigo foi agora aceite, de acordo com Hansen e Barbara Ferreira, gerente de mídia e comunicações para a União Geofísica Europeia [European Geophysical Union], a qual publica a Atmospheric Chemistry and Physics. De facto, o artigo está agora livremente disponível para leitura no site da Atmospheric Chemistry and Physics.

O artigo, de acordo com Ferreira, foi sujeito a “grandes revisões em termos de organização, título e conclusões.” Aquelas vieram em resposta a críticas que podem ser lidas publicamente no site da revista. O artigo também tem agora dois autores adicionais.

Mais notavelmente, talvez, o processo editorial levou à remoção do uso da frase “altamente perigoso”, no título do trabalho, para descrever o aquecimento do planeta em 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais.

O título do artigo original era “Derretimento do gelo, elevação do nível do mar e supertempestades: evidência a partir de dados paleoclimáticos, modelagem climática, e observações modernas de que um aquecimento global de 2 °C é altamente perigoso.” O último título é “derreter o gelo, mar elevação do nível e supertempestades: evidência a partir de dados paleoclimáticos, modelagem climática, e as observações modernas que 2 ° C o aquecimento global poderia ser perigoso.”

Mas, mesmo assim, o cenário de catástrofe climática de James Hansen toma agora o seu lugar na literatura científica oficial, relativamente intacto. Logo, vamos ensaiar esse cenário, mais uma vez, para o registo.

Hansen e os seus colegas pensam que o derretimento de grande parte da Gronelândia e da Antártida pode não só acontecer bastante rápido – levando a tanto quanto vários metros de elevação do nível do mar no espaço de um século, dependendo da rapidez com que as taxas de derretimento duplicam -, como este derretimento irá ter consequências de mudanças climáticas dramáticas, além de simplesmente elevação dos níveis do mar.

Isso porque, postulam eles, a fusão irá causar uma “estratificação” dos oceanos polares. O que isto significa é que ela irá encurralar uma bolha de água doce fria do degelo no topo da superfície do oceano, com uma camada do oceano mais quente por baixo. Temos, realmente, visto uma possível pista para isto com a bolha anomalamente fria de água do oceano ao largo da costa sul da Gronelândia, a qual alguns atribuem ao derretimento da Gronelândia.

De fato, pouco antes da publicação do novo estudo, a National Oceanic and Atmospheric Administration [NOAA] lançou novos dados recentes sobre a temperatura do globo que, certamente, tem uma semelhança com aquilo de que Hansen está a falar. Pois não só esteve o globo com um calor recorde global durante os últimos três meses, como também mostrou manchas frias anómalas em regiões, as quais Hansen suspeita estarem a ser causadas ​​pelo derreter do gelo – abaixo da Gronelândia, e também ao largo da ponta da península Antártica.

Manchas de água doce fria ​pelo derreter do gelo abaixo da Gronelândia

Estratificação, a ideia-chave no novo estudo, significa que a água quente do mar chegaria potencialmente à base das camadas de gelo que assentam abaixo do nível do mar, derretendo-as a partir de baixo (e causando mais derretimento de gelo e, portanto, estratificação). Significa também, no artigo de Hansen, um abrandamento ou mesmo uma eventual paralisação da circulação de reversão no oceano Atlântico, devido a muito refrescar no Atlântico Norte ao largo e em torno da Gronelândia, e também a um enfraquecimento da outra circulação de reversão no Oceano Antártico.

Isto, por sua vez, causa arrefecimento na região do Atlântico Norte, para além de o aquecimento global criar uma região equatorial mais quente. Esse crescente diferencial de temperatura norte-sul, no estudo, impulsiona ciclones de latitude média, ou tempestades, mais intensos. O estudo sugere que tais tempestades podem disparar ondas oceânicas gigantescas, as quais podem até ser capazes de feitos como atirar pedregulhos em alguns locais, não muito diferente das rochas enormes vistas na ilha das Bahamas de Eleuthera, a qual visitei com Hansen e o seu co-autor, o geólogo Paul Hearty, em novembro.

Estas rochas desempenham um papel fundamental no novo estudo, tal como desempenharam no rascunho original do estudo. De facto, muito antes do artigo atual, Hearty havia documentado, em publicações revisadas por pares, que as rochas de Eleuthera parecem ter vindo do oceano e terem sido erguidas para cima de um cume costeiro. Isso parece ter acontecido durante um período de aquecimento passado, o Eemiano, cerca de 120.000 anos atrás, quando o planeta era apenas ligeiramente mais quente do que hoje, mas os mares eram muito mais elevados – mas a ideia é que algo assim poderia acontecer novamente.

Depósito de pedras em Eleuthera poderá estar relacionado com ondas oceânicas gigantescas

GREGORY TOWN, BAHAMAS – 21 DE NOVEMBRO: Os pedregulhos gigantes de Eleuthera que provocaram um grande debate entre os cientistas quanto à sua origem, tirado a 21 de Novembro de 2015, em Eleuthera, Bahamas. À esquerda está ‘The Bull’ (2000 toneladas) e à direita está ‘The Cow “(1000 toneladas). Medindo mais de 20 pés de altura, a teoria partilhada por Paul Hearty, um geólogo costeiro na Universidade da Carolina do Norte em Wilmington, é que as pedras enormes foram catapultadas para terra por uma série de tempestades intensas. Elas agora assentam delicadamente empoleiradas no cume costeiro em Eleuthera do Norte. (Fotos por Charles Ommanney / The Washington Post)

O artigo contém muitas ideias e pontos de partida, mas o ponto chave é a sua sugestão da possibilidade de uma maior elevação do nível do mar neste século do que o previsto pelo Painel Intergovernamental das Nações Unidas para as Alterações Climáticas.

“Os modelos que foram executados para o relatório do IPCC não incluíram o derretimento do gelo”, disse Hansen numa conferência de imprensa sobre o novo estudo, na segunda-feira. “E nós também concluímos que a maioria dos modelos, incluindo os nossos, têm uma mistura excessiva de pequena escala, e isso tende a limitar o efeito desta lente de água doce à superfície do oceano sobre degelo da Groenlândia e da Antártida.”

Michael Mann, um cientista climático da universidade Penn State familiarizado com o estudo original, comentou: “Tanto quanto posso dizer, as questões que me causaram preocupação originalmente ainda permanecem no manuscrito revisto. Nomeadamente, as quantidades projetadas de água do degelo parecem fisicamente grandes demais, e o componente oceânico do seu modelo não resolve sistemas atuais chave derivados do vento (por exemplo, a Corrente do Golfo) que ajuda a transportar calor em direção aos pólos. Isso torna as temperaturas do hemisfério norte no seu estudo muito sensíveis a mudanças na circulação de reversão meridional Atlântica”, o nome científico para a circulação oceânica no Atlântico que, o estudo sugere, pode parar.

New York Times:

O estudo identifica um mecanismo específico o qual os cientistas dizem que acreditam que poderia ajudar a causar uma mudança climática abrupta.

A sua ideia é que a fusão inicial das grandes camadas de gelo vai colocar uma tampa de água relativamente doce nas superfícies do oceano perto da Antártida e da Gronelândia. Isso, eles pensam, irá abrandar ou até mesmo desligar o sistema de correntes oceânicas que redistribui o calor em torno do planeta e permite que uma parte dele escape para o espaço.

O calor irá, então, acumular-se nas partes mais profundas do oceano, os cientistas pensam, acelerando o derretimento das partes das camadas de gelo que ficam abaixo do nível do mar. Além disso, uma diferença de temperatura mais ampla entre os trópicos e os pólos irá incentivar poderosas tempestades. O artigo cita evidências, em grande parte contestada, de que imensas tempestades aconteceram durante o período quente de há 120.000 anos atrás.

A ideia de uma paralisação na circulação dos oceanos devido ao aquecimento global foi considerada há mais do que uma década atrás, e foi rejeitada pela maioria dos cientistas como improvável. Isso não impediu uma versão distorcida da ideia de se tornar a premissa do filme catastrófico “O Dia Depois de Amanhã”, lançado em 2004.

O novo estudo pode reabrir esse debate, forçando os cientistas a reexaminarem a ideia com os modelos climáticos de computador mais sofisticados que estão disponíveis hoje.

Mesmo os cientistas cautelosos com as conclusões do novo estudo relembram que o Dr. Hansen tem uma longa história de estar à frente da curva na ciência do clima. Como o Dr. Mann disse, “Acho que nós ignoramos o James Hansen na nossa conta e risco.”

Nota: a parte do NYTimes fala da paralisação da AMOC como sendo improvável, mas não menciona o estudo de Stefan Rahmstorf de há um ano atrás, com Mann e Box.

Traduzido do original All Star Science Panel Drops Bombshell Climate Paper de Peter Sinclair, publicado no blogue Climate Denial Crock of the Week, a 22 de Março de 2016.

Anúncios
Standard
Comparação das anomalias das temperaturas de 2016, 2015, 2014 e 2010
Peter Sinclair

O Pico de Temperatura deste Mês Significa o Quê?

Steve Sherwood e Stefan Rahmstorf em The Conversation:

As temperaturas globais para fevereiro revelaram um pico preocupante e sem precedentes. Esteve 1,35℃ mais quente do que a média de fevereiro para o período de linha de base usual de 1951-1980, de acordo com dados da NASA.

Esta é a maior anomalia quente de qualquer mês desde que os registos começaram em 1880. Excede em muito os recordes batidos em 2014 e novamente em 2015 (o primeiro ano em que a marca de 1℃ foi ultrapassada).

No mesmo mês, a cobertura de gelo marinho do Ártico atingiu o seu valor mais baixo para fevereiro jamais registado. E a concentração de dióxido de carbono na atmosfera no ano passado aumentou mais de 3 partes por milhão, outro recorde.

O que é que se passa? Estamos diante de uma emergência climática?

Toca a acordar
Toca a acordar! Situação de emergência de aquecimento global com pico de temperatura de fevereiro

Desvio da média de 1951-1980 das temperaturas para fevereiro entre 1880 e 2016

Temperaturas de fevereiro de 1880 a 2016, a partir de dados da NASA GISS. Os valores são desvios do período base de 1951-1980. Stefan Rahmstorf

O El Niño e a Mudança Climática

Duas coisas que se estão a combinar para produzir o calor recorde: a tendência de aquecimento global que nos é bem conhecida causada pelas nossas emissões de gases de efeito estufa, e um El Niño no Pacífico tropical.

O registo mostra que o aquecimento da superfície global foi sempre sobreposto pela variabilidade climática natural. A maior causa dessa variabilidade é o ciclo natural entre as condições de El Niño e La Niña. O El Niño em 1998 bateu os recordes, mas agora temos um que parece ser ainda maior em algumas medidas.

O padrão de calor em fevereiro mostra assinaturas típicas tanto do aquecimento global a longo prazo como do El Niño. Este último é muito evidente nos trópicos.

Mais ao norte, o padrão é semelhante a outros fevereiros desde o ano 2000: um aquecimento particularmente forte no Ártico, Alasca, Canadá e no norte do continente Euro-Asiático. Outra característica notável é uma bolha fria no Atlântico Norte, que tem sido atribuída a um abrandamento na Corrente do Golfo.

O pico de aquecimento de Fevereiro trouxe-nos pelo menos 1,6℃ acima dos níveis pré-industriais das temperaturas médias globais. Isto significa que, pela primeira vez, ultrapassámos a meta aspiracional internacional de 1,5℃ acordada em dezembro, em Paris. Estamos a chegar desconfortavelmente perto de 2℃.

Felizmente, isto é temporário: o El Niño está a começar a diminuir.

Infelizmente, fizemos pouco quanto ao aquecimento subjacente. Se não for controlado, isso fará com que esses picos aconteçam mais e mais vezes, com um pico maior que 2℃ a estar talvez apenas a um par de décadas de distância.

Os gases de efeito estufa que aquecem lentamente a Terra continuam a aumentar em concentração. A média de 12 meses ultrapassou as 400 partes por milhão mais ou menos há um ano – o nível mais alto em pelo menos um milhão de anos. A média subiu ainda mais rápido em 2015 do que nos anos anteriores (provavelmente também devido ao El Niño, pois isso tende a trazer seca para muitas partes do mundo, o que significa que menos carbono é armazenado no crescimento de plantas).

Um lampejo de esperança é que as nossas emissões de dióxido de carbono dos combustíveis fósseis, pela primeira vez em décadas, pararam de aumentar. Esta tendência tem sido evidente ao longo dos dois últimos anos, principalmente devido a um declínio do uso do carvão na China, que anunciou recentemente o encerramento de cerca de 1.000 minas de carvão.

Temos subestimado o aquecimento global?

Será que o “pico” muda a nossa compreensão do aquecimento global? Ao pensar sobre a mudança climática, é importante adotar uma visão de longo prazo. Uma situação tipo La Niña predominante nos últimos anos não significou que o aquecimento global tinha “parado”, como algumas figuras públicas estavam (e provavelmente ainda estão) a reivindicar.

Da mesma forma, um pico quente devido a um grande evento El Niño – mesmo que surpreendentemente quente – não significa que o aquecimento global tenha sido subestimado. No longo prazo, a tendência de aquecimento global está muito bem de acordo com as previsões de longa data. Mas essas previsões, no entanto, pintam um retrato de um futuro muito quente se as emissões não forem reduzidas em breve.

A situação é semelhante à de uma doença grave como cancro: o paciente normalmente não fica ligeiramente pior a cada dia, mas tem semanas em que a família pensa que ele pode estar a recuperar, seguidas de dia terríveis de recaídas. Os médicos não mudam o seu diagnóstico de cada vez que isso acontece, porque eles sabem que isto faz tudo parte da doença.

Embora o corrente pico derivado do El-Niño seja temporário, vai durar tempo suficiente para ter algumas consequências graves. Por exemplo, um evento maciço de branqueamento de coral parece provável na Grande Barreira de Corais.

Aqui na Austrália temos vindo a bater recordes de calor nos últimos meses, incluindo 39 dias seguidos em Sydney acima de 26℃ (o dobro do recorde anterior). As notícias parecem estar centradas no papel do El Niño, mas o El Niño não explica por que os oceanos ao sul da Austrália, e no Ártico, estão em temperaturas altas recorde.

A outra metade da história é o aquecimento global. Isto está a impulsionar cada El Niño sucessivo, juntamente com todos os seus outros efeitos sobre as camadas de gelo e o nível do mar, o ecossistema global e eventos climáticos extremos.

Esta é a verdadeira emergência climática: está a ficar mais difícil, a cada ano que passa, para a humanidade evitar que as temperaturas subam acima de 2℃. Fevereiro devia lembrar-nos o quão urgente é a situação.

Traduzido do original What Does This Month’s Temp Spike Mean? de Peter Sinclair, publicado no blogue Climate Denial Crock of the Week, a 16 de Março de 2016.
Standard